• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

M.offspring.R

Manual do Wine

14 mensagens neste tópico

Oi pessoal para os interessados em wine, eu fiz um cursozito online e então decidi postar aqui a matéria toda. Vai ser um longo post, mas ca vai:

O que é o Wine?

O Wine faz possível executar programas Windows em sistemas operacionais baseados em Unix, particularmente o Linux. Em sua estrutura, o Wine é uma implementação de uma Biblioteca de Interface de Programação de Aplicações Windows, agindo como uma ponte entre os programas Windows e o Linux.

Funcionamento

Quando um programa de Windows tenta executar uma função que o Linux não compreenda normalmente, o Wine traduzirá a instrução do programa em uma suportada pelo sistema.

Por exemplo, se um programa pedir que o sistema crie uma tecla de Windows ou um campo de texto, o Wine converterá essa instrução em uma equivalente no Linux, enviando o comando ao gerente de janela usando o protocolo X11 padrão.

Se você tiver acesso ao código fonte do programa Windows que deseja usar, o Wine pode ser usado para compilar o programa em um formato que pode ser entendido pelo Linux mais facilmente.

Aplicações nativas

Uma alternativa com relação ao uso de programas Windows pelo Wine, é procurar programas similares desenvolvidos para rodar em Linux. Atualmente existem diversas alternativas para praticamente todos programas Windows, e com ótima qualidade de performance, muitas delas superando a equivalente para Windows. Essa é sempre uma boa escolha, visto que os desenvolvedores de Software estão portando suas aplicações para o Linux em um ritmo crescente, tendo em vista atender um maior número de usuários. Isso elimina a necessidade de utilizar o Wine deixando o sistema mais leve, visto que seu desenvolvimento foi baseado na estrutura do Linux.

Máquinas virtuais

Uma outra alternativa seria fazer o uso máquinas virtuais, que são programas que rodam em nível de software e possibilitam instalar um outro sistema operacional, rodando em cima do originalmente instalado. Com isso, é possível rodar um sistema Linux e ao mesmo tempo rodar o Windows na maquina virtual com suas aplicações executando simultaneamente no mesmo hardware.

No entanto, o uso de máquinas virtuais Configurando manualmentedemanda muita memória do sistema, visto que ele passa a suportar dois sistemas operacionais. Sendo assim, maquinas com recursos limitados não conseguem executar máquinas virtuais satisfatoriamente.

Alguns exemplos de máquinas virtuais de código aberto são Bochs e QEMU, e as com versões comerciais mais usadas são VMware e

VirtualPC.

Métodos de instalação

Uma vez decidido que o Wine é o que você precisa, o próximo passo é decidir como você quer instalá-lo. Existem três métodos para instalar o Wine, com suas vantagens e desvantagens.

Instalação por pacotes

Sem dúvidas o método mais fácil de instalar o Wine é usando a versão em pacotes. Esses pacotes contem arquivos prontos compilados especificamente para a sua distribuição (Debian, Ubuntu, Suse, Slackware, Red Hat, etc), e são constantemente testados para garantir sua funcionalidade.

Instalação por pacotes é o método mais recomendado e pode ser obtido na página de downlaods do WineHQ onde se encontra sempre as últimas versões dos pacotes, ou em alguns sites de downloads. Em alguns casos os pacotes do Wine podem ser encontrados nos repositórios oficiais das distribuições. Pacotes são facilmente atualizados, sendo que em muitas distribuições podem ser atualizados com poucos cliques.

Instalação pelo código fonte

Algumas vezes os pacotes do Wine não atendem exatamente as suas necessidades. Talvez ele não está disponível para sua distribuição ou é incompatível com seu hardware, ou talvez você precisa compilá-lo com algumas otimizações ou com algumas opções desabilitadas.

Por se tratar de um Projeto Open Source (código aberto), você está livre para fazer todas essas modificações com o código fonte do Wine, que é liberado em todas as novas versões. Esse método de instalação pode ser feito fazendo o download do arquivo de código fonte do Wine e compilando com uma linha de comando. Se você tiver familiaridade com esse processo e tiver necessidades especiais esse pode ser o método mais indicado.

