Ir para o conteúdo
  • Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #57 da revista programar. Faz já o download aqui!

Rui Carlos

Comissão Europeia considera Magalhães ilegal

Mensagens Recomendadas

Rui Carlos    309
Rui Carlos
A Comissão Europeia (CE) considera que Portugal infringiu as leis comunitárias da concorrência ao adjudicar por ajuste directo, e não por concurso público, todos os programas governamentais ligados ao Plano Tecnológico da Educação. Está em causa a distribuição gratuita ou a preços reduzidos de mais de um milhão de computadores a alunos e professores – incluindo os 500 mil ‘Magalhães’ que o Executivo de José Sócrates prometeu distribuir pelos alunos do 1.º Ciclo.

As conclusões da Comissão liderada por Durão Barroso são preliminares e fazem parte da chamada fase pré-contenciosa da acção. Esta foi instaurada por incumprimento de Portugal da directiva 2004/18/CE (norma que regula a contratação pública na UE, de forma a assegurar a livre circulação de bens e serviços no Mercado Único Europeu). O processo nasceu de uma queixa apresentada pela empresa Acer na Direcção-Geral do Mercado Interno.

[...]

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=135832

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
M6    71
M6

Bendita UE!

A história da adjudicação do Magalhães à JP Sá Couto é um molho de brócolos do inicio ao fim.

1. Porque raio não se fez um concurso público?

Nunca houve ouvi nenhuma explicação por parte do Governo, e estou bastante curioso em  saber a resposta a tal questão.

2. Porque raio foi escolhida uma empresa que teve e tem problemas com o fisco e com a justiça?

Acusação essa que foi negada mais tarde mas não na totalidade.

3. Será que a JP Sá Couto garantiu a certidão do Fisco onde prova que a empresa não deve nada ao Estado com algum jeitinho que deu ao Governo ou a alguém do Governo?

É que ainda há processos a decorrer e algumas das acusações não foram, até à data, rebatidas pela JP Sá Couto...

4. O que lucrou o Governo, ou alguém do Governo, com esta adjudicação directa?

É que quem ficou a perder sei eu bem: o país! Nem em transparência, nem em concorrência, nem economicamente. Quem nos garante que não havia outra empresa que conseguia fazer mais, melhor e mais barato do que a JP Sá Couto?

Como referi inicialmente, são muitas questões "cinzentas", digno de uma autêntica república das bananas... Talvez por isso se tenha tentado impingir isto ao Hugo Chavez...

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
CR_    0
CR_

"o Estado não celebrou qualquer contrato [de aquisição de computadores] seja por ajuste directo, seja por qualquer outro procedimento

O estado foi à loja e comprou. Também não fez concurso pelos vistos.

"O Estado limitou-se a definir as características técnicas requeridas para os aparelhos e quem estabelece os contratos são os operadores de telecomunicações associados ao projecto"

Mas mesmo sendo "os operadores de telecomunicações associados ao projecto" a estabelecerem os contratos o Estado (associado ao projecto) também teve de celebrar/assinar algum contracto...

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
anolsi    16
anolsi

Mas mesmo sendo "os operadores de telecomunicações associados ao projecto" a estabelecerem os contratos o Estado (associado ao projecto) também teve de celebrar/assinar algum contracto...

Mas foi com os operadores móveis, ou seja, contratos diferentes

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
CR_    0
CR_

Nesse caso, se o portátil magalhães não é o resultado de uma parceria com o governo mas sim com entidades privadas de telecomunicações pergunto-me o que anda o primeiro ministro a fazer de vendedor ambulante noutros países de um produto que supostamente não tem nada ver com o estado.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
anolsi    16
anolsi

Nesse caso, se o portátil magalhães não é o resultado de uma parceria com o governo mas sim com entidades privadas de telecomunicações pergunto-me o que anda o primeiro ministro a fazer de vendedor ambulante noutros países de um produto que supostamente não tem nada ver com o estado.

São aquelas coisas a que chamamos contradições...

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
_JR_    4
_JR_

O Magalhães não é entregue pelas escolas e isso? Penso que não vem de operadora nenhuma...

Os portáteis e-escolas é que vêm de operadores móveis.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
pedrotuga    31
pedrotuga

Do principio ao fim é uma trapalhada completa. Confesso que é cada ginga-joga que nem percebo nada do que é que vai para onde. A única coisa que eu sei é que anda o portuga a pagar e semre uns amiguinho a encher o bolso.

Até em países do terceiro mundo há programas de grande escala para melhorar o acesso às tecnologias, mais organizados e claros que estas coisas do e-escolas e do magalhães.

A única coisa que funciona bem é mesmo o negócio. Sinceramente, crianças de 6-10 anos recisam de um computador para quê? Melhor fariam se lhes dessem brinquedos (o magalhães é um brinquedo caro).

Já aos alunos do ensino secundário um magalhães seria uma ferramneta bem útil. Mas não, aí já tem que haver um negócio de computadores ainda mais caros.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
falco    33
falco

A lei proíbe que o estado faça compras a empresas com dívidas ao fisco e à segurança social... No entanto quem pode concordar que uma empresa que tenha sido condenada por violações a leis como as de protecção de dados, ou quebras de códigos deontológicos, ou quaisquer violações que ponham em causa a sua ideoneidade perante os clienetspossam ser fornecedores do estado? Não é isso fazer o estado correr um risco inaceitável para o interesse público?

Como de costume em Portugal não se tem a ética e moral em conta. Faz-se tudo às escondidas e apenas se envolve alguns que ajudam os que têm poder.

Acontece o mesmo com a micro$oft, que tem beneficiado enormemente de ajustes directos em valores muito superiores ao que a lei permite e em troca vêm cá figuras importantes (para serem vistas ao lado de ministros), dão umas borlas e/ou descontos, patrocinam presidências de Portugal na UE, metem cá uns centros de investigação, etc...

Mas não se fica apenas pela micro$oft e a sua legião de parceiros têm sido beneficiados, outras empresas como a SAP, e muitas outras têm sido favorecidas em concursos com cadernos de encargos ilegais.

Quem perde? O interesse público!

Porque não são escolhidos os melhores produtos e/prestadores de serviços com as melhores ofertas para o estado, porque imensas empresas são impedidas de fazer negócios com o estado (que é de longe o principal comprador de produtos e serviços de TI em Portugal), porque as empresas portuguesas que criam valor e não são apenas intermediários são impedidas de competir em condições justas.

Empresas como a micro$oft, SAP, Oracle, Vortal, Novabase, CPCis (como testa de ferro par a venda de licenças da m$), têm obtido contractos por ajuste directo, em valores muito superiores aos 75000 Euros que a lei permite. E no entanto tudo continua como se nada acontecesse.

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!

Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.

Entrar Agora


×

Aviso Sobre Cookies

Ao usar este site você aceita a nossa Política de Privacidade