Jump to content

Leaderboard

  1. Rui Carlos

    Rui Carlos

    Staff


    • Points

      7

    • Content Count

      9,451


  2. desconfiado

    desconfiado

    Member


    • Points

      6

    • Content Count

      339


  3. M6

    M6

    Moderator


    • Points

      6

    • Content Count

      6,528


  4. uplink42

    uplink42

    New Member


    • Points

      5

    • Content Count

      6


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 03/22/2021 in all areas

  1. Caros Amigos, Acabei de ler e assinar a petição: «CARREIRA DE INFORMÁTICA UMA CARREIRA DE DESGASTE RÁPIDO» no endereço https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=CINFORMATICA Pessoalmente concordo com esta petição e cumpro com o dever de a fazer chegar ao maior número de pessoas, que certamente saberão avaliar da sua pertinência e actualidade. Agradeço que subscrevam a petição e que ajudem na sua divulgação através de um email para os vossos contactos. Obrigado.
    3 points
  2. A Landing.Jobs publicou recentemente os resultados de um inquérito relativo ao mercado de trabalho nas áreas IT em Portugal, com dados muito úteis para o planeamento da carreira profissional: Tech Careers Report 2021 (Dados do ano anterior aqui.)
    3 points
  3. Boas. Se alguém tiver interesser, criei uma demo online: https://github.com/luisabreu/AmaCmdSigning
    3 points
  4. Pessoalmente acho que o Javascript é das tecnologias com futuro mais assegurado. Isto é, acho mais fácil o Java, Python, C#, PHP, etc. perderem popularidade do que o Javascript. Pela simples razão que o Javascript é a única linguagem amplamente suportada pelos browsers. De certa forma, acho que o Javascript acaba por estar numa situação semelhante ao C/C++ (na área de programação de sistemas), que apesar de ser uma linguagem com muitos defeitos conhecidos, nomeadamente na parte de segurança, continua a ser das mais populares (ao fim de muitas décadas começa-se a falar do Rust como alternati
    2 points
  5. Boas @snsz Aqui está um CIUS-PT válido para uma fatura com desconto global: E aqui uma fatura com desconto na linha de um artigo: Se mais alguém tiver dúvidas com este formato, apitem
    2 points
  6. Se fosse só aqui ....que bem que estávamos. vi por acaso num debate da tvi 24 (aqueles programas das 11h da noite) um fiscalista de renome (eu já o vi varias vezes, mas neste momento não me lembro) a dizer qq coisa como "eu tenho certas dificuldades em acompanhar a quantidade de alterações produzidas de um ano para o outro. O nosso sistema fiscal é extremamente complexo!". A SERIO !!! FOD#$&%$& o pessoal de informática são heróis CARAL#$&$%& (desculpem sou do norte carago!)
    2 points
  7. De acordo com o decreto-lei 123/2018, no artigo 3º alinea 2a., As restantes entidades, camaras municipais, hospitais e outros, bem como empresas privadas tipo GALPs que também estão a aderir á factura electrónica contratam o broker que quiserem. O problema reside no facto de os brokers não comunicarem uns com os outros, a Saphety aparentemente não comunica com nenhum apenas espap. Alguns comunicam entre eles mas não todos nem com todos. Quem faz estas leis não tem noção da realidade.
    2 points
  8. No SAFT vão 90€ no GrossTotal e 10 no SettlementAmount. O recibo, afirma que foram recebidos 90€. Os 10€ são um abatimento extra feito por via de um desconto financeiro. Para mais informação (e complicação) ver FAQ 60-2796 Como mencionar descontos em recibos?
    2 points
  9. Boas @fortunecat, Ponto 1: Indentação Eu acredito que possas ser novo na área de programação, mas é bom começar logo de inicio com a perna direita. Uma boa indentação é meio caminho andado para futuramente descobrires possíveis bugs ou até erros simples de sintaxe. Portanto, em C eu aconselho seriamente a dares um tab sempre que abrires chavetas { } ao que é chamado de Scope. Por exemplo: #include <stdio.h> int main() { int x = 1; while (x < 5) { if (x == 2) { x = 3; } else { printf("%d", x); } } return 0; } Tendo is