Pegar os arquivos de código do Wine é simples. Em todas as atualizações, é colocado um pacote compactado no formato tar.gz no página de downloads do WineHQ. Compilar e instalar o Wine pelo código fonte é um pouco mais difícil que usando um pacote.

Instalação por repositório CVS

Se você desejar acompanhar o desenvolvimento do Wine, ou ajudar como um desenvolvedor, você pode fazer o download das últimas versões do código através do servidor CVS. Instruções para fazer o download do Wine através do servidor CVS pode ser encontrado em http://www.winehq.org/site/cvs

.

Tome conhecimento dos avisos caso queira usar as versões de desenvolvimento. O código fonte presente no repositório CVS não foi suficientemente testado, e pode em alguns casos não compilar corretamente. Por outro lado, esse é a melhor forma de testar como a próxima versão do Wine irá se comportar no seu sistema, ou para que desenvolvedores de programas possam testar como seus softwares se comportarão na próxima versão do Wine.

Instalação de um pacote

Na primeira instalação do Wine, simplesmente faça o download e instale o pacote correspondente, ou utilize alguma ferramenta que o faça, disponibilizada pela sua distribuição (apt-get, synaptic, yum, etc). Caso queira fazer uma atualização de versões, não é necessário remover a versão antiga, as distribuições Linux atuais fazem a substituição automaticamente.

Mas se você instalou através do código fonte, você precisa remove-lo antes de instalar através de pacotes. Será mostrado como fazer a remoção na parte de instalação pelo código fonte.

Pacotes .DEB

Os pacotes .deb são simples de usar e são suportados por distribuições basedas no Debian, como o Ubuntu e o Kurumin. O comando para instalar um pacote .deb é o seguinte:

dpkg -i wine*.deb

O comando para desinstalar um pacote .deb é o seguinte:

dpkg -r wine*.deb

Instalação via Apt-get e Synaptic

Instalar o Wine através do comando DPKG nem sempre é uma boa alternativa, pois podem ocorrer algumas dependências de arquivos que não se encontram no sistema. Um método mais fácil seria utilizar o comando apt-get, disponível em distribuições baseadas no Debian, que faz o download e instala as dependências juntamente com o programa. Para que seja instalado a ultima versão por esse método, é necessário incluir as seguintes linhas no arquivo de configuração do Apt-get/Synaptic localizado em /etc/apt/sources.list :

deb http://wine.sourceforge.net/apt/ binary/

deb-src http://wine.sourceforge.net/apt/ source/

Após salvar o arquivo sources.list, execute o seguinte comando para atualizar a lista dos pacotes disponíveis:

# apt-get update

e finalmente o seguinte comando para instalar o Wine:

# apt-get install wine

Para desinstalar:

# apt-get remove wine

O apt-get utiliza um arquivo localizado em /etc/apt/sources.list que contem endereços de servidores que contêm pacotes atualizados. Antes de utilizar o apt-get é interessante atualizar sua lista de programas disponíveis nos servidores executando o comando:

# apt-get update

No entanto existe um programa com as mesmas funcionalidades do apt-get, o synaptic.

Através dele é possível fazer todas as tarefas descritas acima com mais facilidade.

Obs: Para esses processos é preciso ter a senha de root.

Pacotes RPM

O RPM é um sistema de instalação de programas criado pela Red Hat.

O comando para instalar um pacote RPM é o seguinte:

rpm -i nome_do_pacote.rpm

Caso já tenha uma versão do Wine instalada, basta utilizar o comando seguinte para que seja atualizado para a versão mais recente:

rpm -U wine*.rpm

Caso já esteja instalado e você queira removê-lo, utilize o seguinte comando:

rpm -e wine

Para esse comando não é preciso colocar o nome do pacote com a extensão rpm, basta colocar "wine".

