Jump to content
thoga31

The Eighties, os anos de ouro da informática

Recommended Posts

thoga31

Na sequência desta pequena conversa, achei que seria interessante ver a evolução da informática e da programação desde os tempos remotos das mainframes. Em particular, aqueles que foram, IMO, os anos de ouro da informática - os anos 80.

Venham daí as vossas experiências, as vossas recordações e memórias, as vossas opiniões. Vamos recordar a nostalgia destes tempos, The Eighties Era :)

Edited by thoga31

Knowledge is free!

Share this post


Link to post
Share on other sites
apocsantos

Boa noite,

O meu primeiro contacto foi com um ZX 48k, e programava-se numa implementação de Basic que vinha com o Spectrum. Algo bastante primitivo tipo

5 REM mais um programa
10 LET i = 20
20 For i < 100
21 Circle (10,5,i)
22 Next i
25 Print "Apenas circulos"

Na altura era possivel usar a instrução Poke para manipular valores em memória, só existiam 8 cores, os programas gravavam-se usando a instrução (Save "prorgrama") e ainda se usavam cassetes. A impressão em impressora era feita com a instrução LPRINT e um programa teria de poupar mesmo muito a memória, pois só tinha 48k para ele e para os dados durante a sua execução.

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

Share this post


Link to post
Share on other sites
mjamado

Tal como o apocsantos, o meu primeiro computador foi um ZX Spectrum 48K. Na mesma linha, tive também um Timex 2064 e um Sinclair 128K +2. Depois disso, o meu primeiro x86, um Schneider 286.

Já o disse noutros sítios, mas reafirmo: o que contribuiu bastante para o boom da informática nos anos 80 e princípios de 90 foram os extras que vinham com as máquinas: manuais. Hoje em dia, os "manuais" são meras instruções de montagem, se tanto. Back in the day, eram autênticas iniciações à programação.

O 48K vinha com um manual grossíssimo, formato A4, policopiado, com a especificação do BASIC, imensos exemplos; o Timex 2048, além de um manual semelhante, vinha com uma adenda, porque o BASIC tinha sido extendido para esta máquina (notavelmente, vários modos gráficos alternativos). O 128K, já só tinha um manual com as diferenças do BASIC 128K. Quanto ao Schneider, além dum livro muito bom sobre manutenção de computadores (hey, estamos a falar de um tempo em que os discos duros tinham de ser trancados para transporte), trazia também um manual sobre o GW-BASIC.

Quem quisesse fazer alguma coisa útil com aquelas máquinas, tinha que saber, pelo menos, alguns rudimentos de programação. E isso era óptimo.


"Para desenhar um website, não tenho que saber distinguir server-side de client-side" - um membro do fórum que se auto-intitula webdesigner. Temo pelo futuro da web.

Share this post


Link to post
Share on other sites
apocsantos

Bom dia,

Depois do ZX Spectrum 48k, com os respectivos manuais, tive a sorte de passar também por um Timex TC 2068 (que por sinal trazia um cartuxo, para correr o Basic do Spectrum), e vinha com um bom manual tal como o ZX 48k. Depois desse também passei pelo Spectrum 128k +2 (a diferença, era além dos 128k de Ram, ter o gravador de cassetes "built-in", mas o manual deixava muito a desejar...

Infelizmente não tive o Schneider Euro AT, tive um Amstrad PC-DD 1512, com duas drives e posteriormente um IBM PC XT com 80286, IBM Dos, trazia o IBM-BASIC e uma Basic ROM, além de 3 grossos livros, bem fornecidos de informação sobre programação em Basic.

Depois disso passei para outro IBM PS/2 com processador i386sx (sem co-processador matemático), e ainda trazia nos manuais, um bom manual de DOS, um de BASIC e um com a tabela ASCII para vários country codes.

Definitivamente acho que nessa altura, como as maquinas vinham com diversos manuais e para se fazer o que quer que fosse, era preciso ter conhecimentos minimos de programação, contribuiram imenso para que se desenvolve-se toda uma "cultura" em volta deles. Para quem cresceu com essas maquinas, as limitações eram tantas, que a vontade de as levar ao "limite", superava "tudo"! A malta perdia horas de volta daquelas maquinetas, a programar, optimizar os programas, tentar alterar o sistema operativo DOS, e tantas outras coisas...

Maquinas "realmente potentes", na altura que me recorde, a primeira maquina em que tive oportunidade de aprender foi um AS/400 que ainda usava System36, programava-se em RPG (algo muito parecido com uma mistura de Basic e Cobol), e quando se mandava compilar, tinha de se esperar ansiosamente pelo sinal sonoro e o output da compilação...

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.