    2 points
  10. Não querendo levar a questão para o lado político, discordo totalmente do @programmer neste plano, é o socialismo/comunismo que vende gato por lebre prometendo algo que nunca é cumprido por culpa de - obviamente - um terceiro qualquer. Dito isto, e sem me querer repetir, @programmer, as situações que descreves nada têm a ver com questões profissionais de IT, o que descreves é o dia-a-dia da gestão de uma empresa: fazer orçamentos e lidar com a concorrência - o caso que descreves tem a ver com o posicionamento (competem pelo preço, uma estratégia que quase nunca considero uma boa escolha).
    1 point
  11. Acho que ninguém aqui disse que não era das melhores carreiras, pelo contrário sou da opinião contrária e gosto do que faço, contudo apesar de teres boas remunerações e facilidade em horarios e trabalhar a partir de onde seja, tens de estar sempre a melhorar o teu conhecimento, o mundo evolui, cada vez sai novas frameworks, novas metodologias e uma pessoa não nasce ensinada, é necessário acompanhar isso tudo e aprender, e isso não o fazes durante o horário do trabalho. Podes sempre não optar por fazer isso e manteres que com o que sabes, mas todos os anos são "nascem" programadores, acabados d
    1 point
  12. De qualquer forma, já assinei a petição. Não custa nada...
    1 point
  13. Se fossemos funcionários públicos podia ser que tivéssemos sorte (dificilmente). Como não somos, esquece. Neste país existem 2 tipos de portugueses, os de primeira que são funcionários públicos, e depois os outros. Os outros só têm direito a pagar impostos.
    1 point
  14. Totalmente de acordo, já assinei a passei a todos os meus conhecidos no mundo da informática
    1 point
  15. Só o tempo o dirá. Mas o C não morreu, da mesma forma como o Cobol não morreu, por isso achar que o JS vai substituir o que existe e com isso vai durar até à tua reforma é uma fezada... Daqui a uns anos terás qualquer outra coisa que estará na moda, mas entretanto tens uma base instalada e que é necessário manter, daí hoje em dia haver milhões de linhas de código em Cobol a serem feitas todos os anos. O que é importante é ires estudando e aprendendo.
    1 point
  16. Até sexta, boa sorte 😄 Para a ilink tens documentação no site para a api REST, e podes fazer download do código que também tem c#. Os exemplos não estão a 100%, por exemplo, existem algumas classes ModelDecimal e ModelBool que não estavam definidas no código que vi, mas foi só fazer um find and replace para conseguir compilar. Mas para poderes ter acesso a api é preciso contactar a empresa.
    1 point
  17. Explicação simplificada: Aplicações mais comuns (todas as empresas): criar aspecto visual de um site. Aplicações de dificuldade média (grandes empresas): interface entre o website e os servidores (jsp, php, etc.) que ligam a bases de dados (SQL, Oracle, DB2, etc.) Aplicações de dificuldade elevada ou personalizada (pequenas empresas ou aplicações personalizadas de grandes empresas): interface com servidor nodejs (servidor javascript) e bases de dados pequenas (Mongo, MySQL, etc.) ou bases de dados grandes (SQL, etc.)
    1 point
  18. Com o Node.js podes usar Javascript para backend. Não sei se é muito usado em Portugal, mas a nível internacional há muitas ofertas de emprego. Juntando frontend e backend, o Javascript é das linguagens mais procuradas hoje em dia (embora em Portugal dê a ideia que Javascript é usado sobretudo em frontend).
    1 point
  19. Essa foi a única mensagem que o compilador te deu? Não sei que compilador estás a usar, mas pelo o menos o clang costuma mostrar mais umas mensagens úteis para perceber o erro. Também costuma mostrar avisos relativamente a um outro problema que causa esse erro.
