Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'revista programar'.

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Comunidade
    • Sugestões, Críticas ou Dúvidas relativas ao P@P
    • Acerca do P@P
  • Comunidade a Trabalhar
    • Apresentação de Projectos de Programação
    • Downloads
    • Revista PROGRAMAR
  • Desenvolvimento Geral
    • C
    • C++
    • Java
    • Pascal
    • Python
    • Bases de Dados
    • Dispositivos Móveis
    • Outras Linguagens
  • Desenvolvimento Orientado para Web
    • PHP
    • HTML
    • CSS
    • Javascript
    • Outras Linguagens de WebDevelopment
    • Desenvolvimento Web
  • Desenvolvimento .NET
    • C#
    • Visual Basic .NET
    • ASP.NET
    • WPF & SilverLight
  • Software e Sistemas Operativos
    • Software de Produtividade
    • Sistemas Operativos
    • Apresentação de Software
  • Informática
    • Interfaces Visuais
    • Computação Gráfica
    • Algoritmia e Lógica
    • Segurança e Redes
    • Hardware
    • Electrónica e Automação Industrial
    • Matemática
    • Software de Contabilidade e Finanças
    • Dúvidas e Discussão de Programação
  • Outras Áreas
    • Notícias de Tecnologia
    • Dúvidas Gerais
    • Discussão Geral
    • Eventos
    • Anúncios de Emprego
    • Tutoriais
    • Snippets / Armazém de Código
  • Arquivo Morto
    • Projectos Descontinuados
    • System Empires

Blogs

  • Blog dos Moderadores
  • Eventos
  • Notícias de Tecnologia
  • Blog do Staff
  • Revista PROGRAMAR
  • Projectos
  • Wiki

Categories

  • Revista PROGRAMAR
  • Tutoriais
  • Textos Académicos
  • Exercícios Académicos
    • Exercícios c/ Solução
    • Exercícios s/ Solução
  • Bibliotecas e Aplicações
  • Outros

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

  1. A Revista PROGRAMAR está de volta com mais uma edição. Desta vez temos como tema de capa o artigo CRaspberry + ESP8266 = “Light”, da autoria de António C. Santos e Rita Peres. Adicionalmente, nesta edição poderá encontrar mais 19 artigos, que listamos de seguida: IAtravés dos Olhos de uma rede Neuronal – Sérgio Saraiva Introdução ao SonarQube – Nuno Cancelo SEO e Desenvolvedores: Unindo esforços para o desenvolvimento – Aline Rossi Blockchain – Bernardo Vieira ASP.NET Core, Angular 5 – CRUD com Entity Framework – António Santos Classes de infraestrutura: a c
  2. O SoapUI O SoapUI é uma aplicação open source utilizada em testes de web services de arquitecturas orientadas a serviços (SOA) ou transferências de estado representacional (REST). É uma aplicação multi-plataforma desenvolvida em Java. Existe também uma versão profissional que suporta múltiplas origens de dados de testes, geração de testes automatizados, análise inteligente de pedidos, etc. Entre outras funcionalidades, o SoapUI permite: Invocação de web services Inspecção de web services Geração de testes de carga em web services Geração de testes de segurança
  3. staff

    Deep Learning Passo a Passo

    Muito se tem falado ultimamente no tema da Inteligência Artificial (IA) respetivas ramificações, razão pela qual decidi trazer um exemplo prático sobre o tema, nomeadamente um caso de uso de uma rede neuronal artificial (RNA), que através de um processo de treino (análise sucessiva de observações), infere/aprende correlações existentes num conjunto de dados (dataset). Mas primeiro vamos definir os conceitos de: Inteligência Artificial, Machine Learning, Deep Learning, sendo artigo relativo a este último. Caso de uso Mais do que os dados em si, o objetivo é apresentar na prática o func
  4. Nesta edição trazemos até vós, caros leitores, a review acerca do novo livro da FCA do autor Alberto Magalhães – Business Intelligence no SQL Server. Na sua essência as bases de dados são simplesmente contentores de informação. Quando um determinado sistema permanece durante anos sem grandes alterações, todos nós sabemos que acrescentar mais uma feature ou outra facilmente implica quase sempre a adição de mais uma tabelinha para facilmente termos dados “à mão”, tornando-se mais uns “pontos” para o “contentor” guardar. E hoje em dia é cada vez mais importante usarmos os dados que armazenam
  5. Um livro destinado a professores, estudantes, profissionais e interessados nesta temática, mais actual que nunca, aborda de forma concisa e prática os conceitos teóricos subjacentes ao tema, de forma bastante sintética, mas sem perder a essência do que é mais relevante, para quem se “aventura” nesta temática, bem como para quem pretende consultar informação. Ao longo de onze capítulos, são abordados temas como encriptação, recorrendo a PGP (Pretty Good Privacy), certificados digitais (x.509), acessos remotos utilizado SSH, evoluindo para temáticas mais abrangentes como segurança em servi
  6. staff

