Jump to content
falco

O estado dos jogos no GNU/Linux

Recommended Posts

falco

Li hoje este artigo, que achei bastante interessante a respeito do estado da possibilidade de se jogar em GNU/Linux, acho que todos deveriam ler antes de dizerem que não há jogos para GNU/Linux...

http://www.osnews.com/story/25328/The_State_of_Linux_Gaming_2011

Um facto interessante é que a comunidade de jogadores em GNU/Linux apoia a industria independente e apesar de comprar menos unidades está disposta a pagar mais que os jogadores de window$ e mac. Desde que a oferta seja feita em termos aceitáveis (respeitando mais os consumidores). E que vender para diferentes plataformas parece ser uma questão de marketing e não uma questão de haver, ou não haver mercado.

Isto pode ainda não ser o que a maioria quer, mas certamente já dá para muitos. E certamente muitos consumidores deveriam rever a sua posição hipócrita de se queixarem de preços e depois não apoiar os fabricantes que fazem o que os consumidores estão a pedir e os respeitam.

Share this post


Link to post
Share on other sites
bubulindo

Li hoje este artigo, que achei bastante interessante a respeito do estado da possibilidade de se jogar em GNU/Linux, acho que todos deveriam ler antes de dizerem que não há jogos para GNU/Linux...

Haver, há... mas são os títulos que as pessoas querem jogar?

Também não haviam jogos para Mac, mas com este recente crescimento na venda de macs, mais jogos começaram a aparecer na plataforma.

E é aqui que o GNU/Linux tem falhado. A qualidade do software é boa, o preço é bom, mas não existe publicidade e ainda pior é hoje quase impossível (se não for impossível mesmo) comprar um computador que venha limpo de raíz ou que tenha a possibilidade de escolha do Sistema Operativo. A Dell fazia isso, mas fazia zero publicidade... como consequência, acabou por não rentabilizar esse segmento e terminou-o.

Hoje em dia certamente que existem milhentas pessoas que estão fartas do Windows e dos típicos problemas do Windows, não estão para pagar por um Mac, mas como não têm conhecimentos de informática ou não sabem que existe GNU/Linux, ou alguém lhes disse que é difícil de instalar (que até é caso o computador venha com Windows) e as pessoas ficam onde estão.

Colmatada essa "falha" do GNU/Linux, tenho a certeza que muitos mais jogos (e blockbusters entre eles) iriam aparecer, bem como mais apoio pela plataforma.

Mas parece que ninguém tenta resolver isto.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco
Haver, há... mas são os títulos que as pessoas querem jogar?

Essa é uma questão importante. Certamente que a maior parte das pessoas não vai querer jogar estes jogos, e menos uma minoria não vai querer jogar muitos deles. Contudo há aqui várias coisas a considerar:

* a maior parte dos consumidores não tentam saber o que existe. É muito mais cómodo para eles comer o que a industria lhes enfia pelas goelas;

* muitos dos consumidores (a maior parte) estão a ser hipócritas. Queixam-se dos preços, mas não são capazes de fazer a mínima cedência nas suas exigências sobre quais os jogos que querem jogar, em troca de apoiar quem os respeita e está a tentar popularizar um modelo de negócios baseado no respeito pelos consumidores. Quanto mais depressa estes modelos alternativos se tornarem comuns melhor para os consumidores, porque os grandes fabricantes também vão ter por acabar que os adoptar e porque isso força os que se querem diferenciar a procurar ainda mais novos modelos. E tudo isto é melhor para os consumidores;

* o ponto anterior também faz com que haja mais pressão para que os jogos que os consumidores querem jogar, fiquem disponíveis em mais plataformas. Porque as empresas vão procurar modelos que lhes permitam expandir os seus negócios para áreas onde há pouca competição (é mais fácil do que competir) e isso só não acontece agora porque as empresas não estão a ver que há de facto mercado. Embora estejam erradas, porque há algum e com um valor acrescentado que é maior (os consumidores de GNU/Linux e MacOS X estão voluntáriamente a pagar mais quando podem escolher o preço).

Também não haviam jogos para Mac, mas com este recente crescimento na venda de macs, mais jogos começaram a aparecer na plataforma.

A expansão das plataformas móveis da Apple também veio ajudar a embalar isso.

E é aqui que o GNU/Linux tem falhado. A qualidade do software é boa, o preço é bom, mas não existe publicidade e ainda pior é hoje quase impossível (se não for impossível mesmo) comprar um computador que venha limpo de raíz ou que tenha a possibilidade de escolha do Sistema Operativo. A Dell fazia isso, mas fazia zero publicidade... como consequência, acabou por não rentabilizar esse segmento e terminou-o.

