Ir para o conteúdo
  • Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #60 da revista programar. Faz já o download aqui!

anolsi

Internet sem IP em 2010

Mensagens Recomendadas

anolsi
Vincent Cerf, o “pai” da Internet, avisa que o mundo irá ficar sem endereços de IP já em 2010, e que é preciso actuar agora para evitar o problema. 

Segundo o site britânico Daily Telegraph, Vincent Cerf diz que iremos ficar sem endereços de IP já em 2010. Com a falta de códigos que identificam cada máquina que se liga ao ciberespaço, muitos utilizadores não conseguirão ligar-se à Net dentro de dois anos.

«É como se ficássemos sem números de telefone. E sem novos números, não poderá haver novos utilizadores», diz Cerf.

Quando a Internet foi fundada em 1977, havia 4,2 mil milhões de endereços disponíveis. Cada um dos endereços IPv4 tem séries de 32 números binários, mas com a rápida expansão da banda larga em todo o mundo estima-se que estes endereços se esgotem em 2010.

A solução passa por actualizar as infra-estruturas para o IPv6, um sistema pronto há uma década e que já está a ser usado no Japão.

As moradas IPv6 têm 128 bits, pelo que providenciam 340 triliões de triliões de endereços.

Não sabia que o Japão já utilizava o IPv6. E alguém sabe como anda o caso para o resto do mundo?


"Nós somos o que fazemos repetidamente, a excelência não é um feito, e sim, um hábito."
Não respondo a questões por PM que possam ser colocadas no fórum!

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
skin

Acho que desde 2005 que no japão já está disponível o IPv6.. A China também está a pensar fazer essa migração ou já começou.. E acho que há algumas empresas em alguns países como os EUA, o Brasil, a França, etc. já a distribuir em IPv6


Our lives begin to end the day we become silent about things that matter - Martin Luther King

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
pedrotuga

Isto já se fala há muito tempo. Pelo menos desde 2003 (altura em que fiz uma apresentação sobre isto) que o japão já usa ipv6 extensivamente. Devido à sua população e à procura de serviços de internet, deixaram-se de remendos e resolveram o problema a serio.

Atenção que isto não é uma questão de um país decidir e fazer um migração em bloco. A transição supostamente deve ser suave. A falta de ips não vai chegar em 2010, já chegou. É por esse motivo que os ISPs não oferecem ips fixos, eles simplesmente não têm um ip por cliente. Cabe a muitas entidades implementar redes compativeis com IPv6 e assegurar compatibilidades com ipv4.

Por exemplo, quem tem uma rede em casa pode usar ipv6 para a sua rede se quiser, não estou a ver grande vantagem neste momento pois ainda nao há muitas tecnologias que tirem partido disso.

O que se faz hoje em dia para mitigar a falta de ips é o chamado NAT (network adress translation) que é basicamente a situação de uma lan que partilha o mesmo ip para acesso à internet.

A título de curiosidade, quando o IPv6 tiver tomado posse da internet, vai ser possível enviar por exemplo um programa de TV ou para rádio para milhares nde pessoas com um único computador sem grandes especifiações. Telemóveis, impressoras e outros dispositivos virão tambem com um ip associado por exemplo ao seu IMEI.

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites
djthyrax

Oldddddddddddddddddd news, mesmo. Salvo erro, a questão do NAT para ultrapassar a escassez de IPs foi abordada num artigo do Ciro na revista.


Não peças ajuda por PM! A tua dúvida vai ter menos atenção do que se for postada na secção correcta do fórum!

Partilhar esta mensagem


Ligação para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!

Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.

Entrar Agora

×

Aviso Sobre Cookies

Ao usar este site você aceita os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Este site usa cookies para disponibilizar funcionalidades personalizadas. Para mais informações visite esta página.