Se você deseja listar os pacotes que já encontram-se instalados, use o seguinte comando:

rpm -qa

Instalação via urpmi

Em distros baseadas no Mandrake, existe a possibilidade de usar o programa urpmi. Esse é um método mais fácil, o urpmi faz o download e instala o programa e dependências que possam existir. O comando para a instalação seria:

urpmi wine

E para desinstalar:

urpme wine

Caso queira listar programas e bibliotecas relacionadas com o wine, utilize o seguinte comando:

urpmq wine

Utilizando o Winecfg

Muitas das configurações podem ser feitas através das ferramentas do Winecfg. Antigamente o Wine utilizava um arquivo de configuração que era localizado em ~/.wine/config. Se a versão que você instalou ainda utiliza este arquivo de configuração você deve fazer uma atualização para a versão mais recente. As versões posteriores a Junho de 2005 não utilizam mais esse arquivo. Atualmente todas as configurações são armazenadas diretamente no registro e acessadas pelo Wine quando ele é iniciado.

O Winecfg deve ter sido instalado no seu computador juntamente com os outros programas do Wine. Para inicia-lo basta digitar o comando no terminal:

$winecfg

Caso o comando não for encontrado, você pode encontra-lo no diretório /usr/local/bin/winecfg .

Caso você não encontre, instale o seguinte pacote:

apt-get install wine-utils

obs: lembrando que o apt-get é apenas para distribuições baseadas no Debian.

Quando o programa iniciar, você ira notar as seguintes abas no topo da janela:

Applications

Libraries

Graphics

Appearance

Drives

Audio

About

Mudanças da configuração nas abas Applications e Libraries pode causar um grande impacto quando uma aplicação for iniciada. As outras configurações fazem com que o Wine se comporte da maneira que você desejar.

As abas Applications, Libraries, e Graphics são interligadas. Se você usar a Configuração Padrão para uma aplicação, todas as mudanças feitas em Libraries e Graphics serão mudadas para todas as aplicações. Se você configurou uma aplicação específica na aba Application e tiver com ela selecionada, então todas as mudanças feitas em Libraries e Graphics terão efeito somente nessa aplicação. Isso permite customizar uma aplicação específica.

Configurações de aplicações

O Wine tem a habilidade de simular o comportamento de diferentes versões do Windows. Em geral, os comportamentos do Windows NT e dos Win9x são bastante diferentes. Algumas aplicações requerem um comportamento específico para que funcionem corretamente, e a mudança dessas configurações podem causar erros quando executados. Recentemente a versão de Windows padrão usada pelo Wine foi alterada para o Windows 2000. Entretanto muitas aplicações trabalham melhor se configuradas

para o Windows 98.

Dentro da aba Applications você pode notar que existe um item chamado Default Settings. Se selecionado, você poder-a ver a versão do Windows padrão que está sendo usando para todas as aplicações. Algumas aplicações específicas são melhor configuradas separadamente das configurações padrões. Para fazer isso siga os seguinte passos:

1.Clique no botão Add application.

2.Selecione o executável da aplicação desejada.

3.Depois de adicionada, você pode escolher a versão específica do Windows que o Wine ira emular a sua aplicação.

Configurações das bibliotecas

Do mesmo modo, algumas aplicações requerem bibliotecas específicas para funcionarem. O Wine reproduz o sistema de bibliotecas do Windows (DLL) com versões projetadas para funcionarem exatamente da mesma forma mas sem requerer as licenças da Microsoft. Sabe-se que existem algumas deficiências nas versões internas, mas em muitos casos a funcionalidade é suficiente. Usando somente as DLLs internas assegura-se que seu sistema utiliza somente código livre. Entretanto, o Wine tem a possibilidade de carregar as DLLs nativas do Windows.

Substituição de DLL

Não é sempre que uma aplicação pode ser executada somente com as DLLs internas. Algumas DLL nativas do Windows funcionam melhor. Após você localizar a DLL no Windows, você precisará colocá-la em um lugar apropriado para que o Wine encontre e possa configurá-la para ser usada. Geralmente o lugar que você colocar é o diretório que você configurou para ser o c:\windows\system . Existem quatro DLLs que você nunca deve tentar usar uma versão nativa: kernel32.dll, gdi32.dll, user32.dll, e ntdll.dll. Essas bibliotecas requerem um acesso ao fonte do Windows que não existe no Wine.

