Jump to content

Leaderboard

  1. brunotoira

    brunotoira

    Member


    • Points

      13

    • Content Count

      706


  2. nunopicado

    nunopicado

    Moderator


    • Points

      12

    • Content Count

      6,036


  3. CFreitas

    CFreitas

    Member


    • Points

      7

    • Content Count

      90


  4. chesser

    chesser

    Member


    • Points

      6

    • Content Count

      237



Popular Content

Showing content with the highest reputation since 04/20/2019 in Posts

  1. 5 points
    Foi hoje publicada a Portaria 126/2019 que vem alterar o formato do ficheiro de inventários que é obrigatório comunicar anualmente à AT. A grande alteração passa pela obrigatoriedade de indicar o "valor da existência final relativa ao período a que reporta (valor total relativo à quantidade indicada)" (campo ClosingStockValue). Isto entra em vigor a 1 de Janeiro de 2020 mas já tem de ser usado para comunicar os inventários de 2019.
  2. 2 points
    Relativamente à valorização dos inventários, os normativos contabilísticos preveem vários sistemas de "mensuração", sendo os mais usuais o PMC (Preço Médio de Custo) e o FIFO (First In, First Out). No PMC, o preço é recalculado sempre que entra mercadoria a preço diferente do que já lá está pela formula: (Quant_Atual x Preço Atual + Quant_Comprada x Preço_Compra) / (Quant_Atual + Quant_Comprada) quando há saída de mercadoria, o preço de saída é o próprio PMC, por isso não se altera. No FIFO, o valor do inventário acaba por ser a Quantidade Existente valorizada pelas ultimas faturas de compra que entraram. Também existe a possibilidade de valorizar a existência a preço de venda e descontar a margem habitual (caso muito utilizado em farmácias). Quando é uma atividade comercial, tudo isto é pacifico. O problema começa quando é uma atividade de produção, quando há produtos produzidos e mesmo produtos inacabados. Neste caso, pode-se usar o "custo padrão" que é o custo habitual de produzir uma unidade e aplicá-lo ás quantidade produzidas existentes em stock. Quanto aos produtos em fase de fabrico tem de se achar uma percentagem de acabamento para valorizar os mesmos.
  3. 2 points
    Tu e "toda" a gente... de nada adianta decretar que é obrigatório comunicar isto ou aquilo, se não existe definição técnica de como o fazer...
  4. 1 point
    Boas, para o que pretendes talvez seja melhor usares os eventos MouseEnter e MouseLeave. Private Sub Button1_MouseEnter(ByVal sender As Object, ByVal e As System.EventArgs) Handles Button1.MouseEnter Form3.Show() End Sub Private Sub Button1_MouseLeave(ByVal sender As Object, ByVal e As System.EventArgs) Handles Button1.MouseLeave Form3.Close() End Sub
  5. 1 point
    Com componentes nativos, pelo menos que eu saiba, não. Mas porque também preciso de fazer isso, fiz há tempos um componente que serve para abrir directamente um certificado em formato PFX. Se quiseres usar, fica à vontade. Precisas do seguinte: Unit com o interface do objecto, ICertificate Unit com a implementação do objecto, TCertificate Precisas ainda de satisfazer a dependência do objecto IValue<T>, pertencente ao mesmo projecto Reusable Objects. Unit com o interface, IValue<T> Unit com a implementação, TValue<T> Basta meteres essas 4 units no path de compilação (se preferires podes clonar o projecto todo, há lá mais umas brincadeiras interessantes). Para usar, basta que no evento OnBeforePost do HTTPWebNode associado ao HTTPRio coloques algo deste género: procedure TForm1.HTTPReqResp1BeforePost(const HTTPReqResp: THTTPReqResp; Data: Pointer); begin with TCertificate.New(Path_Para_o_PFX, Password_para_o_PFX) do if not ( IsValid and InternetSetOption( Data, INTERNET_OPTION_CLIENT_CERT_CONTEXT, AsPCCert_Context, ContextSize ) ) then raise Exception.Create( 'Problema no certificado:' + sLineBreak + 'Nº série: ' + SerialNumber + sLineBreak + 'Valido até: ' + FormatDateTime('yyyy-mm-dd', NotAfter) ); end;
