Ir para o conteúdo
FDomingos

Ubuntu chega aos smartphones já este ano

Mensagens Recomendadas

FDomingos
A Canonical anunciou o Ubuntu OS para telemóveis, prometendo que vai ser fácil desenvolver software para a nova plataforma.

De acordo com a Canonical, o Ubuntu OS para smartphones está a ser desenvolvido dando prioridade à interface e às ferramentas que facilitam a criação de software para o novo sistema operativo. Aliás, o SDK vai permitir a criação em simultâneo de aplicações para a versão desktop e para a versão móvel do Ubuntu.

Apesar de ainda não terem sido anunciados terminais com o novo sistema operativo, a Canonical já fez saber que o Ubuntu OS para telemóveis vai ser demonstrado na CES, uma das maiores feiras de tecnologia, que vai começar já na próxima semana (8 de janeiro).

De acordo com a Cnet, o Ubuntu vai usar os mesmos drivers do Android, o que vai facilitar a adaptação do hardware.

Pode encontrar as informações sobre o novo sistema operativo em www.ubuntu.com/devices/phone.

Ler mais: http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/software/2013/01/02/ubuntu-chega-aos-smartphones-ja-este-ano#ixzz2GxgytTHu

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
bubulindo

Esperemos que a Canonical tenha parte da inteligência da Google e lance um telemóvel Ubuntu puro... e não uma versão rasca adulterada pelas operadoras.

Quando digo parte... refiro-me ao facto da Google ainda teimar em fazer telemóveis com quantias irrisórias de memória.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
brunoais

Espero que isto seja algo que realmente funcione...


"[Os jovens da actual geração]não lêem porque não envolve um telecomando que dê para mirar e atirar, não falam porque a trapalhice é rainha e o calão é rei" autor: thoga31

Life is a genetically transmitted disease, induced by sex, with death rate of 100%.

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
apocsantos

Boa tarde,

Se tiverem como "base de trabalho" aquilo que já havia sido feito com Debian, nos iPaq e outros Smartphones, mais antigos, creio que vá sair um bom trabalho.

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

assinatura.jpg

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
bubulindo

Eu sinceramente acho que tem grandes potencialidades... O problema que se coloca com os telemóveis, que é até parecido com os computadores, é haver hardware que esteja disponível para as pessoas comprarem e usarem o produto logo de raíz. Se isto não passar duma possibilidade que requer estar a fazer rooting e ter problemas de hardware (por não haver números suficientes de utilizadores), então vai ser um flop.

Se isto passar do conceito para um produto no mercado, acredito que consigam ter bastante êxito... principalmente se não seguirem o caminho do Android de deixar o telemóvel aberto às operadoras para meter para lá lixo.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
apocsantos

Boa tarde,

Eu ainda tenho um velho iPaq que corre uma distribuição de GNU/Linux adaptada para ele. Claro que instala-la deu "sarna para me coçar" e só o fiz quando o equipamento terminou a garantia... Mas em termos de usabilidade e desempenho está impecável.

O mal do Android, creio que foi mesmo "deixar todos meterem a pata" e encherem os dispositivos de trabalha! Talvez fosse preferivel limitar o numero de fabricantes para os quais a distribuição é compativel mas garantir que as coisas ficam "bem feitas" e com o código aberto, do que se correr o risco de "ter o código mas faltarem peças prorietárias e como tal o código não servir de praticamente nada, a não ser para ler e estudar".

Uma das coisas que dizem é que os fabricantes fazem demasiados dispositivos diferentes, e tal e coisa... É isso que acontece com o Android. Se uma pessoa compra um dispositivo android e lhe quer substituir o software vê-se embarrado quer por restrições legais, quer por restrições técnicas... Acho que foi por aí que o SE Secure Android falhou... Só é compativel com "um punhado" de dispositivos e todos eles demasiado caros.

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos

  • Voto 1

"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

assinatura.jpg

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
HecKel

O mal do Android, creio que foi mesmo "deixar todos meterem a pata" e encherem os dispositivos de trabalha! Talvez fosse preferivel limitar o numero de fabricantes para os quais a distribuição é compativel mas garantir que as coisas ficam "bem feitas" e com o código aberto, do que se correr o risco de "ter o código mas faltarem peças prorietárias e como tal o código não servir de praticamente nada, a não ser para ler e estudar".

Subscrevo! O problema é mesmo esse, e isso regra geral traduz-se numa má experiência para o utilizador, depois o feedback é que "Android é mau". O android é o "novo windows" para telemóveis, instala-se em todo lado desde devices de terceira categoria a devices de topo.

Se o Ubuntu seguir a mesma filosofia..., talvez corra o risco de ficar pelo caminho, é que eles já não têm a legião de fãs que a Google tem...

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
KTachyon

A Google já começou a tomar algumas medidas contra a fragmentação do Android.

http://www.itwriting.com/blog/7006-google-fights-android-fragmentation-with-new-proprietary-sdk-terms.html

Mas reparem que o pessoal do Software Livre saltou-lhes logo em cima. Estou a imaginar que a Canonical ainda tem mais responsabilidade neste aspecto, pelo que é possível que acabe por se tornar suficientemente livre para cair no mesmo saco que o Android. Mas vou deixa que o tempo passe e esperar que no final provem que eu estava enganado :)


“There are two ways of constructing a software design: One way is to make it so simple that there are obviously no deficiencies, and the other way is to make it so complicated that there are no obvious deficiencies. The first method is far more difficult.”

-- Tony Hoare

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
apocsantos

Boa noite,

@KTachyon: O Mal da Google foi "pegar o touro pelo sitio errado!", quiz pegar de forma "estranha"... E "lixou-se"... A malta do software livre o que quer é codigo aberto para compilarem a gosto. O mal de um dispositivo android, é que até podes ter a source do Android, mas faltam-te "partes" que o fabricante do Hardware decidiu não ceder... Logo não consegues compilar, ou se consegues muita coisa não funciona.

Se a Google pega-se no problema (AKA Touro), de outra forma, no sentido de obrigar os fabricantes a produzir drivers e todo o software de suporte ao seu hardware em licenças compativeis com a do Android, o pessoal do open-source, até era capaz de agradecer!

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

assinatura.jpg

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
KTachyon

Mas as partes que o fabricante não quer ceder não são parte integrante do Android, logo a Google não detém nem podia alguma vez deter o controlo sobre isso, pelo menos da forma como seria suposto em software livre. Só para começar, os drivers não são derivados do código que está sob uma licença aberta (para além de que a licença não é restritiva ao ponto de obrigar a que os trabalhos derivados sejam abrangidos pelos mesmos termos - exceptuando, claro, o sistema Linux que suporta a VM).

Imagino que a Canonical também não deva conseguir contornar isto.


“There are two ways of constructing a software design: One way is to make it so simple that there are obviously no deficiencies, and the other way is to make it so complicated that there are no obvious deficiencies. The first method is far more difficult.”

-- Tony Hoare

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!

Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.

Entrar Agora

×

Aviso Sobre Cookies

Ao usar este site você aceita os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Este site usa cookies para disponibilizar funcionalidades personalizadas. Para mais informações visite esta página.