    1 point
  20. Os brokers que conheço (listas oficiais nunca ouvi falar) - YET - Saphety - Generix - SERES - ilink - FE-AP - EDICOM (fora de Portugal) - PAGERO (fora de Portugal) - Indra - Esker (fora de Portugal) - Montova (fora de Portugal)
    1 point
  21. Creio que o melhor é teres um job agendado na base de dados para fazer isso.
    1 point
  22. Pelos vistos alteraram a página e esqueceram-se de colocar novamente o link para o certificado de testes. Partilho aqui o ficheiro que descarreguei de lá no dia 8/04.
    1 point
  23. Os ficheiros XML enviado á FE-AP não necessitam de assinatura. Eu já desenvolvi a comunicação de ficheiros XML com FE-AP e a Saphety. E também assinatura de PDFs (e envio via webservices) com a Saphety e a Multicert. A questão é, como gerir esta "marmelada" toda. Mesmo entre a Saphety e a FE-AP, as mensagens, os status, os requestID e IntegrationID, a consulta dos Status, etc, é tudo feito de forma diferente. E isto são apenas 2 brokers. O mesmo acontece com os PDFs, Saphety e Multicert, assinatura e armazenamento. Por exemplo, a Multicert devolve o PDF assinado ao inv
    1 point
  24. Normalmente os sistemas EDI vão enviar via AS2, pois na realidade é o protocolo mais universal de interligação entre eles. É preciso ver que muitos clientes portugueses têm fornecedores fora de Portugal que usam outros EDIs europeus, pois isso qualquer broker de jeito vai preferir sempre usar as2/as4 de maneira a aumentar a sua rede de interoperabilidade a baixo custo. Muitos deles recusam-se a fazer ligações 'custom' via APIs específicos porque dá muito trabalho a manter e desenvolver, quando ligações via AS2 é só mesmo acrescentar certificados e comunicar segundo o standard e formatos existe
    1 point
  25. Ora aqui esta .... o mundo confuso !!!! o que diz o @uplink42 foi o que eu ouvi. Ou seja se não enviares os cius-pt por AS2 tens de enviar o XML assinado, pela mesma razão já apontada, os ditos certificados. A questão é: e se eu mandar via broker (ilink por exemplo) o CIUS-PT para depois ser entregue no ESPAP é preciso assinar ? No meu caso, a ilink não me pediu nunca os XML assinados. Será isto uma forma de contornar o problema ? Se já vai de um broker eu acho que não. Mas assinar um XML também são "pinners" mas é preciso pagar. Mais uma vez faço isso com a multicert sem stress
    1 point
  26. Em reuniões que tive com a eSPap, disseram-me que qualquer envio de ficheiro via canais EDI (AS2) para o FE-AP não obrigam a assinatura do XML em si, pois o envio do mesmo já é considerado "seguro" devido à troca de certificados, mas por qualquer outro meio (webservices REST, etc) este deverá ser sempre assinado. Outra coisa a ter em conta é que certos clientes vão exigir XMLs assinados independentemente da plataforma que usam, por isso acho que mais vale jogar pelo seguro neste aspecto. Agora se alguém valida isto ou não já não sei dizer. E a assinatura do PDF é apenas obrigatória no env
    1 point
  27. O Decreto-Lei 28/2019 esclarece estas dúvidas. Ver definições, no Artigo 2.º: Aqui não há qualquer distinção do tipo de recibos, apenas diz recibos, logo englobando todos. Seja como for, como diz o @nunopicado, por que motivo haveríamos de complicar (e, quem sabe, arranjar confusões com a AT) por causa dos recibos?
    1 point
  28. Para carregares os dados de um ficheiro de texto para uma base de dados basicamente quase todos os SGBD têm uma ferramenta de bulk load que fazem isso. Mas se queres fazer o teu loader basta leres linha a linha e teres uma correlação entre a posição no ficheiro e as colunas da tabela. O CSV é um formato muito usado para isso.
    1 point
