• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

M6

Computer hacker to be extradited to America

13 mensagens neste tópico

A British man accused of accessing 97 US government computers in the "biggest military hack of all time" will be extradited to America, the Home Office announced last night.

Gary McKinnon, 40, is facing a prison sentence of more than 50 years if he is convicted in the US of sabotaging vital defence systems.

The Home Office said John Reid, the Home Secretary, had signed an order for his extradition and that McKinnon's objections had been rejected.

Computer hacker to be extradited to America

(Filed: 07/07/2006)

A British man accused of accessing 97 US government computers in the "biggest military hack of all time" will be extradited to America, the Home Office announced last night.

Gary McKinnon, 40, is facing a prison sentence of more than 50 years if he is convicted in the US of sabotaging vital defence systems.

The Home Office said John Reid, the Home Secretary, had signed an order for his extradition and that McKinnon's objections had been rejected.

He now has 14 days in which to lodge his case with the Court of Appeal.

McKinnon told the BBC last night that he was planning an appeal, adding: "I am very worried and feeling very let down by my own government."

The Home Secretary's decision follows a ruling in May this year by a judge at Bow Street magistrates' court that McKinnon should be recommended for extradition.

Claims by his lawyers that he could be sent to Guantanamo Bay as a terrorist suspect were dismissed as "fanciful".

McKinnon, from Wood Green, north London, is accused of deleting files that shut down more than 2,000 computers in the US army's military district of Washington for 24 hours, causing damage estimated at $700,000 (£370,000).

After the hearing in May, McKinnon said he regretted his actions and had been motivated only by curiosity.

In Telegraph.co.uk, 07 de Julho de 2006


Quem brinca com o fogo...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Acho que o governo britânico deveria dar mais apoio a este homem. Se ele é britânico e cometeu crimes em sistemas militares dos EUA, então deve ser julgado e condenado em Inglaterra. :)

Ás tantas se chegar aos EUA e se virem que o homem sabe demais, eles mandam-no para o Texas...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Por acaso não concordo. Em especial pelas relações que os ingleses têm com os EUA. Dado o estado actual das coisas, a Inglaterra nunca deixaria de ajudar os EUA, da mesma forma que se fosse ao contrário aconteceria o mesmo...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Por acaso não concordo. Em especial pelas relações que os ingleses têm com os EUA. Dado o estado actual das coisas, a Inglaterra nunca deixaria de ajudar os EUA, da mesma forma que se fosse ao contrário aconteceria o mesmo...

Sim, tambem pensei nesse aspecto. Como são países muito amigos, enviar um mero cidadão de um país para o outro não traz confusão nenhuma para qualquer dos estados. ;)

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Por acaso não concordo. Em especial pelas relações que os ingleses têm com os EUA. Dado o estado actual das coisas, a Inglaterra nunca deixaria de ajudar os EUA, da mesma forma que se fosse ao contrário aconteceria o mesmo...

Sim, tambem pensei nesse aspecto. Como são países muito amigos, enviar um mero cidadão de um país para o outro não traz confusão nenhuma para qualquer dos estados. ;)

É que o tipo não é um "mero cidadão", é uma ameaça real aos EUA e consequentemente à Inglaterra...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Por acaso não concordo. Em especial pelas relações que os ingleses têm com os EUA. Dado o estado actual das coisas, a Inglaterra nunca deixaria de ajudar os EUA, da mesma forma que se fosse ao contrário aconteceria o mesmo...

Sim, tambem pensei nesse aspecto. Como são países muito amigos, enviar um mero cidadão de um país para o outro não traz confusão nenhuma para qualquer dos estados. ;)

É que o tipo não é um "mero cidadão", é uma ameaça real aos EUA e consequentemente à Inglaterra...

Mas quando penetrou nos sistemas de segurança da NASA, do exército, etc, era um mero cidadão. O que eu quero dizer é que a Inglaterra não quer arranjar problemas para o seu lado ao recusar entregar o indivíduo ás autoridades americanas. Isso poderia de certa forma ferir o pacto que têm com os americanos e posicionar os ingleses naquilo que os americanos gostam de chamar "the dark side".

De caminho, os EUA viam a europa como mais uma facção terrorista e continuavam sem perceber que os maiores terroristas são eles próprios...

É preciso ter coragem para fazer o que o Gary McKinnon fez. Aconteça o que lhe acontecer, este deve ficar na nossa memória... :P

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Por acaso não concordo. Em especial pelas relações que os ingleses têm com os EUA. Dado o estado actual das coisas, a Inglaterra nunca deixaria de ajudar os EUA, da mesma forma que se fosse ao contrário aconteceria o mesmo...

Sim, tambem pensei nesse aspecto. Como são países muito amigos, enviar um mero cidadão de um país para o outro não traz confusão nenhuma para qualquer dos estados. ;)

É que o tipo não é um "mero cidadão", é uma ameaça real aos EUA e consequentemente à Inglaterra...

Mas quando penetrou nos sistemas de segurança da NASA, do exército, etc, era um mero cidadão.