Com isso em mente, uma vez copiada a DLL você precisa configurar o Wine para usá-la. Você pode configurar o Wine para escolher entre uma DLL nativa ou uma interna em dois diferente níveis. Se você tiver selecionado Default Settings na aba Applications, as mudanças que forem feitas afetarão todas as aplicações.

Para adicionar uma substituição para FOO.DLL, na aba Libraries digite "FOO" na caixa New override for library e clique no botão Add. Para mudar como a DLL irá se comportar, selecione-a e clique em Edit. Por padrão as DLLs adicionadas serão setadas para a biblioteca nativa do Windows antes da biblioteca interna do Wine (Native then Builtin). Você pode também escolher somente a nativa (Native(Windows)), somente a interna (Builtin(Wine)), ou desabilita-la (Disable).

Observações sobre o sistema de DLL

A equipe do Wine determinou que as vezes se faz necessário criar DLLs falsas para enganar alguns programas que checam a existência de arquivos para determinar se uma característica particular está disponível. Se esse for o seu problema você pode criar um arquivo vazio no diretório equivalente ao c:\windows\system para fazer com que o programa pense que ele está lá, e as DLLs internas do Wine serão carregadas quando o programa pedir ela.

Naturalmente algumas DLLs não são bem implementadas pelo Wine. Se você não tiver o Windows para poder copiar as DLLs dele, você pode copiar de sites que podem ser encontrados através de sistemas de busca. Certifique-se de estar obedecendo as licenças das DLLs, pois algumas são distribuídas livremente e outras não.

DLLs faltando

Caso o Wine acuse que uma DLL está faltando, você deve checar se esse arquivo é uma DLL disponível publicamente ou se é uma DLL pertencente ao seu programa (procurando por seu nome na internet). Depois de localizá-la, você deve se certificar se o Wine pode usa-la. As DLLs são normalmente carregadas na seguinte ordem:

1.Diretório de onde o programa foi iniciado.

2.Diretório atual.

3.Diretório de sistema do Windows.

4.Diretório do Windows.

5.Diretórios disponíveis no PATH.

Coloque a DLL requerida no diretório do programa, ou coloque no diretório de sistema do Windows (c:\windows\system). Também é possível que você use DLLs nativas do Windows NT, entretanto o suporte do Wine para o NT é menor que para o Win9x.

Configuração de som

O Wine pode trabalhar com diferentes sistemas de audio que você pode escolher na aba Audio. O botão Autodetect pode configurá-lo todo automaticamente, ou você pode selecionar um driver manualmente. Distribuições antigas usando o kernel 2.4 ou anterior normalmente usam o driver "OSS". Kernels a partir do 2.6 utilizam o "ALSA".

Se você tiver usando o KDE, provavelmente você pode usar o driver "aRts". Se você tiver usando o GNOME provavelmente você possa usar o EsounD. Os drivers OSS e ALSA foram os mais testados, portanto é recomendável usá-los se possível. Se você precisar usar o "Jack" ou "NAS" provavelmente você já vai saber o porque.

As configurações do DirectSound são usadas principalmente por jogos. Você pode escolher a velocidade de aceleração da sua placa (hardware acceleration), mas na maioria dos casos "Full" é o ideal.

Configurações gráficas

Existem basicamente cinco configurações gráficas diferentes que você pode usar. Para a maioria das pessoas o padrão é o ideal.

A primeira representa o número de cores que podem ser mostradas na tela. Placas de vídeo antigas demoram muito tempo para mostrar toda a grade de cores e para elas é útil poder especificar um gráfico de "8-bits". Placas de vídeo modernas, normalmente com mais de 8MB de memória, não têm problema em usar um display de 24 ou 32-bits.