  29. Podes fazer isso de várias formas, diria que uma das mais inteligente será a que descrevo de seguida. Fazes um select * à tabela das disciplinas ordenado pelo ID e um loop pelo resultado para obteres o cabeçalho da tabela com os nomes das disciplinas. Depois fazes um select * à tabela de disciplinas com um left join à tabela de notas e outro left join à tabela de alunos ordenado pelo id da tabela de disciplinas. Isso vai dar-te todas as disciplinas com os respetivas notas por aluno. Tens de ter em atenção que o left join vai ter "buracos" quando um aluno não possui nota numa discipli
    1 point
  30. O mais fácil é colocar logo o evento click: <img class="fotoArticle" onClick="mostrarFoto(this.src)" src="img/work/tat1.png" > <img class="fotoArticle" onClick="mostrarFoto(this.alt)" src="img/work/tat2.png" alt="ta2.png">
    1 point
  31. Pois de facto está a funcionar. Não percebo
    1 point
  32. A função fscanf() devolve o número de elementos lidos correctamente. EOF é um caracter e seria utilizado, por exemplo, para comparar com o retorno de um fgetc(). Se queres ler 4 elementos de uma vez, então deverás verificar que, a cada iteração, foram lidos 4 elementos correctamente. Assim que falhar, deverás ter chegado ao fim do ficheiro ou a uma parte dele que não está devidamente formatada. Por outro lado, tal como no scanf(), tens de passar os endereços das variáveis. Neste caso, falta o operador &. Por fim, diria que a forma mais eficaz de desconsiderar os whitespaces é usa
    1 point
  33. Há quem faça game engines faça por cá. Deixo-te aqui um exemplo: http://www.goncalo.pt/por/ embora não saiba se o Gonçalo tem alguma ideia em disponibilizar isso como open source ou similar. O desenvolvimento de jogos em Portugal não é nenhuma novidade. Desde os anos 80 com o ZX Spectrum temos quem tenha feito jogos de topo mundial. O que normalmente acontece é que quem pretende continuar a fazer carreira nessa áreaacaba por sair do país. É uma tendência que gostava de ver invertida, mas infelizmente não acredito que aconteça num futuro próximo.
    1 point
  34. Não sou expert, mas, segundo o que percebi, assinar tem de ser feito com um certificado normal, mas reconhecido pela União Europeia (daí ser qualificado). Este certificado pode ser um ficheiro, geralmente ou está na cloud ou dão uma pen ou um cartão com esse certificado. Com este certificado (normalmente) assina-se um hash de um documento. Outra coisa completamente diferente são os selos temporais. Os selos temporais apenas podem ser feitos remotamente, num servidor reconhecido (a hora é verificada pela união europeia). Para usar um serviço destes temos que enviar a hash do documento e o
    1 point
  35. Vou vender o peixe ao mesmo preço que me venderam, Se usar a PEN ou o SMARTCARD o utilizador tem que introduzir a password por cada documento (não existe forma de ultrapassar isto para ser automático), logo isto não tem aplicabilidade prática para a maioria das empresas. Existe 2 outras formas, ambas implica contactar a empresa certificadora. (acho que é este o termo) Opção A - Com os dados de autenticação solicitar um TOKEN e depois assinar o PDF Opção B - Enviar o PDF e o email do destinatário, a empresa assina e envia. Esta opção ainda tem a Sub-Opção de se poder guardar
    1 point
  36. Sim, sim, isso eu já sabia, desculpe pois eu não fui muito claro na minha pergunta, na verdade o que eu estava com mais dificuldade era na hora de fazer o layout, mas eu consegui: Eu consegui achar algo na internet que me desse um caminho para fazer o layout, esse algo foram dois comandos do css: grid-template-columns: repeat(auto-fit, minmax(150px, 1fr)); grid-gap: 15px; Foram esses dois comando que me salvaram, não conhecia eles mas depois que eu tive esse problema eu passei a estuda-los um pouco mais. Deixarei o código da aplicação que eu fiz em ReactJs como tam
    1 point
  37. Já experimentaste evt.from.id ?
    1 point
  38. Tal como eu tinha indicado.
    1 point