    Vulnerabilidades Web em 2017

    Foi registado um número recorde de vulnerabilidades em 2017 nas aplicações web, incluindo categorias bem conhecidas, como XSS, mas também novas categorias, como desserialização insegura. O número de vulnerabilidades na IoT também cresceu descontroladamente e com um impacto extremamente severo. Também o PHP e o WordPress continuam de mãos dadas no que toca a vulnerabilidades em CMS e server-side. Por fim, uma vulnerabilidade de dia zero (zero day vulnerability) afetou o Apache Struts e que contou com uma das maiores violações de segurança do ano. Vulnerabilidades Web 2016-2017 A segui
  7. staff

    RGPD – O Antes e o Depois

    O Regulamento Geral de Protecção de Dados (RGPD) entra em vigor a 25 de Maio de 2018, com o intuito de tornar as leis da União Europeia (UE) mais homogéneas, em termos do tratamento e processamento de dados dos cidadãos. Mas as novas normas repercutem-se em todo o mundo, já que mesmo as empresas de fora da UE terão que respeitar o RGPD, desde que lidem com dados de cidadãos europeus. O Antes A internet começou a alcançar a maioria da população já nos anos 90. O seu crescimento a larga escala levou a uma partilha de informação massiva e inicialmente descontrolada, os utilizadores não
  8. staff

    SQL vs NoSQL

    Hoje em dia cada vez mais as bases de dados estão a ocupar um lugar de destaque no nosso mundo tecnológico. Queremos guardar os nossos dados, ter acesso aos mesmos o mais rápido possível e processá-los para termos respostas rápidas. Antigamente os dados guardados eram específicos, em “tabelas contentores”. Hoje, principalmente com Big Data, o nosso próprio telefone guarda tudo o que fazemos e praticamente tudo o que pensamos fazer. E perder “sessenta segundos” por uma resposta que queremos já se torna cada vez mais impensável. Por este motivo nesta edição decidimos recordar uma discu
  9. staff

    Entrevista a Bruno Horta

    Revista PROGRAMAR (RP): Fala-me um pouco de ti e do teu percurso na tecnologia. Bruno Horta (BH): Bem aos 14 anos os meus pais deram-me o meu primeiro computador, até a data apenas tinha mexido um Spectrum 128k de uns amigos, no entanto depois daquele dia que recebi o meu computador e podia explorar o mesmo 24 horas por dia, foi isso mesmo que fiz, a maioria das noites nem dormia, depois disso nunca fiz nada que não estivesse relacionado com tecnologia, aos 16 anos era programador de HTML, Javascript e Perl, depois passei para o hardware onde tive cerca de 10 anos, fazia reparações ao
  10. staff

    JUnit

    JUnit é um framework open-source para escrever e executar testes em Java. Com ele também é possível executar os asserts que verificam se uma condição é verdadeira. Recentemente (18/07/2017) foi lançada uma versão milestone (provavelmente não é uma versão final e completa) do JUnit 5, que necessita do Java 8. A primeira aparência é que existem várias funcionalidades legais, tais como testes parametrizados (poder passar vários parâmetros para um mesmo teste executar várias vezes), assert de Exception melhorado, agrupar testes por Tags, etc.
  11. staff

    ESP32 – MicroPython

    Para aqueles que andam no mundo da Internet das Coisas o micro controlador ESP8266 já deve ser um conhecido, para quem nunca ouviu falar aconselho a experimentar, pois desenvolver dispositivos que tenham que ser ligados a uma rede Wi-Fi nunca foi tão simples. Então se o ESP8266 é assim tão bom porque é que eu estou aqui a falar do ESP32… bem este super micro controlador… sim super porque conta 2 cores de 240MHz dentro de um microprocessador Tensilica Xtensa de 32 bit Ultra Low Power, 448KiB de ROM para funções internas e de arranque, 520KiB de SRAM para colocarmos o nosso código
  12. staff