  6. 1 point
    Exatamente. Essa é uma questão a resolver pelo contabilista. O ficheiro do inventário só tem de refletir aquilo que foi definido contabilísticamente. Não podemos apresentar um ficheiro de inventário valorizado em X e a existência estar contabilizada por Y.
  7. 1 point
    Boas, estás a dizer VBA (for applications, tipo Excel) mas deves querer dizer VB, para mostrar usa o evento MouseHover do objeto onde queres que o utilizador veja a imagem ao passar por cima.
  8. 1 point
    Relativamente ao DL 28/2019, a aplicação prática foi quase toda adiada para 30 de Junho por via do Despacho nº 85/2019-XXI, exatamente porque o Portal da AT ainda não tem previstas as formas de comunicação.
  9. 1 point
    Estou exactamente como tu lol, https://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/apoio_contribuinte/Pages/Alerta_Decreto_Lei_28_2019.aspx deve aparecer mais algum destes no "ultimo" dia 🙂
  10. 1 point
    O mais simples é leres a linha completa para um buffer qualquer e depois tentar ler esse buffer de forma formatada a ver se bate certo com o formato esperado
  11. 1 point
    Caríssimos, relativamente ao Decreto-Lei 28/2019, alguém sabe se já há novidades quanto à comunicação da localização do arquivo prevista no nº 5 do artigo 20º. O Despacho n.º 85/2019 - XXI SEAF veio indicar que o prazo (30 dias) começará a contar depois de ser publicada uma portaria que altere os modelos das declarações de início e de alterações (artigos 31º e 32º de CIVA). Alguém sabe se isto já foi publicado? Relativamente à comunicação, por parte dos clientes, do software que utilizam, quem é o implementador, que equipamentos usam (como previsto no prevista no Artigo 34º), que tem de ser feita, por via electrónica, até 30 de Junho, já sabem como isto se vai processar? Há (ou haverá) um formulário para isto no portal das finanças ou será que por "via electrónica" se pode entender "por email"? Tenho vários clientes que estão a receber emails dos seus contabilistas que lhes dizem que eles têm de cumprir estas obrigações. Esses clientes querem que eu lhes responda como devem fazer, mas eu não faço ideia de como isto se vai operacionalizar. Se algum dos colegas souber como isto se faz (ou vai fazer), agradecia que me ajudasse... até porque Junho está aí à porta.
  12. 1 point
    O inventário é sobre o custo dos artigos. Custo médio.
  13. 1 point
    Melhor ainda, alguns dos lançamentos são feitos por quem não tem acesso aos valores!
  14. 1 point
    Aparentas ter uma grande falha das bases da linguagem C. Antes de mais, isso requer estudo Quanto às tuas questões: 1) buffer é uma variável do tipo string (i.e., vector de caracteres), 2) o ponto de interrogação, em conjunto com os dois pontos, constitui o operador ternário, 3) static é uma palavra reservada, não uma função. Impõem-se as questões para saber o que explicar: Sabes usar strings? Entendes o que faz a função? Sabes trabalhar com a função strcpy?
  15. 1 point
    No meu caso voltou a funcionar hoje por volta das 17:30.
  16. 1 point
