Jump to content

Revista PROGRAMAR

  • entries
    199
  • comments
    0
  • views
    147,498

Contributors to this blog

  • staff 152
  • jpaulino 16
  • anolsi 16
  • apocsantos 6
  • Rui Carlos 4
  • Hipnoted 2
  • HecKel 1
  • pedrotuga 1
  • _JR_ 1

Interface Humano – Computador, Nanotecnologia e a dependência tecnológica


staff

1,092 views

 Share

Introdução

O presente release tem por finalidade abordar como a criação de interfaces avançadas propiciam novos avanços em diferentes áreas do conhecimento. Neste contexto, o foco discutido permeia questões sobre a criação e o desenvolvimento da nanotecnologia que pode estar direta ou indiretamente alterando a interação do homem com o computador.

Um ponto evidente é que o imaginário proposto nas produções cinematográficas, principalmente no que tange a ficção científica apresenta grandes possibilidades de aplicação no uso de Interfaces Humano-Computador (doravante IHC), tanto no aspecto positivo e benevolente como pode ser percebido na produção “Viagem Fantástica” (Fantastic Voyage) de 1966, como no aspecto sombrio e devastador na produção “Exterminador do Futuro” (The Terminator) de 1984. Cabe como ilustração um breve comentário sobre o filme “Minority Report” de 2002 que apresenta um estilo de interface, introduzida tempo depois no console de videogame XBOX da empresa Microsoft com o periférico Kinect o qual proporciona uma mecânica de jogabilidade semelhante à mostrada no filme.

Ler mais…


 Share

0 Comments


Recommended Comments

There are no comments to display.

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
×
×
  • Create New...

Important Information

By using this site you accept our Terms of Use and Privacy Policy. We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.