Ir para o conteúdo
progster

«Pai» da Internet diz que acesso à Rede não faz parte dos Direitos Humanos

Mensagens Recomendadas

progster    1
progster

Um dos «pais» da Internet», Vint Cerf, veio a público afirmar que o acesso à Web não pode ser considerado como um dos Direitos do Homem

Esta afirmação surge num artigo deste especialista, publicado no New York Times, é dito que a Internet não pode, por si só, ser considerada um direito fundamental, mas que pode ser vista como forma de concretizar alguns desses direitos, como o de comunicar.

Vint Cerf, que é conhecido pelo papel que desempenhou no desenvolvimento do TCP/IP, critica a forma como as Nações Unidas e outras organizações têm vindo a referir-se ao acesso à Internet, que consideram que o acesso a comunicações de banda larga é direito inalienável do Homem, referindo que estas entidades se devem concentrar na resolução e problemas realmente importantes.

«A tecnologia é uma forma de aceder aos direitos, mas não é ela própria um direito», afirma. «A fasquia para algo ser considerado um Direito Humano é bastante elevada. De forma simplista devem estar nesta lista coisas essências a uma vida saudável e com significado, como a liberdade de consciência. É um erro colocar uma determinada tecnologia nessa categoria, até porque ao longo dos anos temos vindo a valorizar as coisas erradas».

Para este especialista poderá, apenas, argumentar-se que se está perante um direito civil e que as pessoas têm devem reclamar junto dos governos para terem acesso à Internet nas melhores condições.

Fonte:http://sol.sapo.pt/inicio/Tecnologia/Interior.aspx?content_id=38094

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
falco    33
falco

E dizer que o acesso à Internet não é um direito humano e dizer que o acesso à Internet não é um direito humano por si só. É dizer coisas bastante distintas. E fazer títulos que não têm isso em conta demonstra falta de seriedade.

E porque é que raio a opinião do Vint Cerf, a este respeito é notícia por si só???

Não estou a dizer que a opinião dele não é relevante, mas esta notícia cair de paraquedas sem qualquer enquadramento e sem haver neste momento qualquer iniciativa a ser discutido a respeito deste tema, faz com que isto seja encher chouriços e tenha, pouco ou nenhum valor como notícia.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
progster    1
progster

E dizer que o acesso à Internet não é um direito humano e dizer que o acesso à Internet não é um direito humano por si só. É dizer coisas bastante distintas. E fazer títulos que não têm isso em conta demonstra falta de seriedade.

E porque é que raio a opinião do Vint Cerf, a este respeito é notícia por si só???

Não estou a dizer que a opinião dele não é relevante, mas esta notícia cair de paraquedas sem qualquer enquadramento e sem haver neste momento qualquer iniciativa a ser discutido a respeito deste tema, faz com que isto seja encher chouriços e tenha, pouco ou nenhum valor como notícia.

Não sei se percebi o teu ponto de vista...

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
KTachyon    272
KTachyon

Por um lado, se considerarmos que "a evolução das coisas" nos está a levar para uma internet cada vez mais acessível, penso que não será muito descabido dizer que o acesso à internet se está a tornar, cada vez mais, num direito. Existem tantas iniciativas de várias organizações que querem levar as coisas neste sentido...

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
fil79    5
fil79

O que acho é que a Internet "livre" sem determinados dominios bloqueados por entidades governamentais (nomeadamente nas ditaduras), é um direito que deve assistir a qualquer cidadão. Mas infelizmente em alguns países isto ainda é uma utopia!

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
progster    1
progster

Eu concordo com o que é dito no artigo, ou seja, neste caso a internet deve ser uma forma de aceder aos direitos do ser humano, agora ser um direito do ser humano ter acesso á internet, é que acho um pouco esquisito.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
KTachyon    272
KTachyon

São pontos de vista. Eu prefiro acreditar nas iniciativas de facilitar o acesso à internet para que todos possam usufruir dela, que até é uma das directivas que está a ser trabalhada em certos programas da UE. Hoje em dia a internet já é uma importante ferramenta de trabalho para muitos e um bom meio de divulgação e de propagação de informação. Se nem todos têm mesmo o direito de acesso à informação, parece-me que alguns têm mais direitos que outros :D

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
progster    1
progster

Concordo absolutamente com o que dizes, mas penso que existem várias variáveis a ter em conta para essas mesmas pessoas, refiro-me entre outras a variáveis socio-economicas.