As configurações seguintes afetam principalmente jogos e são auto explicativas. Você pode prevenir que o mouse saia da janela do programa do DirectX e o padrão é que essa caixa esteja selecionada. Uma outra razão para que essa opção esteja habilitada é quando a aplicação exige uma maior precisão do mouse.

A opção "Enable desktop double buffering" permite melhores atualizações da tela, sendo que jogos podem se beneficiar com isso, e o padrão é deixar essa opção marcada. Essa opção aumenta o uso da memória.

Você pode também emular um "virtual desktop". Nesse caso, todos os programas irão executar em uma janela separada. Está pode ser uma boa forma para testar erros nos jogos que mudam a resolução da tela. A resolução padrão é 640x480, mas você pode tentar vários tamanhos.

Para as configurações do Direct3D, elas podem ser detectadas automaticamente, mas você pode forçar para que ele se comporte de uma determinada forma. Alguns jogos fazem uma busca no sistema para verificar se algumas funções são suportadas. Desligando essa funcionalidade do wine pode fazer com que jogos rodem mais rapidamente, mas com uma qualidade menor nos gráficos, ou o jogo pode não funcionar corretamente.

Configurações dos drives

O Windows requer uma configuração do disco rígido que é simulada pelo Wine. A maioria das pessoas são familiarizadas com a notação "A:" para representar a o drive de disquete, o "C:" representa o disco rígido principal. etc. Wine usa o mesmo conceito para mapear esses drivers para o sistema de arquivos nativo do Linux.

A configuração do driver do Wine é relativamente simples. No winecfg dentro da aba Drives você poderá ver botões para adicionar ou remover drives. Quando você escolher adicionar um drive, uma nova entrada será feita e irá aparecer o drive padrão. Você pode mudar para onde seus drives apontam mudando a caixa Path:. Se você não tiver certeza do endereço exato do drive você pode clicar em "Browser" para procurar por ele. Para remover um drive basta seleciona-lo e clicar em "Remove".

O Winecfg tem a habilidade de detectar automaticamente os drives disponíveis no seu sistema. É recomendável tentar isso antes de tentar configurar os drives manualmente. Simplesmente clique no botão "Autodetect" para que o Wine procure pelos drives do seu sistema.

Configurando manualmente

Você também pode configurar os drives manualmente, sem usar o Winecfg. Todos os drives ficam em um diretório específico, ~/.wine/dosdevices. Os drives são simplesmente links, ou atalhos, para onde os drives realmente estão no sistema.

O Wine configura automaticamente os drives que ele detecta na primeira vez que você executa o Wine:

            $ ls -la ~/.wine/dosdevices/

            lrwxrwxrwx  1 wineuser wineuser  10 Jul 23 15:12 c: -> ../drive_c

            lrwxrwxrwx  1 wineuser wineuser    1 Jul 23 15:12 z: -> /

Para adicionar outro drive que não foi detectado anteriormente, por exemplo o CD-ROM, você precisa criar um novo link da seguinte forma:

ln -s /mnt/cdrom ~/.wine/dosdevices/d:

Fique atento para o estilo definido para um novo drive - o nome é formado por uma letra seguida por dois pontos (, como "a:" ou "d:".

Como o link do drive "c:" aponta para ~/.wine/drive_c, você pode interpretar que uma referência para c:\windows\system significa ~/.wine/drive_c/windows/system.

Aparência

O Wine pode carregar temas de janelas que você tiver disponível. Apesar de não afetar em nada o funcionamento do Wine e dos programas executados por ele, mudar o tema da aparência pode deixa-lo com uma aparência mais agradável. O Wine suporta o novo tipo de tema MSStyles. Com o tema do "Microsoft Plus!" com suporte aos arquivos .msstyles, os controles das janelas podem ter o visual alterado. Se você desejar testar, siga os seguintes passos:

1.Faça o download do tema desejado. Precisa conter o arquivo .msstyles.

2.Crie um novo diretório no seu drive emulado do Wine da seguinte forma:

$ mkdir -p ~/.wine/drive_c/windows/Resources/themes/nome-do-seu-tema

3.Mova o .msstyles para o diretório criado.