Discordo. Nesse preciso momento passou a ser uma ameaça real para os EUA e até para a Inglaterra, dado a amizade e as operações militares conjuntas.

O que eu quero dizer é que a Inglaterra não quer arranjar problemas para o seu lado ao recusar entregar o indivíduo ás autoridades americanas.

Isto até ajuda a Inglaterra a evitar problemas para os seus lados, pois é uma ameça real que fica neutralizada.

Isso poderia de certa forma ferir o pacto que têm com os americanos e posicionar os ingleses naquilo que os americanos gostam de chamar "the dark side".

Nem mais. Se fosse o oposto não tenho a mínima dúvida que os EUA fariam o mesmo.

De caminho, os EUA viam a europa como mais uma facção terrorista e continuavam sem perceber que os maiores terroristas são eles próprios...

Não.

Os EUA sabem bem com quem podem contar, quando e em que situações. Essa visão "romântica" de que os EUA é que são os maus da fita é, na minha humilde opinião, pura e simplesmente inveja e fraquesa europeia.

Inveja por não seremos fortes, influentes e decididos como eles e fraquesa por não termos coragem de fazer certas coisas que sabemos necessárias, em especial quando estamos perante ameaças reais e não temos sequer a coragem de nos defender.

Essa coisa dos EUA serem terroristas mostra bem o quanto a Europa tem memório curta. Se não fossem os americanos hoje estariamos mortos e/ou subjugados aos alemães, depois de derrotados os alemães, não nos esqueçamos que foram os mesmo americanos, com essa mesma política que a Europa gosta de apelidar de "terrorista", que impediu os soviéticos de tomar conta de toda a Europa, parando-os a meio da alemanha.

Foram também eles que libertaram o Kwait. Isto não invalida outras coisas menos "acertadas" como o Vietname e o Iraque. Mas numa coisa eles têm mérito onde a Europa tem apenas inveja e hipocrisia: lutam sempre pelos seus ideais e interesses.

O último caso flagrante deste facto é o Iraque: os EUA lutaram pelos seus interesses, a Inglaterra também, e a Europa, "escandalizada", fez uma campanha contra os EUA, mas assim que os EUA garantiram a manutenção dos contrato de petróleo aos países europeus, em particular à França e à Alemanha, o "escandalo" afinal já não era tão grande e a conversa mudou de figura... Hipocrisia no seu máximo explendor...

É preciso ter coragem para fazer o que o Gary McKinnon fez. Aconteça o que lhe acontecer, este deve ficar na nossa memória... :P

Sabes que a linha que separa a coragem da estupidez é, por vezes, muito, mas muito ténue... :D

Neste caso é tão ténue que mal se viu, mas sim, vai ficar na historia até que alguém faça algo "maior"...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Isto é ridiculo.

Se ele é uma ameaça para a inglaterra tambem, ou consequentemente, ou lá o que é, por que raio é que não são os  ingleses a julga-lo?

são incapazes?

isto é sunmissão. É um cidadão ingles, cometeu crimes em inglaterra tem que ser julgado em inglaterra. Era o que faltava eu cometer um crime em portugal e mandarem-me para a nigeria para me condenar, onde impera a lei da faca.

Já agora ... 50 anos?

A justiça está a dar o rabinho aos politicos... há que ter cuidado com isso, felizmente em portugal ainda há alguma decencia neste tipo de casos.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Isto é ridiculo.

Se ele é uma ameaça para a inglaterra tambem, ou consequentemente, ou lá o que é, por que raio é que não são os  ingleses a julga-lo?

são incapazes?

Rídiculo? Não tem absolutamente nada de ridículo.

Os ingleses não opodem julgar por ele não ter feito nada na inglaterra, ou seja, ele não violou nenhuma lei inglesa, logo a justiça britânica nada tem a apontar-lhe.

isto é sunmissão.

Achas? A mim parece-me entre-ajuda. Quando um país faz uma extradição para Portugal ou vice-versa isso é submissão?

A mim parece-me entre-ajuda e cooperação entre países que querem o bem para si e para os outros.

É um cidadão ingles, cometeu crimes em inglaterra tem que ser julgado em inglaterra.

Ora ai é que te enganas. Ele nada fez na inglaterra, apenas nos EUA.

Era o que faltava eu cometer um crime em portugal e mandarem-me para a nigeria para me condenar, onde impera a lei da faca.

Mas tens alguma dúvida? Se sim, ou és ingénuo ou desconheces como funciona a cooperação entre países nestes casos.

Só poderias ser julgado noutro país se cometeces um crime nesse país, que é o que acontece neste caso.

Já agora ... 50 anos?

A justiça está a dar o rabinho aos politicos... há que ter cuidado com isso, felizmente em portugal ainda há alguma decencia neste tipo de casos.

O tempo tem a ver com as leis do país, neste caso os EUA. Achas pouco? Achas muito? É irrelevante, a tua opinião de nada vale.