    Finalmente apareceu mais informação sobre como o ATCUD irá funcionar. Como a AT já encontrou no mercado vários Softwares que criam Séries paralelas com o objetivo de poderem através das mesmas criar um canal facilitado de fuga ao fisco, as Séries de Documentos passam a partir de 2020 a ser controladas pela AT, e mais, é necessário pedir a AT o ATCUD antes de criarmos/utilizarmos uma nova Série ( isto será tudo feito de forma eletrónica e em tempo real através do Site da AT ). Assim sendo, e apenas com a informação que chegou até á data ( referente aos Artigos 34º e 35º ), sempre que o Software permitir criar uma nova Série de Documentos, obrigatoriamente tem de pedir qual o ATCUD que a AT enviou só e apenas para essa mesma Série ( este Código do ATCUD será assim como o seu nome indica único e nunca pode ser repetido ou usado noutra série ). Com toda a certeza este ATCUD também será mencionado a Fatura assim como também já irá no SAFT ( deixaremos de poder enviar "0" para este Campo como o fazíamos até hoje ) Alguma informação das novidades de 2019, algumas com efeitos só em 2020: Informa-se das novas alterações e obrigatoriedades legais aplicáveis a todos os sujeitos passivos de IVA, que já exerçam atividade a 15 de fevereiro de 2019, ou que iniciem a atividade até 31 de maio de 2019. Obrigatoriedade de comunicar à AT por via eletrónica até 30 de junho de 2019 (Artº 34º e 35º) . A identificação e localização dos estabelecimentos da empresa em que são emitidas faturas e demais documentos fiscalmente relevantes; . A identificação dos equipamentos utilizados para processamento de faturas e outros documentos fiscalmente relevantes; . O número de certificado do programa utilizado em cada equipamento; . A identificação dos distribuidores e dos instaladores que comercializam e/ou instalaram as soluções de faturação; . Sempre que se verifiquem alterações de qualquer dos elementos constantes da comunicação referida no número anterior, os sujeitos passivos devem entregar nova comunicação, no Portal das Finanças, previamente à emissão de faturas ou demais documentos fiscalmente relevantes; . Comunicação das séries documentais em utilização . Os sujeitos passivos devem comunicar por via eletrónica à AT, antes da sua utilização, a identificação das séries utilizadas na emissão de faturas e demais documentos fiscalmente relevantes por cada estabelecimento e meio de processamento utilizado. . Por cada série documental comunicada nos termos do número anterior, a AT atribui um código, que deve integrar o código único de documento. Conservação do arquivo e cópias de segurança (Artº 27º) . Os sujeitos passivos são obrigados a possuir cópias de segurança dos suportes eletrónicos: . Os originais e as cópias de segurança devem ser armazenados em locais distintos e em condições de conservação e segurança necessárias a garantir a impossibilidade de perda dos arquivos.
  17. 1 point
    Alguém com problemas na comunicação de documentos de faturação por WS?
  18. 1 point
    @Vitor Pereira, mais uma pra malta tripar... Já estou por tudo! Isso saiu onde? A última linha relativa ao ATCUD diz que o código gerado por série faz parte do ATCUD, ou seja, não basta isso. O que mais entra ao barulho para o ATCUD? Tu não sei, mas eu estou a ficar velho pra isto!
  19. 1 point
    Se percebi bem a questão é: Fez-se um DT de um artigo com a quantidade X e ao entregar confirma-se que a quantidade era Y. Como não foram inspecionados durante o transporte livraram-se de uma coima com o mínimo de 600 Eur. A fatura será sempre feita pela quantidade realmente entregue, nem o cliente aceitaria de outra maneira. Se Y > X, não tem qualquer problema. Se X > Y, convém documentar devidamente a situação. É difícil, mas pode acontecer, a AT questionar porque é que a quantidade transportada não foi toda faturada.
  20. 1 point