Isso deve-se aos acordos da m$ com os OEM e destes com os retalhistas... Por acaso não reparaste que os EeePC que tinham GNU/Linux raramente estavam ligados quando estavam expostos em montras? E o mesmo com os magalhães?

A questão é que a m$ é um bully e a não ser quando se arranjam outras formas de se conseguirem impor, como a Apple arranjou (via mercado de gadgets), os retalhistas não vão respeitar quem quer que seja, porque têm a segurança de a m$ ter o mercado quase todo e por isso as vendas perdidas por não apoiarem outros são para eles irrelevantes. E o mesmo se aplica aos OEM, até os computadores Dell que vinham com FreeDOS, ou com Ubuntu, tinham associados publicidade de Dell a dizer que recomendava a utilização de window$. E a Dell utiliza este expediente de não distribuir só window$ quando quer renegociar os acordos com a m$, não está de facto empenhada em ter diversidade de oferta (e o mesmo acontece com a Lenovo).

Mas parece que ninguém tenta resolver isto.

Estás enganado a Suse/Novell tentaram, com acordos com a IBM, mas como não representam muito mercado, não conseguiram grandes negócios, a Canonical também tentou com a Dell, outros tentaram com a Asus e agora a Canonical vai tentar com os fabricantes de tablets. A questão é que estas empresas representam poucos consumidores e por isso não conseguem bons negócios. Já a Apple e o Google representam muitos por isso tiveram sucesso.

Share this post


Link to post
Share on other sites
bubulindo

Tens razão.

Isso deve-se aos acordos da m$ com os OEM e destes com os retalhistas... Por acaso não reparaste que os EeePC que tinham GNU/Linux raramente estavam ligados quando estavam expostos em montras? E o mesmo com os magalhães?

Eu não vi nenhum EeePc a correr Linux em montras e lojas. É um facto que nunca andei à procura de um para comprar e não passo muito tempo em Portugal para julgar isso aí.

Sabia que havia essa versão, mas nunca a vi há venda. A primeira vez que vi um e mexi nele foi para configurar a rede wireless duma vizinha minha que comprou um no Reino Unido ou Espanha.

A questão é que a m$ é um bully e a não ser quando se arranjam outras formas de se conseguirem impor, como a Apple arranjou (via mercado de gadgets), os retalhistas não vão respeitar quem quer que seja, porque têm a segurança de a m$ ter o mercado quase todo e por isso as vendas perdidas por não apoiarem outros são para eles irrelevantes. E o mesmo se aplica aos OEM, até os computadores Dell que vinham com FreeDOS, ou com Ubuntu, tinham associados publicidade de Dell a dizer que recomendava a utilização de window$. E a Dell utiliza este expediente de não distribuir só window$ quando quer renegociar os acordos com a m$, não está de facto empenhada em ter diversidade de oferta (e o mesmo acontece com a Lenovo).

Estás enganado a Suse/Novell tentaram, com acordos com a IBM, mas como não representam muito mercado, não conseguiram grandes negócios, a Canonical também tentou com a Dell, outros tentaram com a Asus e agora a Canonical vai tentar com os fabricantes de tablets. A questão é que estas empresas representam poucos consumidores e por isso não conseguem bons negócios. Já a Apple e o Google representam muitos por isso tiveram sucesso.

Sim, mas um pouco mais de publicidade certamente que não magoaria as hipóteses do Ubuntu por exemplo. Porque eles estão a fazer tudo bem... a interface gráfica é boa e diferente do que há por aí, existe software de borla e com qualidade para a maior parte dos usos (senão todos os usos) que as pessoas dão a um computador (alguns jogos excluídos), têm live CDs, têm a opcão de correr o sistema operativo duma pasta no Windows e o processo de instalacão é tão bom como a maior parte dos sistemas operativos lá fora. No entanto, a mensagem deles não é passada cá para fora. Tirando publicacões da especialidade, que não servem para angariar novos utilizadores, existe muito pouca referência ao que eles têm.

Claro, os utilizadores tomam sempre a via mais fácil, mas se não existe sequer publicidade que possa levantar a dúvida e curiosidade das pessoas acerca de algo, certamente que não haverá quem se dedique a dar isso às pessoas. Percebes? Se ninguém vai a uma loja de computadores procurar por um computador que tenha Ubuntu (por exemplo), nenhuma loja vai armazenar computadores com esse SO instalado.

Em Londres na estacão de Green Park para mudar de linhas temos de atravessar um túnel com cerca de 70 metros, o túnel está repleto de anúncios da Microsoft. Imagina que estavam lá anúncios do Ubuntu? Imagina que ocasionalmente passavam um ou outro anúncio na TV a mostrar a facilidade com que se faz algumas coisas no Ubuntu... ou até (apesar de ser errado) mostrar que não são só os Macs que não têm vírus. 

Eu acho que isto é um ciclo, tu viste as coisas pelo lado de haver primeiro oferta, eu vejo pelo lado de haver primeiro procura, seja como for, o primeiro passo em ambas as situacões é suscitar o interesse. E isso é que não está a ser feito. E não será fácil tendo em conta a diferenca de orcamentos entre ambas as organizacões, mas que é uma boa altura para "comer" um pedaco da fatia de mercado à Microsoft, isso é.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Share this post


Link to post
Share on other sites
M6

Com os problemas que as gráficas costumam dar - em especial as ATI - duvido que haja um grande futuro nos jogos...

Uma das excelentes razões para se optar por uma consola é o facto de as coisas simplesmente funcionarem, sem stress.

Ao passo que em Linux até jogos infantis como o TuxKart e afins deixaram de funcionar após um upgrade do Kububtu... E porquê? Pelo simples facto de que o driver da ATI deixou de ser mantido para o kernel que vinha na altura e... puff... Lá fique com um driver genérico e sem aceleração gráfica que só conseguia jogar o Sr. Batata!...

Ora, com tantas parolices que podem acontecer aos jogos na plataforma Linux, é sem dúvida uma plataforma a evitar no que toca a jogos...

O Linux não se consegue sequer impor como concorrente sério nos desktops quanto mais ser usado para jogos numa altura clara em que as plataformas de jogos são cada vez mais baratas... 


10 REM Generation 48K!
20 INPUT "URL:", A$
30 IF A$(1 TO 4) = "HTTP" THEN PRINT "400 Bad Request": GOTO 50
40 PRINT "404 Not Found"
50 PRINT "./M6 @ Portugal a Programar."

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
taviroquai

Facto é, quando vamos comprar um jogo, olhamos na parte de trás do pacote e tem la win2000, winxp, windows vista e windows 7... e não tem gnu/linux. Agora expliquem porque? De certeza que vamos cair no $$$$...

Share this post


Link to post
Share on other sites
bubulindo

Lá fique com um driver genérico e sem aceleração gráfica que só conseguia jogar o Sr. Batata!...

E não gostas do Sr. batata? LOL

Eu até tenho saudades dele. :P

Ora, com tantas parolices que podem acontecer aos jogos na plataforma Linux, é sem dúvida uma plataforma a evitar no que toca a jogos...

ainda por cima com todas as plataformas móveis a competir com os desktops.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco

Sabia que havia essa versão, mas nunca a vi há venda. A primeira vez que vi um e mexi nele foi para configurar a rede wireless duma vizinha minha que comprou um no Reino Unido ou Espanha.

Esteve há venda em Portugal durante bastante tempo.

Na montra as diferenças que encontravas era um que corria GNU/Linux estar desligado e não ter o autocolante da microsoft.

Sim, mas um pouco mais de publicidade certamente que não magoaria as hipóteses do Ubuntu por exemplo.

A publicidade é pouco relevante quando não consegues colocar o produto no mercado. E é essa a questão.

Claro, os utilizadores tomam sempre a via mais fácil, mas se não existe sequer publicidade que possa levantar a dúvida e curiosidade das pessoas acerca de algo, certamente que não haverá quem se dedique a dar isso às pessoas. Percebes? Se ninguém vai a uma loja de computadores procurar por um computador que tenha Ubuntu (por exemplo), nenhuma loja vai armazenar computadores com esse SO instalado.

Concordo!

Mas nem acho que os computadores devessem trazer sistema operativo pré-instalado, ou pelo menos não deviam todos.

Mas acho que a estratégia não passa por publicidade nos meios tradicionais. Isso custa dinheiro que não existe.

Com os problemas que as gráficas costumam dar - em especial as ATI - duvido que haja um grande futuro nos jogos...

Eu não tenho problemas com placas gráficas há muitos anos...

A minha mãe teve com um driver proprietário da nvidia (não permitia sequer ver o ambiente gráfico quando utilizado), mas instalei-lhe o driver livre e nunca mais teve problemas.

Share this post


Link to post
Share on other sites
thoga31

Facto é, quando vamos comprar um jogo, olhamos na parte de trás do pacote e tem la win2000, winxp, windows vista e windows 7... e não tem gnu/linux. Agora expliquem porque? De certeza que vamos cair no $$$$...