4.Abra o programa winecfg e entre na aba Appearance para selecionar o novo tema.

Portas seriais e paralelas

As configurações das portas paralelas e seriais são muito similares as configurações de drives - basta criar um link em ~/.wine/dosdevices com o nome do dispositivo. As portas seriais do windows seguem uma convenção de nomenclatura, sendo começadas "com" seguidas de um número, como com1, com2, etc. Da mesma forma, as portas paralelas usam "lpt" seguido de um número, como lpt1. Você precisa criar um link direcionando para o dispositivo Unix correspondente, como /dev/ttyS0 e /dev/lp0. Por exemplo, para configurar uma porta serial e uma porta paralela, execute os seguintes comandos no shell:

ln -s /dev/ttyS0 ~/.wine/dosdevices/com1

ln -s /dev/lp0 ~/.wine/dosdevices/lpt1

Compartilhamento de rede

Os compartilhamentos do Windows podem ser mapeados no diretório unc/ , assim qualquer cosia que tente acessar \meuserver\algo\files será localizado em ~/.wine/dosdevices/unc/meuserver/algo/files . Por exemplo, se você utiliza o Samba para montar \meuserver\algo em /mnt/smb/meuserver/algo então você pode utilizar o seguinte comando:

$ ln -s /mnt/smb/meuserver/algo ~/.wine/dosdevices/unc/meuserver/algo

Não esqueça de criar o diretório ~/.wine/dosdevices/unc caso ele ainda não exista.

Fontes

A configuração de fontes é bastante simples de fazer. Para isso basta copiar os arquivos .ttf para a pasta c:\windows\fonts equivalente do Wine, ou seja, ~/.wine/drive_c/windows/fonts .

Impressoras

O Wine pode interagir diretamente com o sistema de impressoras do Linux para encontrar impressoras disponíveis no sistema. Configurar uma impressora no Wine é simplesmente verificar que a configuração CUPS está funcionando normalmente.

Scanners

No Windows, os scanners usam a API TWAIN para acessar o hardware. A DLL TWAIN interna do Wine simplesmente redireciona as requisições para as bibliotecas SANE do Linux. Mas para utilizar o scanner no Wine você tem que ter certeza de que você pode acessa-lo através do SANE. Depois você deve verificar se você tem o xscanimage disponível para o uso. Atualmente o xscanimage é enviado no pacote sane-frontends mas pode não estar instalado na sua distribuição.

Instalação

Considerando que você está usando uma instalação do Windows emulada pelo Wine, você deve instalar aplicações da mesma forma que você faria em uma instalação normal do Windows: através do instalador. Você pode aceitar o padrão pra a instalação, muitos instaladores terão como diretório padrão o "C:\Arquivos de Programas".

Desinstalar e executar aplicações

A forma padrão de desisntalar uma aplicação é através do desinstalador, normalmente registrado no painel de controle "Adicionar/Remover programas". Para acessar o

equivalente do Wine, execute o programa uninstaller no terminal:

$ uninstaller

Alguns programas instalam associados ao painel de controle de applets, como exemplo pode-se citar o Internet Explorer e QuickTime. Você pode acessar o painel de controle do Wine executando o seguinte comando no Terminal:

$ wine control

que abrirá uma janela do painel de controle de applets, como no Windows.

Em aplicações que não instalam um menu ou um item no Desktop, você terá que executar a aplicação através de um comando. Sabendo onde a aplicação foi instalada, o comando seria assim:

$ wine "c:\\Arquivos de Programas\\programa\\programa.exe"

O caminho do diretório não é sensitive case , ou seja, o Wine não faz distinção de letras minúsculas e maiúsculas, mas lembre-se de colocar as aspas duplas.

DCOM98 e IEXPLORER

O dcom98.exe é o instalador de uma importante atualização do Windows 98 para o wine, que possibilita executar algumas aplicações Windows com melhor desempenho.