Mais, em Portugal o que há é exactamente o contrário: decência zero. Este tipo colocou em perigo uma nação inteira, pode levar 50 anos, que, só assim por acaso, é apenas o dobro do que podes levar em Portugal. Se matares de forma cruel e odiosa o máximo que podes levar é 25 anos, o que não me parece de todo decente, nem para a sociedade nem para aqueles que perderam a pessoa morta. Basta ver as penas estupidas e ridiculas que gangs de crime organizado que mataram e roubaram várias pessoas, onde está a decência de, depois de matares, violares e roubares várias pessoas de forma perfeitamente consciente, apanhares 10 anos de cadeia e saires apenas com 7 cumpridos por bom comportamento? Esta "facilidade" e rapidez com que se é "reabilitado" apenas permite que se volte a roubar e matar... Decência??? Faça-me um favor...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

O tempo tem a ver com as leis do país, neste caso os EUA. Achas pouco? Achas muito? É irrelevante, a tua opinião de nada vale.

Desculpa lá... a partir do memento em que fazes uma afirmação destas é bem claro para todos que se há opiniao que não vale nada é a tua, pelo simples facto de ser autista. Basta ler a frase que acabei de citar.

Assim nem nem mereces uma resposta.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

O tempo tem a ver com as leis do país, neste caso os EUA. Achas pouco? Achas muito? É irrelevante, a tua opinião de nada vale.

Desculpa lá... a partir do memento em que fazes uma afirmação destas é bem claro para todos que se há opiniao que não vale nada é a tua, pelo simples facto de ser autista

;) Autista??? :P

Creio é que ficou bem claro é que tu não compreendes nem o que está em jogo, nem como funcionam as leis e muito menos que a tua opinião é totalmente irrelevante para a justiça dos EUA...

Basta ler a frase que acabei de citar.

Assim nem nem mereces uma resposta.

Sim, eu sei que não vais respoder pois não há nada que possas dizer que rebata o facto que escrevi no post anterior.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
Os EUA sabem bem com quem podem contar, quando e em que situações. Essa visão "romântica" de que os EUA é que são os maus da fita é, na minha humilde opinião, pura e simplesmente inveja e fraquesa europeia.

Inveja por não seremos fortes, influentes e decididos como eles e fraquesa por não termos coragem de fazer certas coisas que sabemos necessárias, em especial quando estamos perante ameaças reais e não temos sequer a coragem de nos defender.

Se os EUA não são terroristas, então o que são? Um povo que invade outro país para roubar petróleo e inventam a desculpa das armas nucleares é um povo terrorista; um povo que manda os judeus para um território que já estava ocupado após a 2ª Guerra Mundial, não é um povo terrorista; um povo que lança duas bombas nucleares noutro país e depois coloca lá as suas empresas a reconstruír o que tinham destruído é um povo terrorista.

Se os americanos se lembrassem de ir para o teu quintal esburacar tudo, alegando que ali havia armas químicas, quando lá só havia petróleo, vais-me dizer que não te revoltavas? Eu revoltava-me.

Essa coisa dos EUA serem terroristas mostra bem o quanto a Europa tem memório curta. Se não fossem os americanos hoje estariamos mortos e/ou subjugados aos alemães, depois de derrotados os alemães, não nos esqueçamos que foram os mesmo americanos, com essa mesma política que a Europa gosta de apelidar de "terrorista", que impediu os soviéticos de tomar conta de toda a Europa, parando-os a meio da alemanha.

Claro. Esse episódio na história da 2ª Guerra é um episódio muito curioso, de facto. Em primeiro lugar, tratava-se praticamente de uma obrigação americana ajudar a Europa: fomos nós que construímos aquilo, eles são descendentes de europeus e mantinhamos relações de cooperação com eles. Em segundo lugar, se os americanos optassem pela passividade, mais cedo ou mais tarde seriam atingidos pelos japoneses e pelos próprios alemães, logo mais vale prevenir do que remediar. Em terceiro lugar, os americanos viram aí uma boa oportunidade para ganhar muito dinheiro assim que a guerra acabasse,  para demonstrar ao mundo todo o seu poderio militar e para propagar a tal mensagem de salvadores do planeta.

A verdade é que a partir da 2ª Guerra Mundial, os EUA são os donos do mundo. Só uma nova guerra fará com que tal panorama possa ser modificado, guerra essa que será provocada pelos EUA. ;)

O último caso flagrante deste facto é o Iraque: os EUA lutaram pelos seus interesses, a Inglaterra também, e a Europa, "escandalizada", fez uma campanha contra os EUA, mas assim que os EUA garantiram a manutenção dos contrato de petróleo aos países europeus, em particular à França e à Alemanha, o "escandalo" afinal já não era tão grande e a conversa mudou de figura... Hipocrisia no seu máximo explendor...

Lutar pelos interesses de uma nação significa aniquilar outra? Libertar um país significa ficar com os poços de petróleo desse mesmo país?

Quanto á hipocrisia europeia, eu não teria orgulho algum em ser francês e os alemães é o que se sabe... :P

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Ha muito a dizer, e muito rebate esse tal facto. Mas já vi que não és em condições de discutir não vais levar resposta.

É lamentavel.

Tópoico encerrado.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
Convidado
Este tópico está fechado a novas respostas.