Resposta: :P

Ao passo que em Linux até jogos infantis como o TuxKart e afins deixaram de funcionar após um upgrade do Kubuntu... E porquê? Pelo simples facto de que o driver da ATI deixou de ser mantido para o kernel que vinha na altura e... puff... Lá fique com um driver genérico e sem aceleração gráfica que só conseguia jogar o Sr. Batata!...

Ora, com tantas parolices que podem acontecer aos jogos na plataforma Linux, é sem dúvida uma plataforma a evitar no que toca a jogos...


Knowledge is free!

Share this post


Link to post
Share on other sites
apocsantos

    Boa noite,

    Eu tenho um netbook com GNU/Linux, e sim estava no expositor, estava ligado ao lado do mesmo modelo com Windows.

Eu escolhi com GNU/Linux por várias razões entre as quais o preço, realmente mais barato, mas também porque para o trabalho que lhe iria dar e dou, GNU/Linux chega e sobra perfeitamente. Uso-o para tarefas de rotina, para as quais não preciso de mais do que o netbook me consegue oferecer, com a vantagem de ser pequeno, leve, e ter boa autonomia. Corre Open-Office perfeitamente bem, e tem os jogos que trouxe quando foi comprado.

    Por acaso já tive problemas nos portáteis e no desktop com a distribuição Ubuntu, precisamente por causa de drivers gráficos.

    Quanto aos jogos, também não vejo jogos para Mac, mas em verdade o digo que para jogar tenho a consola, por isso vejo jogos para a consola e não para PC. Ainda tenho o Spectrum, mas para esse tenho os jogos que já tenho à muitos anos, que na altura custavam bastante, e diga-se de passagem ainda me dão gosto jogar.

    Concordo com o @M6 GNU/Linux simplesmente não creio que seja uma plataforma atractiva para as produtoras de jogos.

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco

A resposta que o thoga31 diz que é resposta, é apenas uma resposta parcial. Porque as pessoas podem simplesmente não usar os drivers proprietários da ATI...

A ATI e a NVIDIA, não são capazes de acompanhar o ritmo de desenvolvimento do kernel, porque não se envolvem no desemvolvimento do kernel, ou seja, é apenas por culpa dessas empresas.

Outra parte da resposta completa é abordada no post inicial: a questão do marketing (não confundam marketing com publicidade) e a questão de haver, ou não haver mercado.

    Eu tenho um netbook com GNU/Linux, e sim estava no expositor, estava ligado ao lado do mesmo modelo com Windows.

Houve alguns casos desses, mas foram uma minoria... E normalmente acabavam por ser desligados por funcionários mais zelosos.

Quanto ao GNU/Linux não ser uma plataforma atractiva para quem fabrica jogos, isso é a forma como a industria o vê, não a realidade. Existem uma série de mitos ao redor disto... Mas a verdade  é há grande software que usa intensivamente gráficos e som em GNU/Linux algum deles utilizados para fazer animação de gráficos gerados nesses softwares e por tanto é possível fazer isso. É preciso é que se deixem de tretas.

As empresas de jogos não gostam de GNU/Linux porque é uma plataforma livre. Aqui não ficamos facilmente presos por DRM. E também porque existe o mito de que os utilizadores de GNU/Linux querem tudo à borla (apesar do que o que coloquei no post inicial provar o contrário).

Share this post


Link to post
Share on other sites
bubulindo

Houve alguns casos desses, mas foram uma minoria... E normalmente acabavam por ser desligados por funcionários mais zelosos.

Ou ignorantes... provavelmente também já reparaste que os vendedores de computadores não são, normalmente, uns génios de informática.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Share this post


Link to post
Share on other sites
M6

A resposta que o thoga31 diz que é resposta, é apenas uma resposta parcial. Porque as pessoas podem simplesmente não usar os drivers proprietários da ATI...

E ai é que não há jogos para ninguém!

Falo por experiência própria, se não se usa os driveres dos vendors, ficamos com um driver genérico de trampa...

A ATI e a NVIDIA, não são capazes de acompanhar o ritmo de desenvolvimento do kernel, porque não se envolvem no desenvolvimento do kernel, ou seja, é apenas por culpa dessas empresas.

Claro que são capazes.

A questão aqui não é capacidade, é simplesmente rentabilidade.

Não é rentável suportar o desenvolvimento para Linux dado que isso tem um impacto insignificante nas suas vendas.

Outra parte da resposta completa é abordada no post inicial: a questão do marketing (não confundam marketing com publicidade) e a questão de haver, ou não haver mercado.

A resposta é clara: não há mercado.

É um nicho que, tal como no casos das gráficas, não é suficientemente interessante a nível de rentabilidade.

Houve alguns casos desses, mas foram uma minoria... E normalmente acabavam por ser desligados por funcionários mais zelosos.