Para efetuar a instalação do dbcom98 você deve selecionar no winecfg o Sistema operacional Windows 98 e fazer o download e instalar da seguinte forma:

http://download.microsoft.com/download/d/1/3/d13cd456-f0cf-4fb2-a17f-20afc79f8a51/DCOM98.EXE

$ WINEDLLOVERRIDES="ole32=n" wine dcom98.exe

O Iexplorer (browser Internet Explorer) tambem pode ser instalado, pois alguns programas dependem dele para funcionar no Wine. A instalação deve ser feita após a instalação do Dcom98, e de forma semelhante:

http://download.microsoft.com/download/ie6sp1/finrel/6_sp1/W98NT42KMeXP/EN-US/ie6setup.exe

$ WINEDLLOVERRIDES="advpack=n" wine ie6setup.exe

Logo após, baixe os dados dos registros do ie6setup, descompacte e insira no registro da seguinte forma:

http://frankscorner.org/files/ie6registry.tgz

$ regedit ie6-icw.reg

$ regedit ie6.reg

$ regedit iexplore.reg

Navegador gráfico

Se você prefere usar uma interface gráfica para navegar por seus arquivos, uma boa alternativa seria o Winefile. Essa aplicação do Wine pode encontrar outros programas do Wine. Essa é uma boa forma de ver a configuração dos drives e localizar arquivos, podendo também executar programas diretamente do Winefile. Muitas das funções do Winefile ainda estão em desenvolvimento.

$ winefile

O que fazer se algum programa ainda não funcionar?

Verificar a configuração do Wine

Observe a saída do comando

$ wine --version

para ter certeza que você está usando a última versão do Wine. Execute o Winecfg e verifique

se as configurações estão corretas.

Configure com versões diferentes do Windows.

Algumas aplicações se comportam melhor em versões diferentes do Windows. Sendo assim, o ideal seria testar o funcionamento da aplicação em todas as

diferentes versões disponíveis.

Use caminhos de diretórios diferentes

Isso também pode ajudar em alguns casos, iniciar uma aplicação através do diretório em que se encontra ou especificando o diretório emulado pelo

Wine. São essas as formas possíveis:

$ wine ~/.wine/drive_c/Arquivos de programas/Prog/programa.exe

$ wine "c:\\Arquivos de Programas\\Prog\\programa.exe"

Verifique o ambiente do sistema

Pode ser que a estrutura do Wine esteja danificada. Verifique se todas as dependências estão corretas e atualizadas na ultima versão disponível.

Verifique sua aplicação

Talvez a sua aplicação utilize alguma proteção contra cópia ou contra hacks. Muitas proteções atualmente não são suportadas pelo Wine. Mas talvez no futuro elas serão suportadas.

Reconfigure o Wine

Algumas vezes o processo de instalação é modificado em versões mais atualizadas. Se for feita uma atualização de versão do Wine, o ideal é fazer uma reconfiguração. Para isso, renomeie o diretório existente ~/.wine para servir de backup (ex: ~/.wine_back). Inicie o Wine para que seja criada uma nova configuração, e execute o Winecfg para alterar as configurações necessárias. Assim, uma nova configuração baseada na nova versão do Wine instalada será feita.

Activex

Algun programas precisam do plugin Activex para serem instalados. Apesar do Wine solicitar ao usuário a confirmação para fazer o download automaticamente, algumas vezes a instalação não é concluida com exito. Para essa situação, tente instalar o pacote do seguinte link:

http://source.winehq.org/mozactivex

Procure por informações

Procurar por informações na internet é sempre a melhor forma de obter ajuda, pois é muito provável que alguém já tenha feito o que você pretende fazer. Você pode encontra ajuda nos seguintes locais:

Procure por informações do programa em WineHQ's Application Database.

No site Frank's Corner você poderá encontrar uma lista de aplicações com instruções de como utiliza-las no Wine. Você pode encontrar ajuda adicional no Fórum de Usuários.

