Jump to content
marcolopes

AT - questões legais

Recommended Posts

nunopicado

Preparem-se:

Como já alguns de nós desconfiávamos, ouvi agora dizer que está a ser preparada pela AT mais uma alteração à lei, no que toca a inventários e gestão de stocks.

É um diz que disse, mas a verdade é que não me espantava nada que a partir, sei lá, de Janeiro, passe a ser obrigatório controle de stocks no software.


"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
nelsonr

Daqui a pouco mais vale acabarem com os programas de gestão e as finanças melhoram o site para suportar qualquer tipo de negocio e controlam logo isso tudo.

Dasss

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

Daqui a pouco mais vale acabarem com os programas de gestão e as finanças melhoram o site para suportar qualquer tipo de negocio e controlam logo isso tudo.

Para lá caminhamos, meu caro...

Para lá caminhamos!


"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcolopes

E não será esse o objectivo desde o inicio?

NÃO (e digo não em letra grande). É um processo natural, que, inevitávelmente, levará a diversas reformas (acredito que culminará com um sistema "global").


The simplest explanation is usually the correct one

JAVA Utilities: https://github.com/marcolopes/dma

Share this post


Link to post
Share on other sites
thoga31

Eu tenho acompanhado estes tópico, enquanto Moderador do quadro em que se insere, e não posso deixar de estar do vosso lado - isto já é uma verdadeira República das Bananas.

Reforma após reforma, os nossos programadores nada mais terão a fazer se não actualizações constantes dos seus softwares de facturação. Se estivesse na vossa situação, gostaria ao menos de ter tempo para arrear o calhau na moita.

  • Vote 1

Knowledge is free!

Share this post


Link to post
Share on other sites
car4321

Se estivesse na vossa situação, gostaria ao menos de ter tempo para arrear o calhau na moita.

Se a troika te ouvisse... não nos podemos dar a esse luxo!!! Isso é para programadores de países ricos.

Edited by car4321

Share this post


Link to post
Share on other sites
thoga31

Se a troika te ouvisse... não nos podemos dar a esse luxo!!! Isso é para programadores de países ricos.

Não ligo a pessoas que defendem ideias austeras e anti-crescimento enquanto são capazes de comer caviar ao almoço e fazer a micção da tarde numa casa de banho de 50K€. Portanto, não me interessa se ouvem ou não ouvem. :P


Knowledge is free!

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcolopes

Eu tenho acompanhado estes tópico, enquanto Moderador do quadro em que se insere, e não posso deixar de estar do vosso lado - isto já é uma verdadeira República das Bananas.

Reforma após reforma, os nossos programadores nada mais terão a fazer se não actualizações constantes dos seus softwares de facturação. Se estivesse na vossa situação, gostaria ao menos de ter tempo para arrear o calhau na moita.

São duas grandes verdades... e só quem é programador sabe que é "analisar / programar / sonhar com linhas de código / passar noites em branco a sonhar com linhas de código" (e ter "esgotamentos" a fazer tudo isso).

No entanto, tenho de admitir que estes são passos necessários para o progresso (discutível, certamente, mas inevitável). ALGO tinha de ser feito. Algo está ser feito.

Admito que, neste momento, e depois de todas as reformas introduzidas nos últimos anos, mais vale RECOMEÇAR um projecto de raíz do que adaptar software já existente... já não vejo o software de facturação da mesma forma que via há 10 anos atrás...

  • Vote 1

The simplest explanation is usually the correct one

JAVA Utilities: https://github.com/marcolopes/dma

Share this post


Link to post
Share on other sites
ossadas

Boas,

Um assunto que me caiu como bomba e é um 'bocadito' deslocado a este post.

Um cliente que imprima em papel timbrado e não coloque os dados da empresa 'escrita' pelo computador não pode deduzir o iva ao estado e a empresa que produtora de software é multada por tal.

Vários contabilístas andam a nos a telefonar por causa disso para haver responsabilidades porque tem havido fiscais a multar por causa disso.

Onde está essa lei de obrigatoriedade?

...

Cps

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

Onde está essa lei de obrigatoriedade?

No oficio circulado 50001/2013 - Novas regras de certificação.

Mesmo que o cliente use papel timbrado, e nesse papel já esteja o NIF, o programa tem sempre de o imprimir, nem que lá fique em duplicado.

Ainda, caso o software permita ao cliente alterar o impresso, efectivamente permitindo-lhe remover o NIF de lá, o programa deve certificar-se que apesar dele o tirar do impresso, o NIF é impresso na mesma!

Edited by nunopicado

"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
brunotoira

Um cliente que imprima em papel timbrado e não coloque os dados da empresa 'escrita' pelo computador não pode deduzir o iva ao estado e a empresa que produtora de software é multada por tal.

Cps

Espero que ajude:

Resposta da A.T. a esse assunto:

“Os clientes podem utilizar papel timbrado contudo nos termos do nº 14 do artigo 36º do CIVA com a redacção dada pelo Decreto-Lei nº 197/2012 de 24/08, nas facturas processadas através de sistemas informáticos, todas as menções obrigatórias, incluindo o nome, a firma ou a denominação social e o número de identificação fiscal do sujeito passivo adquirente, devem ser inseridas pelo respectivo programa ou equipamento informático de facturação. Uma das menções obrigatórias é a identificação (nome, morada e NIF) do emitente dos bens ou prestador de serviços – vide alínea a) do nº 5 do art.º 36º do CIVA. Assim se conclui que é possível a utilização de papel timbrado desde que a aplicação seja ela também a inserir a identificação do sujeito passivo(ainda que em duplicado com o que consta no papel timbrado) ou que este se resume a logótipos.”

Edited by brunotoira
  • Vote 1

Source code para enviar Guias de Transporte

https://www.portugal-a-programar.pt/forums/topic/57734-utilizar-webservices-da-at/?do=findComment&comment=503212

Source code para enviar UBL - Faturação Eletrónica (XML de faturas e validador) - bmartins.p45@gmail.com

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
ossadas

Boas,

Mas se formos nós a imprimir a imagem ( logotipo ) com esses dados, estaremos em incumprimento?

Cps

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

Mas se formos nós a imprimir a imagem ( logotipo ) com esses dados, estaremos em incumprimento?

Aí depende...

Se fores buscar a imagem ao disco para imprimir, estás ilegal, porque há a possibilidade do cliente alterar a imagem e com isso, alterar o NIF.

Se a integrares por exemplo numa dll (o cliente dá-te o logótipo quando compra o programa, e tu fazes a integração, aí penso que já estarás legal, porque ele não tem meio simples de a substituir.

Edited by nunopicado

"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
SergioGapar

desculpem-me a minha ignorância, qual a lei que diz isto:?

Aí depende...

Se fores buscar a imagem ao disco para imprimir, estás ilegal, porque há a possibilidade do cliente alterar a imagem e com isso, alterar o NIF.

Se a integrares por exemplo numa dll (o cliente dá-te o logótipo quando compra o programa, e tu fazes a integração, aí penso que já estarás legal, porque ele não tem meio simples de a substituir.

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

desculpem-me a minha ignorância, qual a lei que diz isto:?

Está em cima. No CIVA Artº 36, e no Oficio Circulado 50001/2013.


"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ossadas

No oficio circulado 50001/2013 - Novas regras de certificação.

Mesmo que o cliente use papel timbrado, e nesse papel já esteja o NIF, o programa tem sempre de o imprimir, nem que lá fique em duplicado.

Ainda, caso o software permita ao cliente alterar o impresso, efectivamente permitindo-lhe remover o NIF de lá, o programa deve certificar-se que apesar dele o tirar do impresso, o NIF é impresso na mesma!

Boas,

Li e re-li o ofício 50001 e não há nada que indique que o programa, por exemplo as faturas, tem de 'impressar' dos dados da empresa, logo pode ir impresso os dados da empressa no logotipo.

Atenção que não estou a falar dos dados do cliente, mas da empresa.

Cps

Share this post


Link to post
Share on other sites
ossadas

Boas,

Já encontrei: http://dre.pt/pdf1sdip/2012/08/16400/0465604666.pdf

"

Diário da República, 1.ª série — N.º 164 — 24 de agosto de 2012

14 — Nas faturas processadas através de sistemas informáticos, todas as menções obrigatórias, incluindo

o nome, a firma ou a denominação social e o número deidentificação fiscal do sujeito passivo adquirente, devem

ser inseridas pelo respetivo programa ou equipamento informático de faturação.

"

Bom isso é uma treta... e treta e mrda treta... e treta.

Porquê proibição do papel timbrado?

Posso adulterar o papel timbrado como posso ir aos dados da empresa e alterar os dados somente para imprimir.

Esses gajos não tem noção que com essa restrição absurda estão a atirar designer para a rua ou diminuir-lhe o trabalho?!

Enfim...

Cps

  • Vote 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

Eu sei que é da empresa...