Quanto ao GNU/Linux não ser uma plataforma atractiva para quem fabrica jogos, isso é a forma como a industria o vê, não a realidade. Existem uma série de mitos ao redor disto... Mas a verdade  é há grande software que usa intensivamente gráficos e som em GNU/Linux algum deles utilizados para fazer animação de gráficos gerados nesses softwares e por tanto é possível fazer isso. É preciso é que se deixem de tretas.

Realmente é necessário que se deixem de tretas...

Tretas como pensar que as coisas vão funcionar tão bem como, pelo menos, em Windows, em particular no que toca a drivers essenciais para os jogos: gráfica, som, game pads...

As empresas de jogos não gostam de GNU/Linux porque é uma plataforma livre. Aqui não ficamos facilmente presos por DRM. E também porque existe o mito de que os utilizadores de GNU/Linux querem tudo à borla (apesar do que o que coloquei no post inicial provar o contrário).

LOL

Mais uma treta: "As empresas de jogos não gostam de GNU/Linux porque é uma plataforma livre."

LOL

Acreditas mesmo isso???

Achas mesmo que é uma conspiração???

:P

Não te passou pela cabeça o facto de quem produzir um jogo para Windows ou PS3 tem, à partida, um mercado alvo largamente superior ao do Linux?

Já para não falar em custos de suporte ao utilizador?

Vejamos:

1 Posso investir num jogo para PS3, XBox ou Wii onde o utilizador mete o disco na consola e tudo simplesmente funciona, chegando a milhões de utilizadores.

Só a PS3 e a XBox já devem ter passado dos 50 milhões cada uma (e a crescer)... A Wii já deve ter ultrapassado os 75 milhões...

2 Posso investir num jogo para Linux, chegando a uma estimativa de 55 milhões de utilizadores, mas nem todos são jogadores ao contrário das consolas, mas onde muitos utilizadores não vão conseguir jogar porque a gráfica não é suportada, ou o som não dá nada, ou o meu game pad não funciona...

Por tanto a minha escolha é simples: escolho uma plataforma onde os utilizadores metem o disco e jogam, ou escolho uma plataforma onde vou ter de gastar imenso tempo e dinheiro em suporte técnico especializado no jogo e no SO? É que numa situação destas o suporte tem de saber das várias distros de Linux para ajudar a ultrapassar os problemas de configuração e afins do próprio SO de forma a que o jogo possa ser usado... Ora, meia-dúzia de distros versus pelo menos dois grandes gestores de janelas, estamos a falar que o tipo do suporte tem de saber, pelo menos, mexer em 12 sistemas (semelhantes, é um facto)...

O mesmo se aplica ao desenvolvimento do jogo. As produtoras têm acesso ao suporte dos vendors das consolas, e aqui teriam de comprar suporte de quantas distros?...

O custo de tudo isto é económicamente interessante?

Nem por sombras...

Aliás, o custo de tudo isso é um enorme sinal a dizer "afastem-se"...

As produtoras de jogos são empresas, cujo interesse é o lucro. Quando fazem contas apercebem-se de que o Linux é uma plataforma que não é interessante.

A resposta é simples: a escolha é feita mediante o ROI, e neste ponto o Linux é uma treta para as produtoras de jogos...


10 REM Generation 48K!
20 INPUT "URL:", A$
30 IF A$(1 TO 4) = "HTTP" THEN PRINT "400 Bad Request": GOTO 50
40 PRINT "404 Not Found"
50 PRINT "./M6 @ Portugal a Programar."

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco

Ou ignorantes... provavelmente também já reparaste que os vendedores de computadores não são, normalmente, uns génios de informática.

Pois, mas isso não é uma questão de informática... É uma questão de política interna da empresa e uma questão de acordos entre a empresa e os seus fornecedores.

E ai é que não há jogos para ninguém!

Falo por experiência própria, se não se usa os driveres dos vendors, ficamos com um driver genérico de trampa...

Isso não é bem assim. Embora também hajam drivers genéricos. O que acontece é que no Linux é comum haver muito código partilhado entre diferentes drivers e por isso costumam incluir-se diversos drivers para diferentes dispositivos no mesmo "pacote".

Alguns drivers livres que existem para ATI foram criados inicialmente pela ATI/AMD e vê lá tu que agora a AMD até anda criar drivers para window$ com base nos drivers livres para GNU/Linux (http://www.phoronix.com/scan.php?page=article&item=amd_linux_wec7&num=1)... Para além disso esses drivers estão a melhorar bastante.

A tua experiência pessoal, não permite tirar conclusões para todos, porque certamente não experimentaste todas as combinações de hardware e software que existem, nem todas as versões dos drivers.