    Não foi a primeira. Antes da Microsoft foi a Apple, entre Agosto e Outubro de 2018. Antes da Apple foi a Petrochina em 2007, se bem que essa normalmente não é considerada, porque o valor nunca chegou a ser fixado acima desse valor, apenas houve uma transacção que causou esse trigger. Diga-se de passagem que a Microsoft tem um P/E maior que a Apple (28 vs 16). No entanto, a Microsoft está com o mesmo P/E que a Google/Alphabet, mostrando o quão forte a Microsoft tem estado em relação à Google. Fontes: Petrochina — http://www.nbcnews.com/id/21635325/ns/business-world_business/t/petrochina-worth-trillion-briefly/ Apple — https://www.businessinsider.com/apple-1-trillion-company-stock-2018-8
  21. 1 point
    O checkDigit deve manter o mesmo cálculo, é só questão de permitir que o NIF comece por 3 (no meu caso dava logo erro caso começasse por 3, 4 ou 0)
  22. 1 point
    Se fosse eu: - tentava instalar no raspeberry o nodejs (pesquisar no google) - depois com nodejs + express (pesquisar no google): --- fazia uma REST API muito, muito simples --- no seu caso e para já só precisa de um PUT para receber os dados e inserir na sua base de dados --- (fazia também um GET só para poder consultar externamente que os dados estão gravados) - via "Postman" num outro computador testava o funcionamento da REST API : PUT/GET - só faltava ir ao Android Studio e implementar/utilizar REST API na sua aplicação cps,
  23. 1 point
    Tens várias formas de fazer isso. Há bastantes componentes para PHP que criam PDFs e o próprio PHP tem forma de enviar emails, incluindo anexos. Tens de ter cuidado é com o envio para os servidores de email não acharem que és um spamer e te colocarem na lista negra.
  24. 1 point
    viva, quando diz "meu servidor", o que está incluído no seu servidor? - já lá tem uma "API" (REST) para fazer a interface com o "android" ou qualquer outro sistema exterior? - ou só tem o "servidor" e o mysql instalado? cps,
  25. 1 point
    Aqui vai para quem precisa de código fonte de encryptação e envio do XML Este zip leva source para: VB.net, C#, phyton, e Ruby, vfp9, VB6, Delphi 6, Delphi 7, Delphi 9, 10, XE, XE4, XBASE etc **** Poderá ser necessário ajustar o source à sua necessidade. O Anexo leva ZIP compilado e em source das várias linguagens anunciadas. Download: https://www.dropbox.com/s/gqq228grvm7t7nb/Comunicacao_Guias_AT.zip *** ATENÇÃO QUE É NECESSÁRIO RETIRAR O :701 DO ENDEREÇO POIS O ENDEREÇO DE TESTES ALTEROU** Está disponível também um XML com a estrutura necessária, bem como um XML de resultado.. Passos iniciais obrigatórios: 1. Criar a pasta C:\EnvioGuias e gravar lá o ChavePublicaAT.cer e TestesWebServices.pfx 2. Criado no portal da finanças(link) o respectivo User com o acesso ao WDT. 3. Ter aderido ao serviço de envio via WebService aqui 4. Ter o .net Framework para correr o EXE (à partida o framework 2.0 chega) Também há forma de implementar em softwares antigos. Passa por chamar o "encryptor.exe" pela linha de comandos com a password, por exemplo "c:\EnvioGuias\encryptor.exe minhapassword" O resultado ficará gravado em C:\EnvioGuias\Guia2013.xml e a estrutura será: 1ª linha: PasswordEncryptada; 2ª linha: Created; 3ª linha: NONCE; Após estas 3 linhas, na vossa aplicação podem gerar o XML com a vossa base de dados... Quando precisarem da password Nonce ou Created basta abrir o C:\EnvioGuias\Guia2013.xml e ler o que lá está. Após ter o XML gerado, gravem-no em "C:\EnvioGuias\GuiaFinal.xml" e executem o "APISender.exe" aguardem 2 segundos aprox e será criado o XML de resultado. Após ter o C:\EnvioGuias\Result.xml é facil interpretar o xml Está testado e pelo que sei, foi implementado em alguns programas, nomeadamente em aplicações feitas em MS-DOS etc. As TAG's do xml tem obrigatóriamente de ter a estrutura exactamente igual, CaseSensitive etc. Espero que seja util. Podem enviar dúvidas pelo facebook ou aqui via mensagem privada.
×

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.