Ir para o conteúdo
  • Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #60 da revista programar. Faz já o download aqui!

thoga31

The Eighties, os anos de ouro da informática

Mensagens Recomendadas

thoga31

Na sequência desta pequena conversa, achei que seria interessante ver a evolução da informática e da programação desde os tempos remotos das mainframes. Em particular, aqueles que foram, IMO, os anos de ouro da informática - os anos 80.

Venham daí as vossas experiências, as vossas recordações e memórias, as vossas opiniões. Vamos recordar a nostalgia destes tempos, The Eighties Era :)

Editado por thoga31

Knowledge is free! | Occasional Fortnite player

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
apocsantos

Boa noite,

O meu primeiro contacto foi com um ZX 48k, e programava-se numa implementação de Basic que vinha com o Spectrum. Algo bastante primitivo tipo

5 REM mais um programa
10 LET i = 20
20 For i < 100
21 Circle (10,5,i)
22 Next i
25 Print "Apenas circulos"

Na altura era possivel usar a instrução Poke para manipular valores em memória, só existiam 8 cores, os programas gravavam-se usando a instrução (Save "prorgrama") e ainda se usavam cassetes. A impressão em impressora era feita com a instrução LPRINT e um programa teria de poupar mesmo muito a memória, pois só tinha 48k para ele e para os dados durante a sua execução.

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
mjamado

Tal como o apocsantos, o meu primeiro computador foi um ZX Spectrum 48K. Na mesma linha, tive também um Timex 2064 e um Sinclair 128K +2. Depois disso, o meu primeiro x86, um Schneider 286.

Já o disse noutros sítios, mas reafirmo: o que contribuiu bastante para o boom da informática nos anos 80 e princípios de 90 foram os extras que vinham com as máquinas: manuais. Hoje em dia, os "manuais" são meras instruções de montagem, se tanto. Back in the day, eram autênticas iniciações à programação.

O 48K vinha com um manual grossíssimo, formato A4, policopiado, com a especificação do BASIC, imensos exemplos; o Timex 2048, além de um manual semelhante, vinha com uma adenda, porque o BASIC tinha sido extendido para esta máquina (notavelmente, vários modos gráficos alternativos). O 128K, já só tinha um manual com as diferenças do BASIC 128K. Quanto ao Schneider, além dum livro muito bom sobre manutenção de computadores (hey, estamos a falar de um tempo em que os discos duros tinham de ser trancados para transporte), trazia também um manual sobre o GW-BASIC.

Quem quisesse fazer alguma coisa útil com aquelas máquinas, tinha que saber, pelo menos, alguns rudimentos de programação. E isso era óptimo.


"Para desenhar um website, não tenho que saber distinguir server-side de client-side" - um membro do fórum que se auto-intitula webdesigner. Temo pelo futuro da web.

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
apocsantos

Bom dia,

Depois do ZX Spectrum 48k, com os respectivos manuais, tive a sorte de passar também por um Timex TC 2068 (que por sinal trazia um cartuxo, para correr o Basic do Spectrum), e vinha com um bom manual tal como o ZX 48k. Depois desse também passei pelo Spectrum 128k +2 (a diferença, era além dos 128k de Ram, ter o gravador de cassetes "built-in", mas o manual deixava muito a desejar...

Infelizmente não tive o Schneider Euro AT, tive um Amstrad PC-DD 1512, com duas drives e posteriormente um IBM PC XT com 80286, IBM Dos, trazia o IBM-BASIC e uma Basic ROM, além de 3 grossos livros, bem fornecidos de informação sobre programação em Basic.

Depois disso passei para outro IBM PS/2 com processador i386sx (sem co-processador matemático), e ainda trazia nos manuais, um bom manual de DOS, um de BASIC e um com a tabela ASCII para vários country codes.

Definitivamente acho que nessa altura, como as maquinas vinham com diversos manuais e para se fazer o que quer que fosse, era preciso ter conhecimentos minimos de programação, contribuiram imenso para que se desenvolve-se toda uma "cultura" em volta deles. Para quem cresceu com essas maquinas, as limitações eram tantas, que a vontade de as levar ao "limite", superava "tudo"! A malta perdia horas de volta daquelas maquinetas, a programar, optimizar os programas, tentar alterar o sistema operativo DOS, e tantas outras coisas...

Maquinas "realmente potentes", na altura que me recorde, a primeira maquina em que tive oportunidade de aprender foi um AS/400 que ainda usava System36, programava-se em RPG (algo muito parecido com uma mistura de Basic e Cobol), e quando se mandava compilar, tinha de se esperar ansiosamente pelo sinal sonoro e o output da compilação...

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!

Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.

Entrar Agora

×

Aviso Sobre Cookies

Ao usar este site você aceita os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Este site usa cookies para disponibilizar funcionalidades personalizadas. Para mais informações visite esta página.