Aliás os drivers livres são neste momento a única forma de utilizar alguns GPU mais antigos da ATI.

Aliás a experiência que tenho com drivers dos fabricantes do hardware é precisamente a oposta e isso também não quer dizer que a realidade se reduza a isso.

A questão aqui não é capacidade, é simplesmente rentabilidade.

Não é rentável suportar o desenvolvimento para Linux dado que isso tem um impacto insignificante nas suas vendas.

Não concordo... Os custos de ter uma equipa pequena a desenvolver e/ou orientar outros programadores de fora (da comunidade) é bastante reduzido nos orçamentos destas empresas. E a questão da rentabilidade é uma pescadinha de rabo na boca, as vendas deles relacionadas com utilizadores de GNU/Linux também são mais baixas por causa de eles não fazerem este investimento.

Outras empresas de hardware como a Intel, AMD (noutras áreas) e outros apostam bastante no desenvolvimento do kernel Linux, pois permite ser uma excelente plataforma para fazer experiências e obter feedback de outros programadores experiêntes... Dando alguns exemplos: a primeira plataforma a suportar as extensões de virtualização foi o Linux, a primeira plataforma a suportar USB 3 foi o Linux, etc...

A resposta é clara: não há mercado.

É um nicho que, tal como no casos das gráficas, não é suficientemente interessante a nível de rentabilidade.

As provas indicam o oposto! Parece que não leste o artigo do post inicial...

Realmente é necessário que se deixem de tretas...

Tretas como pensar que as coisas vão funcionar tão bem como, pelo menos, em Windows, em particular no que toca a drivers essenciais para os jogos: gráfica, som, game pads...

Nem todas soluções são tão boas, mas há soluções tão boas quanto as do window$. É uma questão de as utilizar.

LOL

Mais uma treta: "As empresas de jogos não gostam de GNU/Linux porque é uma plataforma livre."

LOL

Acreditas mesmo isso???

Achas mesmo que é uma conspiração???

;)

Não te passou pela cabeça o facto de quem produzir um jogo para Windows ou PS3 tem, à partida, um mercado alvo largamente superior ao do Linux?

Já para não falar em custos de suporte ao utilizador?

O que eu disse não é uma conspiração... Não se qualifica como tal. Uma conspiração implica que indivíduos actuem intencionalmente e de forma combinada e coordenada. Não digo que é isso que acontece.

Window$ tem um mercado com mais vendas. GNU/Linux tem um mercado com vendas mais valiosas (os utilizadores de GNU/Linux estão dispostos a pagar mais, fazendo com que o mercado de GNU/Linux não se deva considerar apenas pelo número de vendas). Ainda assim para a maior parte dos jogos admito que outras plataformas possam ser mais interessantes em termos de mercado. Mas isso não quer dizer que seja assim para todos os jogos.

Os custos de suporte são um mito. Não são superiores ao de suportar as outras plataformas.

2 Posso investir num jogo para Linux, chegando a uma estimativa de 55 milhões de utilizadores, mas nem todos são jogadores ao contrário das consolas, mas onde muitos utilizadores não vão conseguir jogar porque a gráfica não é suportada, ou o som não dá nada, ou o meu game pad não funciona...

Os fabricantes do jogo só têm que suportar o jogo, não o hardware.

Para além disso os fabricantes de jogos podem fazer acordos com fabricantes OEM para que hajam computadores e periféricos certificados...

. As produtoras têm acesso ao suporte dos vendors das consolas, e aqui teriam de comprar suporte de quantas distros?...

As que quisessem, ou nenhuma... Suportar GNU/Linux, não implica suportar a distribuição x, ou y. Implica disponibilizar informação para que o utilizador, ou outro intermediário possa fazer o que tem a fazer (e no segundo caso também pode ser mais um negócio).

Share this post


Link to post
Share on other sites
taviroquai

Vejamos:

1 Posso investir num jogo para PS3, XBox ou Wii onde o utilizador mete o disco na consola e tudo simplesmente funciona, chegando a milhões de utilizadores.

E funciona porque? Porque o hardware e SO são uniformes. E se analisar-mos do ponto de vista de produtividade em programação, é muito mais fácil produzir software para hardware e SO uniformes, portante, bem lá no fundo, penso que a grande razão para que o mercado esteja direccionado para as consolas é porque é mais fácil criar software para sistemas uniformes, por sua vez mais produtivo.

Sabendo que, de forma geral, o utilizador come o que lhes dão, não há mercado para gnu/linux porque as produtoras de jogos não criam esse mercado. Não será?