De qualquer maneira penso que o direito de acesso á informação, é bem diferente de um direito do ser humano, e acho esquisito uma possivel comparação entre este tipo de direitos. Como tu dizes e muito bem, são pontos de vista.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
bubulindo    112
bubulindo

São pontos de vista. Eu prefiro acreditar nas iniciativas de facilitar o acesso à internet para que todos possam usufruir dela, que até é uma das directivas que está a ser trabalhada em certos programas da UE. Hoje em dia a internet já é uma importante ferramenta de trabalho para muitos e um bom meio de divulgação e de propagação de informação. Se nem todos têm mesmo o direito de acesso à informação, parece-me que alguns têm mais direitos que outros :D

O Sol decidiu adicionar chouricos ao artigo em vez de fazer a traducão integral do que o homem disse, mas ele refere algo importante acerca de ser um direito humano.

Technology is an enabler of rights, not a right itself...

It is a mistake to place any particular technology in this exalted category, since over time we will end up valuing the wrong things. For example, at one time if you didn't have a horse it was hard to make a living. But the important right in that case was the right to make a living, not the right to a horse. Today, if I were granted a right to have a horse, I'm not sure where I would put it.

in http://www.nytimes.com/2012/01/05/opinion/internet-access-is-not-a-human-right.html

O importante a reter é que o acesso livre a informacão é que é o Direito Humano. A maneira como acedes a essa informacão não importa. Há 50 anos atrás, acedias a informacão através das pessoas que conhecias e o jornal. Eventualmente passamos a usar o radio. Depois a TV. Agora a Internet. Eventualmente daqui a não sei quantos anos a Internet poderá dar lugar a algo diferente. O livre acesso à informacão é que se mantém, os meios de transmissão vão mudando e como tal não devem ser considerados como direitos.

Ainda hoje em dia, os Governos que bloqueiam a internet, bloqueiam canais de TV e publicacões e produzem as suas próprias notícias de acordo com o que acham correcto. Logo o problema não é exclusivo da internet.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
progster    1
progster

O Sol decidiu adicionar chouricos ao artigo em vez de fazer a traducão integral do que o homem disse (...)

Lol...

Lá está a comunicação social a tentar influenciar a opinião pública...

O importante a reter é que o acesso livre a informacão é que é o Direito Humano. A maneira como acedes a essa informacão não importa. Há 50 anos atrás, acedias a informacão através das pessoas que conhecias e o jornal. Eventualmente passamos a usar o radio. Depois a TV. Agora a Internet. Eventualmente daqui a não sei quantos anos a Internet poderá dar lugar a algo diferente. O livre acesso à informacão é que se mantém, os meios de transmissão vão mudando e como tal não devem ser considerados como direitos.

Penso que estamos todos a dizer a mesma coisa.

Uma coisa é o direito do acesso á informação, outra é dizer/comparar a forma como esse acesso é feito a um direito do ser humano.

EDIT:

@KTachyon só agora é que reparei na "gaffe" que cometi:

De qualquer maneira penso que o direito de acesso á informação, é bem diferente de um direito do ser humano, e acho esquisito uma possivel comparação entre este tipo de direitos.

Em vez de "informação", queria ter colocado "internet".

:-[ Sorry!. My bad.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
falco    33
falco
Por um lado, se considerarmos que "a evolução das coisas" nos está a levar para uma internet cada vez mais acessível, penso que não será muito descabido dizer que o acesso à internet se está a tornar, cada vez mais, num direito. Existem tantas iniciativas de várias organizações que querem levar as coisas neste sentido...

Nenhuma delas particularmente activa nos últimos tempos...

Eu compreendo os vários pontos de vista. A Internet e as tecnologias que a compõem são ferramentas. Elas sem dúvida alguma que tornam a nossa vida mais fácil (se as utilizarmos correctamente) e em vários aspectos das nossas actividades sociais, económicas, sociais, etc... E se as utilizarmos bem, permitem-nos fazer muito mais e muito melhor do que se não tivermos essas ferramentas, ou se não as pudermos utilizar.

Por isso tal como o Vint Cerf. Eu concordo que o acesso à Internet e a algum recursos tecnológicos da sociedade de informação em particular, não devem ser Direitos Humanos, mas devem ser boas práticas (as melhores caso sejam as melhores tecnologias para a massificação do acesso à sociedade de informação e comunicação), ou pré-requisitos para esses direitos.

O que seria interessante era introduzir novos direitos humanos relativamente a algumas das utilizações que estas novas tecnologias (e outras que venham), permitam ao ser humano desenvolver-se, concretizar-se como tal e ajudar outros a fazer o mesmo isoladamente, ou em comunidade. Porque quer queiramos quer não, a Internet é tecnologia e toda a tecnologia, deixa de ser a mais útil com a evolução do estado da arte. E como tal o que interessa proteger são actividades e benefícios que tiramos da utilização da tecnologia e não a tecnologia em si. E também fazer claro que em cada momento o acesso a determinadas práticas são a forma adequada de concretizar materialmente esses direitos (ou seja o acesso universal a ela é uma boa prática, a prática que deve ser seguida).

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!

Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.

Entrar Agora


×

Aviso Sobre Cookies

Ao usar este site você aceita os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade