• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

Rui Carlos

IBM anuncia chip 100 vezes mais rápido que os atuais

7 mensagens neste tópico

A IBM anunciou, nesta terça-feira, a criação de um chip que opera cerca de 100 vezes mais rápido do que os atuais, desenvolvimento que pode abrir caminho para computadores e redes sem fio ultra-rápidos. Os transistores são as peças mais básicas dos processadores e são necessários em todo tipo de aparelho, de supercomputadores até tocadores digitais de música.

A IBM obteve a velocidade recorde construindo um chip de silício entremeado com um elemento químico exótico chamado germânio. "O que temos feito nos últimos anos é pressionar os limites absolutos da tecnologia do silício", disse Bernie Meyerson, que dirige a pesquisa de semicondutores na International Business Machines.

O transistor obteve velocidade de 500 gigahertz, mais de 100 vezes superior à dos mais velozes chips para computadores pessoais à venda hoje e cerca de 250 vezes maior do que a dos chips típicos de celulares, segundo Meyerson. A velocidade só foi atingida quando pesquisadores da IBM, trabalhando com colegas do Georgia Institute of Technology, resfriaram o transistor a uma temperatura próxima de zero absoluto, mas Meyerson disse que o dispositivo funcionava a 300 gigahertz mesmo em temperatura ambiente.

Clay Ryder, presidente do Sageza Group, uma empresa de pesquisa de mercado no setor de tecnologia, disse que o avanço deve resultar em processadores mais rápidos, mas que em operações cotidianas funcionarão em velocidades muito inferiores às demonstradas pela IBM. "É possível construir um carro de corrida que atinja velocidade de 390 Km/h, mas você o usaria para ir trabalhar? Não, mas aprenderia coisas que poderiam ser usadas nos carros de produção em massa", afirmou.

A maior parte das melhoras na velocidade de chips ao longo dos anos deriva da redução do tamanho dos transistores, mas a abordagem da IBM foi alterar o silício em nível atômico, o que significa que os transistores podem ser projetados a partir do zero tendo em vista aplicações muito específicas. Meyerson prevê que os avanços chegarão aos produtos reais em cerca de dois anos, provavelmente em chips usados para acionar redes sem fio supervelozes, capazes de transferir um filme com qualidade de DVD em apenas cinco segundos.

:hmm:

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

É realmente fantástico o que se pode fazer com plantas que já existem ha milhões de anos e como as podemos utilizar para as novas tecnologias..

Mas que é incrível esse tipo de velocidades é.. nem o photoshop ia pesar numa máquina com um CPU desses  :P.

Tou ansioso que isso venha a desenvolver-se para PC's normais.  :P

Cumps. Overrun

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Bem, eu arrisco-me a dizer que não veremos isto implementado nos desktops assim tão cedo.

Se com um dual-core já ficava feliz, imaginem com uma máquina destas: podia ter Dreamweaver, Photoshop, eMule a calcular hashs e a acabar de fazer downloads de ficheiros pesadíssimos, Fireworks, AutoCAD, etc, tudo ligado e a trabalhar ao mesmo tempo. O mais provável é notarmos uma deficiência nas gráficas para acompanhar o avanço destes processadores, mas isso já é outra história... :P

Anyway, isto vai para a Discussão Hardware, se me permite. :P

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Ao contrário do que estão a pensar, o que foi desenvolvido não foi um processador, mas sim um único transistor.

"As someone actually involved with this work, let me clarify a few misconceptions. This result is for a discrete transistor, not a processor or even a simple circuit. Further, the 500GHz refers to a figure of merit known as fT ("f sub T"), not to a clock speed. Such a high figure of merit might make the device suitable for use in high-speed logic gates operating at a couple of hundred GHz (although a complete processor would be slower). Such a processor wouldn't be that dense, however, since power dissipation with bipolar transistors is high compared with CMOS. More commonly, these devices would be used either in RF applications (which is the source of mentioning 2GHz cell phones ... the reference was to carrier frequency, not digital processor speed) or in high-speed serial links including transceivers for fiber-optic links."

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

"silício entremeado" :cheesygrin:

looooooooooooooooooll eheheh... esses brasileiros ehehehe

Epa... n sei o que é que descobriram desta vez, mas parece-me sensacionalismo mais uma vez... é que já se está a atingir o limite desta tecnologia há algum tempo...

a Lei de moore já está na fase mais suave, já estamos a precisar de um novo salto.

Isto porque já se está a atingir o nivel de descretização da matéria, ou seja... um transistor actualmente são apenas algumas centenas de átomos. A tecnologia que em principio subsituirá a actual é a dos nanotubos. Aí sim, será dado um novo salto. Tambem á tenho ouvido falar numa tal tecnologia dos vulcões atómicos.

Mas 100 vezes usando a tecnologia actual parece-me um grande exagero.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Mas 100 vezes usando a tecnologia actual parece-me um grande exagero.

não é exactamente a tecnologia actual (que usa apenas silício), é uma nova tecnologia que mistura silício e germânio. além do mais, a velocidade de 500 GHz foi atingida a temperaturas muito baixas, tal permite diminuir a resistência dos materiais, aumentando a velocidade dos electrões.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Mas 100 vezes usando a tecnologia actual parece-me um grande exagero.

não é exactamente a tecnologia actual (que usa apenas silício), é uma nova tecnologia que mistura silício e germânio. além do mais, a velocidade de 500 GHz foi atingida a temperaturas muito baixas, tal permite diminuir a resistência dos materiais, aumentando a velocidade dos electrões.

????

a tecnologia actual n usa apenas silicio.

O principio básico de funcionamento de um CMOS ( a tecnologia mais usada ) acenta precisamente no facto de não se poder usar apenas silício. Já se usa germanio e muitos outros elementos ali das proximidades dependendo das necessidades.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!


Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.


Entrar Agora