Share this post


Link to post
Share on other sites
fil79

Sabendo que, de forma geral, o utilizador come o que lhes dão, não há mercado para gnu/linux porque as produtoras de jogos não criam esse mercado. Não será?

E será que não criam esse mercado pelas razões apontadas pelo M6? Para mim, do ponto de vista empresarial são mais que lógicas!


MCITP-MCTS-MCP

Share this post


Link to post
Share on other sites
taviroquai

Não. Isto é um pouco a história do ovo e da galinha... uma coisa leva a outra, mas a iniciativa para haver jogos para gnu/linux deve partir das produtoras, mesmo que seja um tiro no escuro! Mas tudo começa na produtora, porque? porque o consumidor, de uma forma geral, come o que lhes dão.

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco
E será que não criam esse mercado pelas razões apontadas pelo M6? Para mim, do ponto de vista empresarial são mais que lógicas!

Fossem elas inteiramente verdade...

Share this post


Link to post
Share on other sites
fil79

Não. Isto é um pouco a história do ovo e da galinha... uma coisa leva a outra, mas a iniciativa para haver jogos para gnu/linux deve partir das produtoras, mesmo que seja um tiro no escuro! Mas tudo começa na produtora, porque? porque o consumidor, de uma forma geral, come o que lhes dão.

Quero acreditar que as produtoras já devam ter feito estudos para saber se valeria a pena apostar nesse nicho de mercado!


MCITP-MCTS-MCP

Share this post


Link to post
Share on other sites
apocsantos

    Boa tarde,

    Eu tenho consola de jogos, como muitos devem ter. Comprei-a para correr jogos. Não estou minimamente preocupado com o SO que vem embutido. Por acaso traz um browser e bem "a quem das expectativas", mas não vi até agora a comunidade open-source preocupar-se em portar o Mozilla Firefox por exemplo para o SO dessa consola, sabendo que ela tem capacidade para ser ligado um teclado USB, e que alguns dos jogadores gostariam de poder ler o mail na consola, ou aceder às redes sociais.

    Aqui tem sido discutido o porquê da industria dos jogos não produzir jogos para GNU/Linux, eu começo a pensar porque não se discute também porque não se produzem jogos para Mac OS X, por exemplo?

    Não estou muito por dentro de API's de jogos, porque o ultimo titulo que joguei em PC foi o Quake I, que por sinal já corre em GNU/Linux, mas por exemplo não corre na consola que me custou uma quantia pouco modesta.

    Eu creio que os motivos apresentados pelo @M6 estão correctos. A industria de jogos produz para aquilo que tem maior fatia de mercado (Consolas de PC's). Ainda assim existem títulos específicos para determinadas consolas, que não estão disponíveis para mais nenhum suporte. O que me leva a pensar que por vezes os fabricantes das consolas podem realizar acordos comerciais com produtoras de jogos, para satisfazer determinadas necessidades de mercado.

    Sinceramente sempre vi o GNU/Linux como um sistema operativo de trabalho, tal como vi o Windows NT, o OS/2 e o Mac OS. Cheguei ao ponto de ficar ligeiramente incomodado de inicio ao saber que o Windows XP iria suportar melhor jogos que o Windows 2000. Porque para mim e na minha óptica não existe grande justificação para desperdiçar poder de processamento de um PC com jogos, quando os mesmos podem ser executados em dispositivos específicos e dedicados a essas tarefas.

    Talvez daqui a mais uns anos com o advento da Cloud os títulos passem a estar disponíveis para todas as plataformas em simultâneo e este debate passe apenas a ser uma "memória de tempos idos".

Cordiais cumprimentos,

Apocsantos


"A paciência é uma das coisas que se aprendeu na era do 48k" O respeito é como a escrita de código, uma vez perdido, dificilmente se retoma o habito"

Share this post


Link to post
Share on other sites
taviroquai

    Aqui tem sido discutido o porquê da industria dos jogos não produzir jogos para GNU/Linux, eu começo a pensar porque não se discute também porque não se produzem jogos para Mac OS X, por exemplo?

Boa pergunta... é possível dar uma resposta sem ser, de caras, "são pequenas fatias dos grupos de consumidores"?

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco
    Eu creio que os motivos apresentados pelo @M6 estão correctos. A industria de jogos produz para aquilo que tem maior fatia de mercado (Consolas de PC's). Ainda assim existem títulos específicos para determinadas consolas, que não estão disponíveis para mais nenhum suporte. O que me leva a pensar que por vezes os fabricantes das consolas podem realizar acordos comerciais com produtoras de jogos, para satisfazer determinadas necessidades de mercado.

Número de vendas e o valor de um mercado, nem sempre andam de mãos dadas. É por isso que por exemplo existem mercados de produtos de luxo e é por isso que há as edições limitadas, etc... Poucos os compram, mas quem compra paga muito/mais, logo são mercados interessantes.

Mesmo as consolas que vendem menos, vendem muitas unidades. E isso é muito para muitas empresas.

O que o M6 disse tem alguma verdade. Mas não é toda a verdade... Assim como há aspectos negativos também há positivos. Ele foca-se só nos negativos e exagera-os um pouco. Nem tudo corre mal a todos e assim como há problemas, há soluções.

O windows xp ainda é dos sistemas operativos mais utilizados e ainda assim o número de novos jogos disponíveis para este está a diminuir... Por isso como podem ver há mais factores legitimos/ilegitimos que influenciam tudo isto (neste caso trata-se de ser um sistema a ser descontinuado), a quota de mercado não é o único factor, nem a o suporte de hardware (ou vão dizer que o xp tem um mau suporte para hardware que existe?). São dois factores importantes, mas estão longe de ser os únicos.

Sinceramente sempre vi o GNU/Linux como um sistema operativo de trabalho,

É um sistema operativo para tudo. Ao contrário das ultimas versões do OS/2 e da linha empresarial da m$, não foi desenhado especificamente para isso.

eu começo a pensar porque não se discute também porque não se produzem jogos para Mac OS X, por exemplo?

Provavelmente algumas das razões são coincidentes.

Boa pergunta... é possível dar uma resposta sem ser, de caras, "são pequenas fatias dos grupos de consumidores"?

Estás a falar de milhões de pessoas... Pode ser pouco em percentagem, mas não é em números absolutos, ainda por cima quando o artigo que coloquei no início da thread demonstra que são consumidores dispostos a pagar mais.

Share this post


Link to post
Share on other sites
bubulindo

Pois, mas isso não é uma questão de informática... É uma questão de política interna da empresa e uma questão de acordos entre a empresa e os seus fornecedores.

Não percebeste onde queria chegar...

Se colocares dois computadores iguais e um deles está a correr windows e o outro está a correr linux à venda, as pessoas vão inquirir sobre o que é aquele "programa" naquele computador. E porque é que não tem windows? E qual é a diferença? E tem word? E tem flash? E dá para sacar os filmes da net? E dá para ligar o iPhone? E android?

Agora imagina que és um dos muitos vendedores de computadores em lojas como rádio popular, fnac e afins que percebe de Windows e que aquela gráfica dá uns gráficos excelentes para correr o World of Warcraft (eu não sou dado a jogos) com muita pinta. Não vai ser nada agradável estares a ser questionado sobre porque é que aquele computador tem aquele sistema operativo. Então a solução mais simples é desligar a tomada e pronto. Não há cá mais perguntas e ninguém se vai queixar do atendimento?

É um problema das lojas? Sim. Se é por causa dos acordos com Microsoft e vendedores de computadores, não me parece. Lembra-te que as lojas que vendem computadores estão lá para despachar um produto e não me parece que a microsoft tenha poder a esse nível uma vez que se essas lojas não existissem, parte dos produtos deles não eram escoados.


include <ai se te avio>

Mãe () {

}

Share this post


Link to post
Share on other sites
falco

Ok colocas a hipótese de o estar desligado ser por escolha dos empregados. Mas garanto-te que não é. As empresas sofrem pressões dos OEM e da Microsoft para não terem computadores sem windows nos expositores.

Quando há uns anos fui comprar um computador, pedi sempre para experimentar o computador com um live-cd de knoppix. Algumas (poucas) lojas recusaram. Em várias as que aceitaram e que tinham movimento disseram que eu teria que ir para um local onde não fosse visto fazer a experiência, porque os acordos que tinham com os seus fornecedores não lhes permitiam que aqueles computadores fossem vistos a correr outro sistema operativo que não o windows. Não me disseram logo isto, mas após conversa alguns descaíram-se e disseram isso. E isto não é algo que tenha acontecido apenas comigo sei de pessoas a quem aconteceu isso. E também já ouvi acidentalmente conversas de funcionários a dizer isto.

É um problema das lojas? Sim. Se é por causa dos acordos com Microsoft e vendedores de computadores, não me parece. Lembra-te que as lojas que vendem computadores estão lá para despachar um produto e não me parece que a microsoft tenha poder a esse nível uma vez que se essas lojas não existissem, parte dos produtos deles não eram escoados.

Então parece-te mal. Diz-me lá qual é a loja ou o OEM que se pode dar ao luxo de não poder vender windows. Se for uma loja de informática é a mesma coisa que pedir falência.

Estou a achar curioso o critério, ou a falta dele na aprovação dos meus posts...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.