Rankings


Conteúdo Popular

A mostrar o conteúdo com mais reputação desde 27-05-2017 em todas as áreas

  1. 5 pontos
    Em relação ao Número de Série penso que não é bem como foi aqui referido anteriormente: o grupo 4.1.4.19.12. Número de série do produto (ProductSerialNumber) não é obrigatório (não tem o asterisco). Agora, existindo este grupo, então é obrigatório que exista o 4.1.4.19.12.1. * Número de série (SerialNumber), o que é compreensível. Por aqui não vem nenhum mal ao mundo: não havendo números de série não colocamos o 4.1.4.19.12. Havendo números de série, temos o 4.1.4.19.12 e, dentro deste, colocamos tantos 4.1.4.19.12.1. quantos forem necessários.
  2. 4 pontos
    viva, estive a comparar a nova informação com a estrutura anterior do 274/2013 e encontrei mais estas diferenças: Nome da rua (StreetName) : Texto 90 => Texto 200 Morada detalhada (AddressDetail) : Texto 100 => Texto 210 2.4. - Tabela de produtos/serviços (Product) 2.4.1. Indicador de produto ou serviço (ProductType) : + "E" 2.4.5. * Código do produto (ProductNumberCode) : Texto 50 => Texto 60 2.4.6. Caraterização aduaneira (CustomsDetails) : NOVO 2.4.6.1. Código de Nomenclatura Combinada (CNCode) : NOVO 2.4.6.2. Número ONU (UNNumber) : NOVO 4. - Documentos comerciais (SourceDocuments) 4.1 Documentos comerciais a clientes (SalesInvoices). 4.1.4.2. * Código Único do Documento (ATCUD) : NOVO 4.1.4.19.7. * Preço unitário (UnitPrice) : + Deve ser preenchido com "0.00" caso exista obrigatoriedade de preencher o campo 4.1.4.19.8. 4.1.4.19.8. ** Valor tributável unitário (TaxBase) : NOVO 4.1.4.19.12. Número de série do produto (ProductSerialNumber) : NOVO 4.1.4.19.12.1. * Número de série (SerialNumber) : NOVO 4.1.4.19.17. ** Código do motivo de isenção de imposto (TaxExemptionCode) : NOVO 4.1.4.19.19. Informação aduaneira (CustomsInformation) : NOVO 4.1.4.19.19.1. Código de referência administrativo (ARCNo) : NOVO 4.1.4.19.19.2. Montante do imposto especial de consumo da linha (IECAmount) : NOVO 4.1.4.20.6.1. Meios de pagamento (PaymentMechanism) : +CI 4.2 Documentos de movimentação de mercadorias (MovementOfGoods). 4.2.3.2. * Código Único do Documento (ATCUD) : NOVO 4.2.3.21.9. Número de série do produto (ProductSerialNumber) : NOVO 4.2.3.21.9.1. * Número de série (SerialNumber) : NOVO 4.2.3.21.14. ** Código do motivo de isenção de imposto (TaxExemptionCode) : NOVO 4.2.3.21.16. Informação aduaneira (CustomsInformation)N/A : NOVO 4.2.3.21.16.1. Código de referência administrativo (ARCNo) : NOVO 4.2.3.21.16.2. Montante do imposto especial de consumo da linha (IECAmount) : NOVO 4.3 Documentos de conferência de mercadorias ou de prestação de serviços (WorkingDocuments). 4.3.4.2. * Código Único do Documento (ATCUD) : NOVO 4.3.4.8. * Tipo de documento (WorkType) : +CM, +CC, +FO, +NE, +OR, +OR, +PF, +RP, +RE, +CS, +LD, +RA 4.3.4.12. ** Identificador da transação (TransactionID) : NOVO 4.3.4.14.7. * Preço unitário (UnitPrice) : + Deve igualmente ser preenchido com "0.00" caso exista obrigatoriedade de preencher o campo 4.3.4.14.8. 4.3.4.14.8. ** Valor tributável unitário (TaxBase) : NOVO 4.3.4.14.10. Referências a documentos (References) : NOVO 4.3.4.14.10.1. Referência (Reference) : NOVO 4.3.4.14.10.2 Motivo (Reason) :NOVO 4.3.4.14.12. Número de série do produto(ProductSerialNumber) : NOVO 4.3.4.14.12.1. * Número de série (SerialNumber) : NOVO 4.3.4.14.17. ** Código do motivo de isenção de imposto (TaxExemptionCode) : NOVO 4.3.4.14.19. Informação aduaneira (CustomsInformation) : NOVO 4.3.4.14.19.1. Código de referência administrativo (ARCNo) : NOVO 4.3.4.14.19.2 Montante do imposto especial de consumo da linha (IECAmount) : NOVO 4.4 Documentos de recibos emitidos (Payments). 4.4.4.2. * Código Único do Documento (ATCUD) : NOVO 4.4.4.10.1. Meios de pagamento (PaymentMechanism) : +CI 4.4.4.14.7. ** Motivo da isenção de imposto (TaxExemptionReason) : ~Nível 4.4.4.14.8. ** Código do motivo de isenção de imposto (TaxExemptionCode) : NOVO cps, A.S.
  3. 3 pontos
    Existe um formato standard para fazer isso e não é o SAF-T. Pesquisa no Google por EDI - Eletronic Data Interchange
  4. 2 pontos
    o problema já foi apontado pelo @M6, mas se pretendes ter o código mais "limpo", aqui tens uma solução /* */ #include <stdio.h> #define PAYRATE 10.0 #define NORMALTIME 40.0 #define OVERTIME 1.5 #define RATE1 0.15 #define RATE2 0.20 #define RATE3 0.25 #define BREAK1 300.0 #define BREAK2 150.0 #define min(a, b) ((a) < (b) ? (a) : (b)) #define max(a, b) ((a) > (b) ? (a) : (b)) int main(void) { // declaration with instantiation double hours = 0.0, gross_pay = 0.0, taxes = 0.0; // cleaner and safer way to ask for a value do { printf("Please insert the number of hours worked this week: "); fflush(stdout); fflush(stdin); } while (scanf(" %lf", & hours) == 0 || hours < 0.0); // calculate gross pay gross_pay = (max(hours, NORMALTIME) + max(0.0, hours - NORMALTIME) * OVERTIME) * PAYRATE; // calculate taxes taxes = RATE1 * min(gross_pay, BREAK1) + RATE2 * max(0, min(gross_pay - BREAK1, BREAK2)) + RATE3 * max(0, gross_pay - BREAK1 - BREAK2); // present values printf("Number of hours worked = %2.2lf\n", hours); printf("gross pay = %2.2lf\n", gross_pay); printf("taxes = %2.2lf\n", taxes); printf("net pay = %2.2lf.\n", gross_pay - taxes); return 0; }
  5. 2 pontos
    Já lá vão uns anos desde que não bato R... Vê o segundo exemplo daqui: http://www.statmethods.net/graphs/pie.html
  6. 2 pontos
    Caros contribuintes com o problema do código52, recebemos a seguinte resposta do governo: A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) agradece o seu contacto. Ainda não foi possível solucionar a indisponibilidade do serviço de testes de comunicação de guias de transporte por webservice. A indisponibilidade deveu-se a mudanças tecnológicas e de arquitectura que implicam alterações do circuito existente. Esperemos ser breves a resolver esta questão. Com os melhores cumprimentos AT- Autoridade Tributária e Aduaneira Ao interpretar essa resposta, só podemos esperar até chegarem a uma solução. Atenciosamente, Jan
  7. 2 pontos
    Olá pessoal eu estou a tentar fazer um jogo do labirinto em codigo assembly no dosbox (é um trabalho da minha faculdade) e o professor disponibilizou-nos codigos para nos ajudar mas estou a ver-me á rasca para por exemplo guardar o labirinto que fiz, fazer a interface (NOVO JOGO, FAZER UM LABIRINTO, SAIR), por o avatar no labirinto... alguem me pode ajudar qualquer ajuda é otima
  8. 2 pontos
    Não está "errado"... também pensei isso na primeira análise, mas depois alguém disse e muito bem que o formato do XSD usado é o 1.1, ou seja, existem diferenças técnicas que estão aqui a ser usadas, e são válidas. Como o meu ambiente de desenvolvimento não suporta XSD 1.1 tive de editar o XSD. Tenho aqui a versão editada (ajustei também o HEADER para condizer com a especificação 1.0) e as alterações estão COMENTADAS para qualquer necessidade de edição: https://www.dropbox.com/s/4zv2cq97aox2k7e/SAFTPT1.04_01_XSD1.0.rar?dl=1
  9. 1 ponto
    lembro me de ver alguem aqui que queria validar em Java para o caso de ainda ter interesse: necessário xerces usei as libs recomendadas num post so stackoverflow. cupv10k-runtime.jar, xercesImpl.jar, org.eclipse.wst.xml.xpath2.processor_1.1.0.jar e xml-apis.jar na pratica é o mesmo que eu tinha antes para validar o 1_03, apenas mudei a chamada à factory com o v1.1 e inclui as libs do xerces, a partir dai a factory encontra uma Schema com suporte para a v1.1 final StringBuffer errors = new StringBuffer(); try{ SchemaFactory factory = SchemaFactory.newInstance("http://www.w3.org/XML/XMLSchema/v1.1"); Schema schema = factory.newSchema(new File(xsdFileName)); Validator validator = schema.newValidator(); //ErrorHandler para ir colecionando avisos e erros nao terminais validator.setErrorHandler(new ErrorHandler() { @Override public void warning(SAXParseException e) throws SAXException { errors.append("Aviso: " + e.getLineNumber() + "," + e.getColumnNumber() + ": " + e.getMessage() + "\n"); } @Override public void error(SAXParseException e) throws SAXException { errors.append("Erro: " + e.getLineNumber() + "," + e.getColumnNumber() + ": " + e.getMessage() + "\n"); } @Override public void fatalError(SAXParseException e) throws SAXException { errors.append("Erro fatal: " + e.getLineNumber() + "," + e.getColumnNumber() + ": " + e.getMessage() + "\n"); throw e; //erro fatal termina } }); validator.validate(new StreamSource(saftFileName)); }catch(SAXException ex){ throw new Exception("Ficheiro inválido: \n" + errors.toString(), ex); } if (errors.length()>0) throw new Exception("Ficheiro inválido: \n" + errors.toString()); funciona direto com o XSD Para o e-fatura basta comentar no XSD: InvoiceProductCodeConstraint StockMovementProductCodeConstraint WorkDocumentDocumentProductCodeConstraint (sic) Cumps
  10. 1 ponto
    Esta é a 26ª edição em que vos escrevo, fez este mês cinco anos e sete meses que tenho a honra e o privilégio de editar a Revista PROGRAMAR, tantas vezes lutando conta o tempo, escrevendo até altas horas, escrevendo mais do que seria “habitual”, fazendo mais um “git push”, esticando os limites, contornando o tempo, a disponibilidade, pedindo aos autores mais um esforço, para que se faça mais uma edição! O que seriam “demasiados ficheiros abertos”? Seriam 25 demais? Seriam antes 26? Bem, não querendo fazer profecias, mas desafiando todos aqueles que participam, já foram publicadas 55 edições, esta é a 56ª! Esperemos que falamos tantas quanto o máximo número possível de ser representado em binário com 16 bits sem sinal! Seja esse o objectivo e essa a vontade, de quem escreve e de quem lê! Num momento de “maior sanidade”, menos ousado, mas ambicionado, num lapso de tempo que se espera não seja muito alargado, chegaremos à edição 64! Pode não parecer muito mas se fossem bits, muito se poderia representar! Façamos um “git push”, tenhamos a vontade, e daqui por um ano e alguns meses, estaremos a ler a 64ª edição! Até lá, boas leituras e muita escrita António Santos
  11. 1 ponto
    Nos recibos Normais (RG), apenas tens de fazer o seguinte, nao precisas de taxas de IVA. - Eliminar o bloco TAX - No NetTotal metes igual ao GrossTotal = Valor do Recibo - No TaxPayable é que metes a 0. - No GrossTotal, metes o valor total do recibo.
  12. 1 ponto
    Boas pessoal. Começo por agradecer toda a informação valiosa que aqui tenho recolhido do excelente contributo por parte dos membros deste forum. Vou só dar aqui mais uma visão sobre a temática do assinar ou não assinar os working documents. Ao longo dos anos já certifiquei 3 programas de facturação para 3 empresas distintas. Dois generalistas em uso em dezenas de clientes e 1 onde fiz parte da equipa de desenvolvimento in-house. Na aplicação especifica do cliente que decide o que quer e como quer, lógicamente que se ele me diz que o documento é interno e não o apresenta ao cliente não o vou assinar nem incluir no SAFT. A responsabilidade é do proprietário do software e se perde a licença porque decide entregar a nota de encomenda interna ao cliente e a AT descobre... Nos programas de facturação generalista até poderia criar uma "Nota de Encomenda Interna" e acreditar na palavra do cliente que "É apenas para nosso uso.", mas o que é certo é que é SUSCETÍVEL de apresentação ao cliente. Surge um imbróglio numa factura emitida e lá vai alguém com a "Encomenda Interna" em punho provar que não foram eles que se enganaram e... oops, lá está, a encomenda interna foi apresentada ao cliente e... oops o cliente até estava a ser alvo de uma fiscalização da AT que passa os olhos na encomenda "interna". Tenho de proteger o certificado. Tenho de assinar a "encomenda interna" e bloquear alterações.
  13. 1 ponto
    Falta-te fechar um ) logo no início: #define TAX2 (TAX1+(RATE2*(BREAK2-BREAK1))) E por isso é que tens os ( ) desiquilibrados. Um dica simples de otimização: podes tirar esta linha de todos os ramos do if net_pay=gross_pay-taxes; e colocar apenas uma vez imediatamente após o if, dado que se repete sempre.
  14. 1 ponto
    não é preciso, eu estou a fazer um trabalho de web também, eu posso ajudar na boa, mas agora precisa de validar os dados e fazer a pesquisa na base de dados, é muito fácil mesmo. <?php if(isset($_GET["pq"])){ // verifica se a pesquisa ta vazia $nome = $_GET["nome"]; // vamos buscar os dados que utilizador introduziu e igualamos a uma variavel $results=$mysqli->query("select * from produtos where nome like '%".$nome."%';"); // aqui vamos fazer uma pesquisa a base de dados com uma query, a variavel $mysqli e a ligação a base de dados if(mysqli_num_rows($results)){ // verifica se existe resultados while($row=$results->fetch_object()){ // se existir faz este ciclo que vai buscar tudos os dados que correspondem a pesquisa echo $row->nome; // mostra o resultado } }else{ echo "não existe resultados"; // se não existir resultados mostra esta mensagem } } ?> acho que ta correto fiz aqui
  15. 1 ponto
    Como assim as caixas?? Um sistema de busca?
  16. 1 ponto
    Boas, O pessoal que está a certificar os "novos" WorkingDocuments, está a inventar. Não há nenhuma indicação da AT para tal. Mais, a legislação da certificação é diferente da do SAFT, agora só foi alterada a do SAFT. Mais ainda, várias softwarehouses pediram pareceres sobre o assunto à AT, mas até agora não há notícias. Por fim, a Sage, sempre bem informada, já disse que com a legislação corrente não certifica, a não ser que venha por aí alguma coisa do tipo interpretação vinculativa. Sobre as diferentes versões desses documentos, e que tal bloquear a edição depois de exportados para o SAFT. Fica mais um contributo.
  17. 1 ponto
    O problema é que isso é apenas um email da AT - não está em decreto nenhum nem nenhuma informação nesse sentido (ou noutro) no site do e-fatura. Pode ser apenas a opinião do fulano que respondeu ao email. Já tivemos casos em que tens 3 ou 4 respostas todas contraditórias da AT. Até estar escrito num sitio oficial / decreto de lei - não tem valor.
  18. 1 ponto
    ah ok... eu que havia percebido mal... mas é isto... os dados produzidos... então são o que enviar em Agosto... certo
  19. 1 ponto
    Pois a minha dúvida é se eles não consideram que a fase de transição foi de dia 1 de Janeiro de 2017 até agora... Pois na portaria diz :
  20. 1 ponto
    Isto é tudo verdade, se cada orçamento fosse uma venda... Numa consulta de mesa, faz sentido porque é algo que esta a ser consumido e dificilmente haveria uma razao para nao facturar, agora num orçamanento ?? Factura Pro-Forma ??... enfim Mas a verdade é que o AT é que manda... e pelo sim e pelo não, assino todos os documentos e este WorkingDocumets passo a enviar no SAF-T mensal e de Auditoria, assim não há mais chatices. Os documentos internos(orçamentos, etc) passam ao WORD ou email.....enfim A estas medidas chamo paneleirisses
  21. 1 ponto
    Relativamente aos WorkingDocuments, nomeadamente aos Orçamentos vou partilhar o meu conhecimento. À cerca de ano e meio, estive na AT a certificar um software, e um dos pontos em que a coisa emperrou foi mesmo nos Orçamentos (não estava a assinar). O agente/fiscal da AT esclareceu-me, sem margem para dúvida, que o Orçamento tinha de ser assinado com hash, e obviamente não pode ser mais editado. Quando argumentei "mas o orçamento têm necessidade de ser editado, pode existir necessidade de alterações de orçamentação,..." o agente rapidamente solucionou "para facilitar aos seu clientes do software desenvolva um duplicador do documento em que copia toda o orçamento já feito, o seu cliente edita o que tiver a editar e grava como um novo orçamento". Argumentei questionado se de facto o Orçamento é um documento de conferência? ao que o agente referiu "para nós qualquer documento produzido pelo software seja fatura, ordem de serviço, consulta de mesa ou mesmo orçamento, a partir do momento que seja um documento para o cliente têm de ser assinado com hash à excepção dos recibos". Fiquei com a certificação emitida de forma condicional até ter posteriormente apresentado à AT que de facto estava a assinar os Orçamentos. A mesma situação, também posteriormente após ter questionado, veio a aplicar-se aos documentos de "Encomenda de Cliente". Fica a partilha da experiência...
  22. 1 ponto
    Introdução A BIOS Ao longo dos anos, muito tem sido escrito sobre possíveis vectores de vulnerabilidade utilizando a bios. No entanto, além do antigo vírus de Chernobyl, que acabou por apagar a BIOS, pouco tem sido dito. Tal como amplamente descrito, a BIOS é um firmware de arranque designado a ser executado assim que um computador recebe corrente. A função inicial da BIOS é identificar e testar os dispositivos de sistema, como a placa gráfica, as unidades de armazenamento (disco rígido), antigamente as drives de disquetes (agora já são incomuns) e outro hardware, com o objectivo de preparar a máquina e colocá-la num estado conhecido, de forma a que os softwares armazenados nos meios de armazenamento possam ser carregados e executados, para lhes ser “entregue” o controlo do computador. Este processo é o chamado “booting”, que é a abreviatura de “bootstrapping”. Nos computadores PC compatíveis, alguns periféricos, tais como unidades de disco rígido, placas gráficas, etc… têm a sua própria extensão da ROM da BIOS, com o objectivo de fornecer funcionalidades adicionais. Os sistemas operativos e outro software designado para o efeito, criam uma interface para as aplicações utilizarem estes dispositivos. Ler mais…
  23. 1 ponto
    Crias uma tabela de relação onde ligas os utilizadores que têm permissão de fazer a partilha de informação entre si.
  24. 1 ponto
    Ola Pedro, os modulos SIM800 e SIM900 sao certamente uma boa compra e bastante economica, comparativamente a modulos conceituados no mercado. Para prototipagens rapidas e provas de conceito eu uso SIM800/900 sem quaisquer problemas de maior. Cumprimentos Sérgio Sena
  25. 1 ponto
    Equipamentos -> EquipamentosLuz -> Lampada
  26. 1 ponto
    o que a tua professora disse foi para teres só mais um nível de abstração, de forma a poderes ter classes como Lampada, Aquededor, etc ... Tu não "vai até à que queres", instancias directamente a classe que queres
  27. 1 ponto
    Tens aí duas hipoteses: Ou vais somando logo à medida que o utilizador insere a data, e nesse caso nem precisas ir ao ficheiro, ou lês o ficheiro no fim. Para isso tens de correr todos os registos gravados (com um ciclo FOR entre 0 e FileSize(fich1) - 1, usando o seek(fich1, i) para posicionar o registo, e lendo o registo com read(fich1, pessoa). A cada registo lido, vais somando o valor da idade à variável, e no fim divides.
  28. 1 ponto
    om a tua professora indicou, o objectivo não é instanciar a classe Equipamento, mas uma classe derivada que implementa o tipo pretendido.
  29. 1 ponto
    desculpa resolver isto em tão pouco código #include <stdio.h> int main (int argc, char ** argv) { char ch = 0, state = 0; unsigned int count = 0; printf("Please insert some lines of text:\n"); while ((ch = getchar()) != '#') state = state == 1 && ch == 'i' ? count++, 0 : ch == 'e'; printf("The sequence \"ei\" appears %2d times.\n", count); return 0; }
  30. 1 ponto
    Bom dia, Isso acontece porque estas a percorrer todas as linhas da Datagrid, e, enquanto percorres as linhas, vais verificando se a linha onde te encontras coincide com o nome inserido na textbox, como nao coincide ele lança a mensagem a informar isso mesmo. O que tens que fazer é garantir que só quando o Loop esta na ultima linha, e se essa mesma ultima linha também nao coincidir com o nome inserido, ele lançar a mensagem. Abraço AM
  31. 1 ponto
    Eu não estou a fazer isso...Deus me livre de não poder alterar encomendas ou orçamentos :/ Uma encomenda pode ter 10, 20, 30 ou mais de 100 alterações, como já vi nalgumas empresas. Assinando, teria que ser gerada uma nova encomenda para cada alteração, isto tornava-se o caos absoluto...
  32. 1 ponto
    Ainda estou sem perceber uma coisa: Vocês estão a assinar os documentos Nota de Encomenda, Orçamento, Obra, Fatura Proforma, etc? E exportam a assinatura para o campo HASH dos documentos no SAFT? E imprimem nos documentos a assinatura tal como nas faturas? Não vejo nada nos decretos que peça isto. Parece que quanto mais leio mais confuso fico.
  33. 1 ponto
    Já esta a funcionar Alterei um pouco e no final ficou assim var estrelas = "<span class='pl5'>"; var e = 0; for (e=0; e < estabelecimentos[i][3]; e++) { estrelas += "<i class='fa fa-star fsize12 c-logo1' aria-hidden='true'></i>"; } estrelas = estrelas + "</span>"; Obrigado!
  34. 1 ponto
    Olá. Como é a estrutura do bloco que queres passar para o ficheiro (ou a julgar pelo teu código para um 'buffer' para posteriormente ser gravado). ? Pelo teu código estarias a copiar bytes alternados (ou apenas o LSB dum valor de 16 bits), em sequências de 80 da primeira vez e 82 das subsequentes. A comparação final que deveria parar o ciclo exterior também está errada, pois (2050 - 80) / 82 dá um valor fraccionário, o que significa que o registo SI irá fazer 'wrap-around' até eventualmente atingir esse valor, escrevendo para além da área alocada para a variável 'buffer'.
  35. 1 ponto
    em vez de apresentatres uma mensagem generica de erro, deverias, ao menos, dar info do erro (que podes descubrir atraves da funcao http://php.net/manual/en/mysqli.error.php) isto porque desconfio que nao tens nenhuma funcionalidade de logging
  36. 1 ponto
    A lei exige a versão atual. Particularmente, para o contabilista, ou outra entidade não oficial, podemos usar o que queremos. A AT, que é quem exige o SAF-T, em teoria, exige a versão atual. No entanto, desconheço casos de coimas por apresentarem versões anteriores. O e-fatura ainda aceita ficheiros 1.02. Vamos a ver se em julho já aceita a 1.04 ou se ainda só recebe a 1.02 e a 1.03.
  37. 1 ponto
    A estrutura de dados a utilizar deve ser sempre a que está em vigor, independentemente do período que se está a exportar. Nunca se deve deixar ao critério do utilizador. Atualmente, desde 2013-10-01, está em vigor a versão 1.03_01. (artigo 3.º da portaria 274/2013) A partir do dia 1 de julho estará em vigor a versão 1.04_01. (artigo 5.º da portaria 302/2016)
  38. 1 ponto
    Por aqui o mesmo erro em testes. Alguém com pistas ou teorias?
  39. 1 ponto
    a maneira mais simples e: - crias um "carrinho" com as opcoes todas mas com uma flag a 0(falso) - apresentas esse carrinho na pagina pretendida - se o utilizador aceitar, entao passa a flag para 1(verdadeiro) - ter um cron que apaga "carrinhos" com a flag a zero com mais de 24 horas de existencia (timestamp)
  40. 1 ponto
    Qq coisa como: C:/xampp/htdocs/projecto0 ====> http://projecto0.localhost.com ====> http://www.projecto0.com C:/xampp/htdocs/projecto1 ====> http://projecto1.localhost.com ====> http://www.projecto1.com C:/xampp/htdocs/projectoN ====> http://projectoN.localhost.com ====> http://www.projectoN.com
  41. 1 ponto
    Muito se tem falado desde a passada sexta-feira sobre cyber-segurança, mas antes disso pouco se dizia. Isso faz lembrar o ditado português, “depois da casa roubada, trancas na porta”. Ora bem, na passada sexta-feira, um ransomware, infectou imensos sistemas, colocando os dados reféns de um resgate a ser pago aos criadores do malware. Até aqui, nada de inédito, este tipo de ataques tem sido cada vez mais co- mum! O estranho é o “pânico” gerado em volta da situação e mais estranha será a falta de uma política “pró-activa” de prevenção! Um ransomware, encripta os dados contidos nos discos rígidos e solicita um pagamento de um resgate! Bem, se existirem cópias de segurança, para quê pagar resgate? Restaura-se a cópia de segurança e recomenda-se aos “autores” do “dito cujo” que vão “plantar nabos num qualquer deserto”, porque os dados continuam disponíveis e o ataque foi apenas mais um fracasso! Situação em que se poderia dizer que “venha de lá o assalto” que as trancas estão na porta! Mas infelizmente numa grande quantidade de situações tal não aconteceu! Ler mais…
  42. 1 ponto
    A diretiva PSD2 (Payment Service Directive) do Parlamento Europeu exige que os bancos forneçam API (Application Program Interface) abertas, para o acesso a dados de contas bancárias e iniciar pagamentos até Janeiro de 2018. [Continua...] In Jornal de Negócios, 31 de Maio de 2017.
  43. 1 ponto
    Como usar o Steam OpenID em PHP https://github.com/SmItH197/SteamAuthentication MAS :
  44. 1 ponto
    Eu também tenho esse entendimento. Neste caso, num CC, no campo 4.3.4.14.10. References colocamos a referência para o FC e ficam assim os dois associados, logo o CC anulando/corrigindo o FC.
  45. 1 ponto
    Atenção que não é assim. O manual está desatualizado (ou só fala de faturas, pois é o manual de comunicação de faturas, fica a faltar o manual dos restantes documentos ). A LEI, que é o que interessa, concretamente o Decreto-lei 198/2012, com a redação dada pela Lei 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE2015) diz, no seu artigo 3.º: Assim, a tabela WorkingDocuments é de exportação obrigatória mesmo no "SAF-T" que se entrega ao eFatura. Pelo menos, e aqui não há espaço para dúvidas, quando contenha documentos do tipo "CM" e "DC". Na minha opinião, os documentos do tipo "CC" e "FC" também devem ser comunicados por se tratarem de nota de crédito e fatura emitidos nos termos do artigo 38.º do CIVA. Quanto aos restantes documentos não é claro.
  46. 1 ponto
    Boas, Está escrito no manual de comunicação das faturas Página 6: "2.2.1 Extração do Ficheiro SAF-T (PT) Em cada mês decorre a atividade comercial onde, após a transmissão do bem/prestação do serviço, o fornecedor emite a fatura respeitando as regras legais vigentes. O sujeito passivo (comerciante) extrai do seu sistema de faturação o ficheiro SAF-T (PT), para o efeito de comunicação à AT dos elementos das faturas emitidas no mês anterior. O ficheiro, em formato XML, deve conter as seguintes tabelas do SAF-T (PT) e os respetivos elementos definidos na estrutura de dados disponível no seguinte endereço: http://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/apoio_contribuinte/NEWS_SAF-T_PT.htm 1 - Cabeçalho (Header); 2.2 - Tabela de Clientes (Customer); 4.1 - Documentos Comerciais de Clientes (SalesInvoice)" http://info.portaldasfinancas.gov.pt/NR/rdonlyres/AC494AE7-7E41-41C9-991B-15C3F0126ABF/0/ComunicacaodosdadosdasfaturasaAT.pdf Abraços,
  47. 1 ponto
    ok ... estou a ver que o primeiro problema já te apercebeste, logo podemos seguir. sim, o problema inicial é na realidade a falta do ; no primeiro ciclo. agora ... existem vários outros problemas: - ao usares o formato de leitura " %c", o espaço executa o descartar de todos os caracteres considerados como espaço, logo o caracter '\n' nunca será lido. - o retorno da função scanf não é o caracter lido, mas sim o número de elementos lidos em termos do formato dado, logo nunca pode ser usado como comparador com o caracter de fim de linha - o segundo ciclo for, volta a ter problemas na condição de paragem
  48. 1 ponto
    claro, podes ser mais concreto na dúvida ? da forma como o tópico é apresentado, dá a entender que pretendes que alguem faça o código, o que acho que não deve ser isso que pretendes. por isso, peço : - como pensas resolver o problema ? - o que sabes fazer desse método que referiste ? - o que não sabes fazer desse método que referiste ?
  49. 1 ponto
    Isso define callbacks para eventos de click e change e, quando tal evento ocorre, adiciona valores de atributos.
  50. 1 ponto
    SQL Wildcard Characters O que podes fazer é substituir os espaços por % sqL = "SELECT ItemNo, itemCode, iDescription, ISize, StocksOnHand FROM Item WHERE itemCode LIKE '%" & TextBox1.Text.Replace(" ", "%") & "%' Order By iDescription" Não testado, mas deve funcionar... Depois deixa-me saber se resultou!