O Google pode ser a melhor forma de encontrar informações sobre a aplicação que você pretende usar. Você pode encontrar ajuda procurando nos Google Groups, em particular no grupo comp.emulators.ms-windows.wine.

Freenode.net hospeda um canal IRC para o Wine. Você pode acessá-lo usando qualquer cliente IRC. As configurações que você precisa são: server = irc.freenode.net, port = 6667, channel = #winehq

Se você tiver um programa que precisa do Visual Basic Runtime Environment, você pode fazer o download no site da Microsoft.

Se você estiver precisando de alguma DLL que esteja faltando, você pode encontrar em www.dll-files.com

A Mailing lists do Wine também pode ajudar, onde estão usuários especialistas em Wine.

= #winehq

Se você tiver um programa que precisa do Visual Basic Runtime Environment, você pode fazer o download no site da Microsoft.

Se você estiver precisando de alguma DLL que esteja faltando, você pode encontrar em www.dll-files.com

A Mailing lists do Wine também pode ajudar, onde estão usuários especialistas em Wine.

Espero ajudar alguém com este pequeno (ou grande) manual do wine.

Até à próxima.

Cump.

M.offspring.R

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Sugestões:

-> Todo o código ou comandos na shell, mete-os entre [tt] e [/tt] para leitura mais fácil.

-> No titulo da thread tens Winw :)

$ wine "c:\Arquivos de Programas\Prog\programa.exe"
Tens de fazer escape das \ ou seja, tens q escrever $ wine "c:\\Arquivos de Programas\\Prog\\programa.exe" (não li com atenção a thread).
0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Obg pelas dicas... Estas passaram-me ao lado. Com o tamanho deste post, é normal que surjam alguns pequenos lapsos  :)

Em relação ao titulo, no linux aparecia Winw, mas no Windows já me aparece Wine.... porque será?? algum bugzito  :P :P :)

PS. Afinal já está bem  :biggrin:

Cump.

M.offspring.R

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

outra coisa:

Utilizando o Winecfg

Muitas das configurações podem ser feitas através das ferramentas do Winecfg. Antigamente o Wine utilizava um arquivo de configuração que era localizado em ~/.wine/config.

O caminho ficava mais fácil de ler se usasses os tt:

Muitas das configurações podem ser feitas através das ferramentas do Winecfg. Antigamente o Wine utilizava um arquivo de configuração que era localizado em ~/.wine/config.

Ah, e não editaste aquilo das \. Numa shell ele pode atrofiar com isso. Ou usas C:/blah/blah ou C:\\blah\\blah. :)

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Parece ser um bom tutorial.

Quando tiver tempo vou lê-lo com atenção.  :cheesygrin:

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Sugestões:

-> Todo o código ou comandos na shell, mete-os entre [tt] e [/tt] para leitura mais fácil.

-> No titulo da thread tens Winw :cheesygrin:

$ wine "c:\Arquivos de Programas\Prog\programa.exe"
Tens de fazer escape das \ ou seja, tens q escrever $ wine "c:\\Arquivos de Programas\\Prog\\programa.exe" (não li com atenção a thread).

Também podes usar [[/tt]code=bash] [[tt]/code]. :biggrin:

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Sugestões:

-> Todo o código ou comandos na shell, mete-os entre [tt] e [/tt] para leitura mais fácil.

-> No titulo da thread tens Winw :cheesygrin:

$ wine "c:\Arquivos de Programas\Prog\programa.exe"
Tens de fazer escape das \ ou seja, tens q escrever $ wine "c:\\Arquivos de Programas\\Prog\\programa.exe" (não li com atenção a thread).

Também podes usar [[/tt]code=bash] [/code]. :biggrin:

Sim, mas isso vai-te obrigar a mudar de linha, coisa que o [[tt]tt] evita :P
0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Peço desculpa mas é brasileiro o tutorial?

Oi pessoal para os interessados em wine, eu fiz um cursozito online e então decidi postar aqui a matéria toda.

Parece que sim ;)

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Sim. Este tutorial é em brasileiro.

Cump.

M.offspring.R

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!


Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.


Entrar Agora