Jump to content
Sign in to follow this  
Anonym

Poesia Matemática

Recommended Posts

Anonym

Poesia Matemática

Ás folhas tantas

Do livro matemático

Um Quociente apaixonou-se

Um dia

Doidamente

Por uma Incógnita

Olhou-se com um olhar inumerável

E viu, do ápice à base

Uma figura impar

Olhos onbóides, boca trapezóide

Corpo octogonal, seios esferóides

Fez da sua

Uma Vida

Paralela a dela

Até que se encontraram

No infinito

"Quem és tu?", indagou ele

Com ânsia radical

"Sou a soma dos quadrados dos catetos.

Mas pode me chamar de Hipotenusa"

E de falarem descobriram quem eram

_ O que, em aritmética, corresponde

A almas irmãs _

Primos entre si.

E assim se amaram

Ao quadrado da velocidade da luz

Numa seta potenciação

Traçando

Ao sabor do momento

E da paixão

Rectas, curvas, círculos e linhas senoidais.

Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidianas

E os exegetas do Universo Finito.

Romperam as convenção newtonianas e pitagóricas.

E, em fim, resolveram se casar

Constituir um lar.

Mais que um lar.

Uma perpendicular

Convidaram para padrinhos

O Poliedro e a Bissectriz.

E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro

Sonhando com a felicidade

Integral

E diferencial

E se casaram e tiveram uma secante e três cones

Muito engraçadinhos.

E foram felizes

Até aquele dia

Em que tudo, afinal,

Vira monotonia.

Foi então que surgiu

O Máximo Divisor Comum

Frequentador dos círculos concêntricos.

Viciosos.

Ofereceu-lhe, a ela,

Uma grandeza absoluta,

E reduziu-a a um Denominador Comum,

Ele, Quociente, percebeu

Que com ela não formava um todo

Uma Unidade. Era um triângulo

Tanto chamado amorosa

Dessa problema ela era a fracção

Mais ordinária

Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade

E tudo que era espúrio passou a ser

Moralidade

Como, aliás, em qualquer

Sociedade

Milôr Fernandes

encontrei na net, e achei que o ppl ia gostar  :cheesygrin:

Share this post


Link to post
Share on other sites
saramgsilva

Poesia Matemática

Ás folhas tantas

Do livro matemático

Um Quociente apaixonou-se

Um dia

Doidamente

Por uma Incógnita

Olhou-se com um olhar inumerável

E viu, do ápice à base

Uma figura impar

Olhos onbóides, boca trapezóide

Corpo octogonal, seios esferóides

Fez da sua

Uma Vida

Paralela a dela

Até que se encontraram

No infinito

"Quem és tu?", indagou ele

Com ânsia radical

"Sou a soma dos quadrados dos catetos.

Mas pode me chamar de Hipotenusa"

E de falarem descobriram quem eram

_ O que, em aritmética, corresponde

A almas irmãs _

Primos entre si.

E assim se amaram

Ao quadrado da velocidade da luz

Numa seta potenciação

Traçando

Ao sabor do momento

E da paixão

Rectas, curvas, círculos e linhas senoidais.

Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidianas

E os exegetas do Universo Finito.

Romperam as convenção newtonianas e pitagóricas.

(...)

Milôr Fernandes

eheh amanha este poema vai aparecer no bolo.....com 1 pi ao lado...que o perdido e sozinho teve a vondade de tratar a imagem de vermelho para azul...

heheh obrigada perdido e ao pebat que tb se ofereceu  :P

depois mostro!!  :P :cheesygrin:

amanha é benção das pastas ca em cbr.... deve dar a cerimonia as 11h na tvi, costuma dar....  :cheesygrin:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.