Ir para o conteúdo
Ridelight

ISP britânico desliga Internet a piratas sem aviso

Mensagens Recomendadas

Ridelight    8
Ridelight

A medida já foi implementada noutros países mas o Karoo é o primeiro ISP britânico que decidiu desligar o acesso Internet a quem fizer downloads ilegais.

O corte pode vir sem qualquer aviso depois do Karoo receber a informação das editoras ou da polícia sobre o recurso a serviços de partilha de ficheiros e de confirmar a violação dos direitos de autor, escreve a BBC.

O utilizador recebe depois uma carta onde é intimado a admitir a culpa e a prometer não voltar a copiar ficheiros ilegalmente, adiantou um porta-voz da empresa.

Neste caso o Karoo volta a ligar a Internet gratuitamente, mas em futuras infracções é necessário pagar uma taxa de 30 libras (cerca de 35 euros) para recuperar a ligação.

Os ISPs britânicos têm-se recusado a adoptar esta política e só recentemente começaram a enviar cartas de aviso a utilizadores intensivos de redes P2P.

http://www.karoo.co.uk/

O utilizador recebe depois uma carta onde é intimado a admitir a culpa e a prometer não voltar a copiar ficheiros ilegalmente, adiantou um porta-voz da empresa.
  :wallbash:  :wallbash:  :wallbash:

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
M6    80
M6

Acho que isso vai dar muita guerra na Inglaterra e estou cá para ver...

As editoras e a polícia têm de provar que um utilizador estava a infringir a lei, o que vai ser "cómico".

Gostava de saber como é que as editoras têm poder suficiente para ordenarem a um ISP para cortar o acesso a um seu cliente...

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
SuperMan_el    0
SuperMan_el

Gostava de saber como é que as editoras têm poder suficiente para ordenarem a um ISP para cortar o acesso a um seu cliente...ja somos dois. em vez de andarem atras dos users deviam era andar atras dos sites... se bem que vai haver sempre manieras de piratear

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
fnds    2
fnds

Pior,

Os ISPs britânicos têm-se recusado a adoptar esta política e só recentemente começaram a enviar cartas de aviso a utilizadores intensivos de redes P2P.

esta relação pode ser feita de forma legal?? (pirataria <-> P2P)

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
falco    33
falco

A respeito da questão do poder:

Existem directivas comunitárias que têm aquilo a que se chama "take down clause", ou seja, basicamente tornam os ISP, cúmplices de violações da lei cometidos pelos seus clientes se não colaborarem de forma diligente para resolver a situação, ou seja, se não desligarem o cliente e fornecerem dados para acusa-lo criminalmente.

Normalmente ps países membros têm liberdade suficiente para durante a transposição dar a a volta a "take down clauses", por exemplo em Portugal penso que nunca nenhuma foi transposta para o nosso regime legal.

Se no UK, houver uma take down clausses, e se o contracto prever o corte de serviço se houver violação da lei utilizando o serviço (por exemplo cá todos prevêm), então têm o poder e a obrigação, sob a pena de eles próprios serem acusados de crime e de terem que acabar por defender o cliente, para se defenderem assim, sendo que o cliente até pode ser culpado.

Agora que respondi à questão do poder, passemos à questão da legimitadade moral, ética no ambito de um estado livre, de direito e democrático.

Em primeiro lugar é da minha opinião que clausulas legais como a que falei anteriormente, não podem existir em estados com as características que mencionei anteriormente.

Em segundo lugar, mesmo que não hajam essas clausulas, trata-se de algo que me parece um abuso por várias razões:

* é uma violação da democracia, em democracia só os órgãos de soberania podem dizer que pode agir policial e judicialmente, se outras entidades o fazem a democracia foi enfraquecida;

* só um tribunal pode ditar a culpa em caso de crime, menos que isso é um abuso em relação aos tribunais e aos cidadãos que assim perdem o direito a um julgamento justo, e vêm as suas liberdades e garantias ameaçadas;

* é uma inversão desnecessária do princípio da presunção de inocência;

* a tentativa de coerção ao cliente para que ele admita ter cometido um crime é também na minha opinião imoral;

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!

Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.

Entrar Agora


×

Aviso Sobre Cookies

Ao usar este site você aceita os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade