• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

Ridelight

Campo militar trata viciados em internet

1 mensagem neste tópico

PEQUIM - Um campo de treinamento à moda do exército está na linha de frente da batalha da China contra o vício em internet.

O Centro para Tratamento de Vício em Internet (IATC), em Daxing, usa uma mistura de terapia e exercícios militares para tratar os filhos dos novos ricos chineses viciados em jogos online, pornografia na internet, sexo virtual e chats.

"Eu gradualmente me tornei obcecado", disse Li Yanlin, universitário cujas notas despencaram depois que ele se viciou em jogar na Internet. Mas, depois de algumas semanas no acampamento em Daxing, o paciente, de 18 anos, disse ter reconhecido "a falsidade dos jogos online".

Preocupados com o número de mortes relacionadas à Internet, em casos muito divulgados, e com a alta no crime juvenil, as autoridades chinesas estão tomando medidas para conter o vício em Internet por meio da proibição de abertura de novos cibercafés e estudam restringir os videogames violentos.

O centro de Daxing, financiado pelo governo e dirigido por um coronel do hospital militar de Pequim, é uma das poucas clínicas que tratam pacientes de vício em Internet, na China.

Os pacientes, quase todos homens com entre 14 e 19 anos, acordam às 6h15, depois de dormirem em alojamentos coletivos, fazem ginástica e marcham no concreto rachado do pátio, usando uniformes cáqui.

Os sargentos instrutores gritam ordens nos momentos em que os pacientes não estão participando de terapia de grupo ou individual. As sessões incluem simulações de jogos de guerra, com o uso de armas laser.

A abordagem de disciplina adotada pelo IATC para derrotar o vício em Internet só existe na China, crê o centro de recuperação, mas é necessária em um país no qual mais de 2 milhões de adolescentes são viciados em Internet, de acordo com a equipe da instituição.

"Muitos dos viciados em Internet internados aqui raramente levavam em conta os sentimentos alheios. O treinamento militar permite que tenham a sensação de ser parte de uma equipe", disse Xu Leiting, psicólogo do hospital. "Isso também ajuda na recuperação de seus corpos, que se tornam mais fortes."

ROUBAR PARA FICAR ONLINE

O IATC já tratou 1,5 mil pacientes com esse sistema desde que foi aberto, em 2004, e alega que seu índice de sucesso no combate ao vício é de 70 por cento.

As taxas cobradas custam cerca de 10 mil iuans (1.290 dólares) por mês, mas o centro faz acordos que permitem que jovens de famílias pobres sejam tratados, disse Tao Ran, diretor do centro.

"Não há tendência para o vício na Internet com relação a situação econômica ou social ou localização geográfica. Se há acesso à Internet, haverá um vício", disse Tao.

Ao final de 2006, a China tinha um total de 137 milhões de intenautas, um aumento de 23,4 por cento sobre o ano anterior.

Dos usuários com menos de 18 anos, uma parcela de 13 por cento, ou 2,3 milhões, são viciados em navegar pela Web, segundo levantamento de 2006 realizado pelo Centro Nacional de Crianças da China.

As autoridades chinesas chegam a comparar o vício em Internet a outros como alcoolismo, jogos de azar e drogas.

"Os efeitos são os mesmos", disse Tao. "Alguns viciados deixam a escola, alguns roubam dinheiro e vendem coisas da família para continuarem jogando (nos cibercafés). Alguns acabam se matando porque acham que a vida não tem sentido."

Em 2005, um tribunal de Xangai condenou à prisão perpétua um jogador que matou a facadas um rival que tinha roubado sua ciberespada usada em um videogame online.

Mas o vício em Internet na China não é meramente produto de um sistema regulatório imperfeito, disse Xu Leiting, do hospital do centro de tratamento.

"A principal causa para o vício é que as expectativas dos pais sobre seus filhos são muito elevadas", disse o especialista.

Com a educação sendo considerada por muitos pais como o único meio para avanço social em uma sociedade ultracompetitiva de 1,3 bilhão de pessoas, alguns trancam seus filhos em quartos de estudo e pedem a professores para passarem tarefas extras para eles.

"Então eles escapam para um mundo virtual para buscar feitos heróicos, importância e satisfação ou um senso de pertencimento", disse Xu.

Reuters

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!


Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.


Entrar Agora