    Pomar Musical

    O pomar musical foi um projeto feito, inicialmente, para o evento Eletrónica e Informática, organizado pela Associação de Informática de Castelo Branco. Este evento visava mostrar projetos amadores e profissionais que se faziam, não só em Castelo Branco, mas em todo o país. O pomar musical usa um Raspberry PI 2 modelo B e o Adafruit Capacitive Touch Shield MPR121 para o Raspberry PI e é programado usando a linguagem Python. Ler mais...
  13. Olá a todos, esta é a primeira vez que faço uma review para a revista Programar, queria desde já agradecer ao António Santos e à FCA pela oportunidade e pelo envio do livro. Quem me conhece, sabe que dou preferência a um livro impresso aos digitais, apesar de ser um aficionado das tecnologias, a leitura de um livro fisico traz-me um conforto e uma concentração que não consigo nos electrónicos. O livro Node.js não poderia ter chegado em melhor altura, pois neste momento estou a dedicar mais atenção a esta bela plataforma, que quando aplicada correctamente pode ser uma me
  14. O Javascript (JS) tem vindo a tornar-se uma linguagem de programação cada vez mais popular, sendo neste momento usada para desenvolver aplicações standalone, APIs, aplicações Web, entre outras. Apesar da sua grande versatilidade, o JS é diferente de outras linguagens muito utilizadas, como Java e C#. Esta linguagem não suporta o uso de tipos genéricos, interfaces e não é StrongTyped, características fundamentais para muitos programadores. O livro que apresentamos nesta edição dá-nos a conhecer o TypeScript (TS), uma linguagem/superset do JS, com o objetivo de aproximar
  15. Introdução É comum ouvir falar em reciclar objectos, equipamentos, etc… referindo-se ao envio para desmontagem e reciclagem de materiais. Claro que a reciclagem e os três Rs, são algo de bom que podemos fazer pelo ambiente. No entanto este artigo foca-se no “up-cicle”, que basicamente consiste no processo de pegar num equipamento já obsoleto, mas ainda funcional e acrescentar-lhe funcionalidades, de forma a torná-lo novamente útil. Ao longo deste artigo iremos construir o circuito para transmissão de áudio e web-rádio para um equipamento Hi-Fi padrão, de forma a mantermos o equipament
  16. staff

    Tinker Board

    Hoje trago até vós caros leitores, um artigo sobre a Tinker Board. Os leitores mais acérrimos certamente sabem que sou uma fã incondicional da família Raspberry Pi. Ora a Tinker Board, é uma concorrente séria ao Raspberry Pi 3. Capaz de desviar o olhar dos fãs mais convictos, como é o meu caso. De uma forma rápida e sem rodeios, esta nova aposta da ASUS desvia-nos o olhar porque apesar de ser ligeiramente mais cara que o Pi 3, as vantagens são maiores do que a diferença de preço entre os dois modelos. Lançada em Fevereiro de 2017 (de uma forma um pouco “atabalhoada” uma vez
  17. staff

    Docker: Overview

    Sou muito apologista da metodologia “set it and forget it”, configurar as coisas uma vez e reutilizar vezes sem conta a mesma configuração, infraestrutura. Abstrairmos de tal forma, que o foi configurado sirva para o uso geral da nossa aplicação ou projeto. Isto é muito giro, mas pouco realista se tivermos em mente a montanha de projetos e aplicações que estão montadas por Portugal (e não só) a fora. Tipicamente, a forma como eu fazia, seria criar uma máquina virtual (principalmente em virtualbox) montava a infraestrutura da forma que queria e depois trabalhava sobre ela e part
  18. Nesta segunda parte, vamos então adicionar ao nos- so projecto um sistema que nos permita criar logs personalizados sobre o acesso à nossa API. Sempre que desenvolvemos uma aplicação, devemos logo de inicio tratar de providenciar um bom sistema de logs já que ele é uma parte fundamental, seja durante o desenvolvimento, seja durante a operação da aplicação. É através das mensagens de log (em ficheiro ou no ecrã) que podemos determinar o que realmente está a acontecer na nossa aplicação e mais rapidamente determinar a origem de qualquer problema. Ler mais…
  19. staff

