Jump to content
deathseeker25

GNU=comunismo? Nem pensar....

Recommended Posts

deathseeker25

Encontrei um artigo que me deixou a pensar na parte ideológica do movimento GNU e inclusivé nas verdadeiras intenções da licença GPL. Acontece que não sou nenhum supra-entendido na matéria, nem sequer um seguidor incondicional do mundo GNU/Linux e muito menos um conhecedor de todas as limitações da licencça GPL. Mas dizer que todo este movimento é fundamentado por ideias comunistas é, na minha opinião, um erro muito grande.

O autor começa por fazer um bom encadeamento de ideias e refere aspectos como a ‘Hacking Culture’ seguida do crescimento da Internet, que teve como consequencia uma divulgação e vulgarização da cultura Hacker. Isto porque a cultura hacker com o aparecimento e divulgação da Internet, passou a ser algo mais global e menos restrito como anteriormente o tinha sido, onde a sua divulgação passava quase exclusivamente pelos meios universitários. O aparecimento da Internet fez com que os hackers pudessem partilhar mais facilmente os seus códigos, alterá-los e redistribuí-los, criando assim aplicações que começavam a fazer frente ao mercado das aplicações criadas pelas empresas.

Inicialmente, o movimento open-source tinha como objectivos a distribuição do código das aplicações criadas pelos programadores, aquisição de conhecimentos técnicos com objectivos económicos. Portanto, os programas open-source eram vendidos a particulares e a empresas. Foi aí que se quis dar a este movimento uma vertente ética e ideológica e nasceu um novo movimento designado por Free Software movement ou GNU movement .

E é a partir daqui, segundo a minha opinião, que o autor começa a disparatar. Começa por dizer que acusar qualquer entidade ou organização de monopólio de mercado e gritar pela liberdade é o primeiro sintoma do comunismo. Diz ainda que esta situação é injusta porque quando os compradores têm de optar por um ideal, optam pelo que tiver melhor fundamento ético e moral, sendo que empresas como a Microsoft sofrem com essas opções, visto que se preocupam em vender o seu produto em vez de adoptarem um ideal. Segundo o autor, isso leva a que as empresas tenham de fazer transformações muito grandes para conseguirem combater os ‘ideais comunistas’ das não-empresas da concorrência.

Até aqui não consigo perceber onde é que o autor fundamenta a sua opinião. Apenas trata de fazer acusações sem fundamento técnico.

Agora pergunto eu: e se estivessemos submetidos ao tal ‘monopólio’ que o autor tanto se farta de referir como ‘o seu ponto de vista’ ? Provavelmente teríamos um sistema operativo mais retrógado, menor vontade de evoluír por parte da Microsoft ou da Apple e um sentido ideológico quase nulo, ou mal fundamentado.

Não é o Linux uma opção de escolha válida? Que seria de nós se não tivessemos mais opção de escolha? Com estas duas perguntas ( e certamente com mais algumas) toda a tese do autor cai pelo esgoto, já que NÓS temos o direito de escolher e esse direito só nos é inerente com o movimento GNU e com as ideologias GNU. Existe agora a possibilidade de escolhermos o que realmente queremos, o que realmente necessitamos de adoptar como ideologia para nos sentirmos melhor.

A grande diferença entre as ideias comunistas e os ideais GNU, é que as ideias comunistas funcionam com a imposição através da força, enquanto que os ideais GNU do software livre e do direito ao código do software, da sua modificação e redistribuição são uma opção. Podemos muito bem pensar ‘Não é isto que quero fazer’ ou ‘Não vejo necessidade de adoptar por isto’ que todos continuaremos bem e felizes. Alem disso, o open source basea-se num trabalho voluntário. Se o utilizador chama comunismo ao movimento open-source, então certamente acha que as obras de caridade e o trabalho que é exercido voluntariamente é uma forma de comunismo, de oposição ao monopólio e ás instituições que têm como fim o benefício económico.

Eu julgo que qualquer autor tem de se informar o suficiente para saber os prós e os contras da questão a analisar antes de escrever a sua tese, ou o seu artigo. E este, apesar de se notar que foi um artigo que exigiu estudo e trabalho, não foi pensado em todas as suas vertentes e possibilidades.

Quanto á licença GPL, a situação é parecida. Na minha procura para refutar a ideia do autor do blog, encontrei um texto que explica muito bem como a licença nada tem de comunista:

On the money/capital level, this is simply not applicable. I suppose, in some nations, there are communists who use the GPL, but using the GPL does not automatically make you a communist. The GPL is geared to share knowledge and information, not capital. If I share code I have written, I still have to figure out a way to get paid. Maybe I will provide services, such as technical support and documentation. Maybe I will run a training program. Or maybe I will work in an unrelated field and share my code for the sharing’s sake. I am still a capitalist on the level of money. Using the GPL just means I am not going to rely solely on intellectual property to rake in the bucks.

Personally, I think using the GPL makes you a better capitalist than those who don’t. If you choose to use the GPL, then you have to get creative. Falling back on IP is lazy and potentially dangerous. Say I invent Program A.0 and sell it with a proprietary license. I make some money at it, enough to write some new features into A.1 and live comfortably. But then someone comes along and sells Program B.0 and it is a much better app than any of my A’s. I now have to adapt quickly or die. And if I die, all of my A users are left out in the cold.

Acho que com este texto tudo fica explicado.

Concluíndo, utilizar a palavra comunismo é uma forma de assustar os utilizadores, já que certos produtos closed-sources estão a encontrar problemas em ultrapassar os seus rivais open-source. Sejamos realistas: se o Linux realmente não prestasse, alguem estaria preocupado em denunciar e em tentar provar a invalidade da sua licença?

Bem me parece que não. Bem me parece que se as aplicações open-source não fizessem tanta sombra ás aplicações closed-source ninguem se preocuparia em denunciar as suas licenças. Venha o próximo…

Fonte: deathseeker's blog

Tudo isto na sequencia de um texto que me deixou um pouco incomodado: http://antignu.blogspot.com/. Os textos são longos, mas vale a pena ler para ficar com uma ideia definida sobre a verdadeira intenção e realidade dos ideias open-source...

Share this post


Link to post
Share on other sites
vbmaster

Eu sempre achei piada à maneira como os comunistas aproveitavam para a sua causa, coisas que não têm nada a ver.

[ironic mode]

Se algum SO fosse "comunista" ou com ideologia comunista, nós por e simplesmente não teríamos liberdade nenhuma. Então se fosse marxismo stallinista, teríamos apenas um word 3.1 onde só poderíamos dizer algo do tipo "Stallin rullez" ou o texto seria automáticamente mofificado.

O browser apenas acederia ao site do partido comunista. e seria preciso autorização para faezr um desenho no paint.

[/off]

Fiquem ;););)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Overrun™

linux comunista existe: é o komunix.

parece que o pcp modificou o knoppix para a festa do avante e criou uma "nova" distro... lol, é de rir...

Felizmente o PCP é baseado na ideologia leniniste em vez de stalinista, o que torna as coisas liberais em vez de quase uma ditadura como era com o staline.

Pessoalmente não gosto de politica e curtia formar um partido com ideias diferentes, uma especie de partido anarquista com um certo numero de conceitos que teriam de ser cumpridos e não alterados, nem reentendidos (interpretados à ideia de cada um).

Uma espécie de amsterdão português  :thumbsup:

Acho que é mais essa a teoria da licença GNU, assemelho-a a amsterdão  😳 ;)

Cumps. Overrun

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.