Engraçado, fui agora ler o oficio e também não encontrei. Mas a verdade é que já li isso, e foi na altura que andei a fazer as alterações para ficar de acordo com a certificação.

De qualquer maneira, o Bruno já pos o artigo do CIVA que tem isso.

Porquê proibição do papel timbrado?

Não estão a proibir o papel timbrado. Apenas querem que o programa também imprima os dados.

Quanto a mim, nos casos de papel timbrado, imprime-se os dados da empresa numa margem em letra miúda para não afectar o design. Fica de acordo com a lei, e não estorva a ninguém.


"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ossadas

Boas,

Como agir neste caso?

Um cliente fatura menos de 100 mil euros e tem um pc avariado e vamos lá buscar.

Só que o fulano recusa a passar uma guia de transporte porque não é obrigado e nao quer aborrecimentos.

Então temos de ser nós a fazer a guia de transporte.

Como fazer a guia?

  1. Colocar como cliente nós e colocar a carga a empresa do fulano e nossa morada na descarga
  2. Colocar como cliente o fulano e carga a morada do fulano e descarga a nossa empresa

Ajudas?

Cps

Share this post


Link to post
Share on other sites
americob

Boas,

Como agir neste caso?

Um cliente fatura menos de 100 mil euros e tem um pc avariado e vamos lá buscar.

Só que o fulano recusa a passar uma guia de transporte porque não é obrigado e nao quer aborrecimentos.

Então temos de ser nós a fazer a guia de transporte.

Como fazer a guia?

  1. Colocar como cliente nós e colocar a carga a empresa do fulano e nossa morada na descarga
  2. Colocar como cliente o fulano e carga a morada do fulano e descarga a nossa empresa

Ajudas?

Cps

O PC faz parte do ativo fixo (imobilizado) da empresa.

Segundo informações várias, basta provar isso. Ou seja, basta um autocolante no PC a dizer que pertence ao imobilizado da empresa X e está registado com o nr 999.

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

Por ter menos de 100.000€ não o dispensa de passar guias... Apenas de as comunicar.

Dito isto, podes passar uma de ti para ele, mas com os locais de carga e descarga invertidos.


"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
americob

Por ter menos de 100.000€ não o dispensa de passar guias... Apenas de as comunicar.

Dito isto, podes passar uma de ti para ele, mas com os locais de carga e descarga invertidos.

No caso de ativos fixos (imobilizados) não está em questão o volume de faturação, mas sim o tipo de bens transportados.

Quando os bens transportados estão excluídos do RBC (Regime de Bens em Circulação) não é mesmo necessário usar qualquer guia, sendo no entanto necessário provar por qualquer meio que esses bens estão excluídos do RBC. Tal pode ser feito por uma Declaração da Empresa, Marcas no Bens, etc.

Os bens excluídos do RBC estão definidos no Artigo 3º e são:

Artigo 3.º

Exclusões

1 - Excluem-se do âmbito do presente diploma:

a) Os bens manifestamente para uso pessoal ou doméstico do próprio;

b) Os bens provenientes de retalhistas, sempre que tais bens se destinem a consumidores finais que previamente os tenham adquirido, com exceção dos materiais de construção, artigos de mobiliário, máquinas elétricas, máquinas ou aparelhos recetores, gravadores ou reprodutores de imagem ou de som, quando transportados em veículos de mercadorias;

c) Os bens pertencentes ao ativo imobilizado;

d) Os bens provenientes de produtores agrícolas, apícolas, silvícolas ou de pecuária resultantes da sua própria produção, transportados pelo próprio ou por sua conta;

e) Os bens dos mostruários entregues aos pracistas e viajantes, as amostras destinadas a ofertas de pequeno valor e o material de propaganda, em conformidade com os usos comerciais e que, inequivocamente, não se destinem a venda;

f) Os filmes e material publicitário destinados à exibição e exposição nas salas de espetáculos cinematográficos, quando para o efeito tenham sido enviados pelas empresas distribuidoras, devendo estas fazer constar de forma apropriada nas embalagens o respetivo conteúdo e a sua identificação fiscal;

g) Os veículos automóveis, tal como se encontram definidos no Código da Estrada, com matrícula definitiva;

h) As taras e embalagens retornáveis;

i) Os resíduos sólidos urbanos provenientes das recolhas efetuadas pelas entidades competentes ou por empresas a prestarem o mesmo serviço.

2 - Encontram-se ainda excluídos do âmbito do presente diploma:

a) Os produtos sujeitos a impostos especiais de consumo, tal como são definidos no artigo 4.º do Código dos Impostos Especiais de Consumo, publicado em anexo ao Decreto-Lei n.º 566/99, de 22 de dezembro, quando circularem em regime suspensivo nos termos desse mesmo Código;

b) Os bens respeitantes a transações intracomunitárias a que se refere o Decreto-Lei n.º 290/92, de 28 de dezembro;

c) Os bens respeitantes a transações com países ou territórios terceiros quando em circulação em território nacional sempre que sujeitos a um destino aduaneiro, designadamente os regimes de trânsito e de exportação, nos termos do Regulamento (CEE) n.º 2913/92, do Conselho, de 12 de outubro;

d) Os bens que circulem por motivo de mudança de instalações do sujeito passivo, desde que o facto e a data da sua realização sejam comunicados às direções de finanças dos distritos do itinerário, com pelo menos oito dias úteis de antecedência, devendo neste caso o transportador fazer-se acompanhar de cópia dessas comunicações.

3 - Relativamente aos bens referidos nos números anteriores, não sujeitos à obrigatoriedade de documento de transporte nos termos do presente diploma, sempre que existam dúvidas sobre a legalidade da sua circulação, pode exigir-se prova da sua proveniência e destino.

4 - A prova referida no número anterior pode ser feita mediante a apresentação de qualquer documento comprovativo da natureza e quantidade dos bens, sua proveniência e destino.

Só queria deixar uma pequena nota que é o facto de esta lista vir a ser alargada a mais alguns bens a partir de 1 de Janeiro de 2014, conforme consta da Proposta de Orçamento do Estado para 2014, artigo nº 185, se for aprovado.

Por exemplo um tipo de bens que irá ficar dispensado de guia são os bens destinados aos utentes das IPSS's (por exemplo refeições).

Curioso é que neste caso, eles têm mesmo que montar um sistema para comunicar até 31 de Dezembro deste ano, mesmo sabendo que a partir de 1 de Janeiro já não vão precisar de o usar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
nunopicado

No caso de ativos fixos (imobilizados) não está em questão o volume de faturação, mas sim o tipo de bens transportados.

Quando os bens transportados estão excluídos do RBC (Regime de Bens em Circulação) não é mesmo necessário usar qualquer guia, sendo no entanto necessário provar por qualquer meio que esses bens estão excluídos do RBC. Tal pode ser feito por uma Declaração da Empresa, Marcas no Bens, etc.

Sim, não me referia aos casos particulares, como o imobilizado.

No entanto, ressalvo o facto de o imobilizado estar dispensado se for transportado pela própria empresa detentora.

Se eu for buscar algo a um cliente meu e de lá trouxer bens do imobilizado dele, não estou necessariamente dispensado de guia. A lei esqueceu-se de mencionar ao imobilizado de quem, pelo que o melhor é não arriscar.

Curioso é que neste caso, eles têm mesmo que montar um sistema para comunicar até 31 de Dezembro deste ano, mesmo sabendo que a partir de 1 de Janeiro já não vão precisar de o usar.

PT... Ahhhhh, PT....


"A humanidade está a perder os seus génios... Aristóteles morreu, Newton já lá está, Einstein finou-se, e eu hoje não me estou a sentir bem!"

> Não esclareço dúvidas por PM: Indica a tua dúvida no quadro correcto do forum.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcolopes

A EDIÇÃO do NIF dos clientes está condicionada pela legislação actual, mais concretamente pelo OFÍCIO CIRCULADO 50.001

Diz o ponto 3.3: A aplicação não pode permitir:

3.3.3. A alteração do NIF, numa ficha de cliente já existente e com documentos emitidos. Só pode permitir a alteração da denominação e da morada desse cliente, se tal vier a acontecer, pois o NIF manter-se-á nesses casos.

3.3.4. A alteração do nome e da morada numa ficha de cliente já existente e com documentos emitidos, mas cujo NIF não foi fornecido (neste âmbito não é considerado o NIF do cliente genérico 999999990), Neste caso poderá ser averbado o NIF em falta e após esse averbamento actuar de acordo com o ponto anterior.

Qual é a vossa interpretação destas alíneas? A afirmação "neste âmbito não é considerado o NIF do cliente genérico 999999990" no ponto 3.3.4. é confusa... afinal, um NIF 999999990 = NIF não fornecido?


The simplest explanation is usually the correct one

JAVA Utilities: https://github.com/marcolopes/dma

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.