  39. Eu utilizaria a versão A: - faz mais sentido... o desconto no pagamento ("financeiro") não vai regularizar o IVA nem alterar o valor do documento que está a ser pago - na documentação (payments) temos campos específicos para estes casos: 4.4.4.14. (Line) 4.4.4.14.3. (SettlementAmount) Descontos concedidos aquando do pagamento deste documento. 4.4.4.15. (DocumentTotals) 4.4.4.15.4.1. (SettlementAmount) Total dos descontos concedidos aquando deste pagamento. - há um exemplo "semelhante" no exemplo https://info.portaldasfinancas.gov.pt/apps/saft-pt01/local/saft
    1 point
  40. Já percebi, pelo exemplo no site das especificações da AT que o erro é no QR Code. Olhando para o exemplo inicial, no link: https://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/apoio_contribuinte/Novas_regras_faturacao/Documents/Especificacoes_Tecnicas_Codigo_QR.pdf "O" Total do documento com impostos (O:513600.58) "P" Retenções na fonte (P:100.00) "S" Outras informações (S:TB;PT00000000000000000000000;513500.58) Fiquei com dúvidas face à descrição: "Na Portaria 302/2016, campo: 4.1.4.20.3. - Total do documento com impostos (GrossTotal) Este campo não deve refl
    1 point
  41. Atenção que o GrossTotal não deve subtrair a retenção na fonte! Sempre foi assim. Não houve qualquer alteração. Ver FAQ: 48-2784 Como exportar os valores relativos a retenção na fonte que devam constar numa fatura? E as franquias? A menção de franquias, valores de garantia ou retenções na fonte não terão qualquer influência nos totais do documento emitido, devendo ser referidos após o apuramento do campo “Total do documento com impostos” (GrossTotal) das tabelas existentes na estrutura Documentos comerciais (SourceDocuments). Estes valores devem constar em campos próprios cria
    1 point
  42. Boas Finalmente consegui assinar documentos xml via XAdES (https://www.w3.org/TR/XAdES/). O Validador Online diz que esta correto, mas alguém sabe onde as tags tem de estar ? Eu não consigo encontrar info sobre isto. Tou a falar da ds:Signature xmlns:ds="http://www.w3.org/2000/09/xmldsig#" Obrigado
    1 point
  43. Boa noite pessoal... Esta mensagem é para todos em geral, e para ninguém em particular. Andamos todos stressados, e é compreensível. Não tem sido um ano fácil para ninguém, seja pela pandemia em si, pelo stress do confinamento, pela situação económica que o país atravessa, que todos nós, de uma forma ou de outra, atravessamos. Falo por mim, não tem sido fácil conjugar a vida familiar, que necessariamente tem de ter outras preocupações, especialmente havendo filhos em idade escolar, com uma vida profissional com os altos e baixos que nós conhecemos. A AT, como de costume, mete
    1 point
  44. Tente o Ubuntu Game Pack, é uma distro Ubuntu direcionada para games, onde inclui o Wine, o Lutris, o Playolinux a Steam já pré-instalados. https://ualinux.com/en/download/category/25-ubuntu-gamepack
    1 point
  45. Aqui está um código para comparar duas strings com acentos, por exemplo, "nocao" e "noção" e dar igual (a comparação). import java.text.Collator; final Collator instance = Collator.getInstance(); // Isto é para ignorar os acentos instance.setStrength(Collator.NO_DECOMPOSITION); // Vai imprimir 0 porque é IGUAL System.out.println(instance.compare(string1, string2));
    1 point
  46. Para demonstrar o método do cálculo da raiz quadrada "à pata" vou calcular a raiz quadrada de 8091114. Começa-se por dividir o número em grupos de 2 algarismos, a contar da direita 8 09 11 14 Sabe-se de cor todos os quadrados até 100, e por isso sabe-se que a raiz quadrada de 8 (o primeiro número dos grupos de dois dígitos) é 2 vírgula qualquer coisa. Usa-se esse 2 para iniciar o resultado 8 09 11 14 | 2 2 ao quadrado dá 4. Mete-se o 4 em baixo do 8 e subtrai-se 8 09 11 14 | 2 -4 4 "baixa-se" o grupo seguinte à esquerda e o dobro do resultado existente à dire
    1 point
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.