    JavaFX: Passos Seguintes

    No artigo anterior dei uma breve introdução sobre como programar com JavaFX, conceitos simples que permite começar a desenvolver aplicações gráficas. Neste artigo vou explorar outros temas interessantes do ponto de vista de desenvolvimento e de manutenção de projetos de software com interfaces gráficas de desktop. Ao longo da minha carreira já desenvolvi e participei em projetos de software de raiz, mas grande parte dela foi a manter e a melhorar aplicações legacy, e deixem-me que diga que existem programadores muito imaginativos. Um dos temas que mais urticária me causa é o
  20. Num mundo com tantas aplicações de chat instantâneo, o Telegram destaca-se pela rica API que disponibiliza para criação de bots. Os bots são pequenos programas que podem interagir com os utilizadores e prestar serviços, como executar comandos, gerir arquivos ou imagens e até mesmo propor jogos! Há já algum tempo que a comunidade Python explora bibliotecas como a Telebot e mais recentemente, a Telepot. Embora a diferença no nome das duas seja apenas uma letra, o desenho da Telepot parece-me mais robusto e o melhor de tudo: integra chamadas assíncronas! O objetivo deste tut
  21. Num mundo com tantas aplicações de chat instantâneo, o Telegram destaca-se pela rica API que disponibiliza para criação de bots. Os bots são pequenos programas que podem interagir com os utilizadores e prestar serviços, como executar comandos, gerir arquivos ou imagens e até mesmo propor jogos! Há já algum tempo que a comunidade Python explora bibliotecas como a Telebot e mais recentemente, a Telepot. Embora a diferença no nome das duas seja apenas uma letra, o desenho da Telepot parece-me mais robusto e o melhor de tudo: integra chamadas assíncronas! O objetivo deste tut
  22. Hoje em dia a automação ajuda muito e é extremamente importante para alguns processos de gestão e administrativos. Um dos principais problemas da automação é não ser aceite por todos. A tecnologia não deve ser usada para substituir ninguém mas sim para ajudar. Vou mostrar como podem fazer automação com o Windows PowerShell. O Windows PowerShell é uma linguagem scripting da Microsoft que estava reservada aos seus produtos mas isso mudou o PowerShell agora é OpenSource e o código está disponível no GitHub em https://github.com/PowerShell/PowerShell sendo assim possível utilizar em outros si
  23. Introdução O problema do emparelhamento estável (stable marriage problem), é de forma resumida o problema de encontrar um emparelhamento estável entre dois elementos de dois conjuntos de elementos, dada a ordem de preferências de cada elemento do conjunto. Este problema é normalmente apresentado da seguinte forma: Dados n Reis e n Damas de um conjunto de cartas, cada Rei e cada Dama estabelece uma ordem de preferência para cada um dos elementos “opostos” (reis ou damas), com quem gostaria de estabelecer um “relacionamento”, ou por outras palavras, tomar um café e trocar uns b
  24. staff

    Padrão de arquitetura SOLID

    Introdução Existem diversas orientações para programação orientada por objectos, no entanto, neste artigo apenas iremos focar SOLID com exemplos em C#. SOLID é um acrónimo dos cinco primeiros princípios da programação orientada a objetos e design de código identificados por Robert C. Martin Este mesmo acrónimo foi introduzido por Michael Feathers, após observar que os cinco princípios poderiam se encaixar nesta palavra. O que significa S.O.L.I.D. ? S – Princípio de Responsabilidade Única O – Princípio Open Close L – Princípio de Substituição
  25. staff

    Entrevista a: Edite Amorim

    Revista PROGRAMAR – (RP): Fale-me um pouco de si e do seu percurso. Edite Amorim- (EA): Hum… Nasci no Porto em 80, e estudei na Póvoa de Varzim, onde vivi até aos 26 anos. Era muito distraída na escola, estava sempre a mil com cem ideias e demasiada energia. Falava muito. Fiz patinagem artística 12 anos, estive para ir para a Escola Profissional de Teatro e em vez disso fiz o Secundário na área de Desporto. Só consegui entrar na faculdade que queria – Psicologia, na Universidade do Porto – à terceira tentativa, o que me fez estar um ano de fora a lidar com a frustração de maneira h
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.