• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

Marfig

Mudar de distro - Fedora

13 mensagens neste tópico

Viva pessoal,

Há já algum tempo que ando com vontade de mudar de distro. Corro o SUSE desde... epá... basicamente desde a versão 4.2 aí à uns 15 anos(?). Quero manter-me fiel à minha estratégia de adoptar distros de natureza comercial e desde à dois dias tenho vindo a testar o Fedora, para ter uma noção do que esperar do RedHat. Mas acontece que não tenho gostado da experiência. Digam-me o que pensam aqueles de vocês que já usaram, usam, ou de outra forma conhecem o fedora...

Alguns pontos negativos:

- GNOME por defeito. Eu sei, mas a ideia não é iniciar uma flamewar. Apenas que o Fedora não apresenta a possibilidade de escolher o desktop no ecrã de login quando tenho mais do que um instalado (últimamente tenho andado a brincar com o XFCE e uso o KDE quase exclusivamente e o Gnome apenas quando estou com a minha filha mais velha).No fedora,  tenho que ir buscar o utilitário switchdesk com o yum, e só posso alterar o desktop dentro de uma sessão e após fazer reset do X Windows.

- gdmsetup não existe. Parece que estão a desenvolver uma nova versão mas é estranho que tenham retirado a anterior e basicamente deixado o fedora 9 sem nenhuma forma simples de configurar o GDM. Não percebi qual foi a ideia. duh!

- Não sei bem o que dizer do do yum e do Package Manager. O yum é um mimo, mas o Package Manager crasha-me com alguma frequência, e nota-se que tem alguns problemas quando estou a efectuar outras operações. Também noto que a aplicação torna-se mais instável à medida que vou trabalhando nela. Entretanto os repositórios para o fedora são do mais lento que há. É assustador. A quantidade de informação nos ficheiros de metada parece ser enorme porque só isso explica os tempos de espera que eu experimento com os repositórios da fedora, mas também os usuais freshrpms e livna. Ou isso ou o package manager tem problemas (porque parece-me notar que no yum as coisas andam mais rápido).

- Tenho um sistema que parece montado com cordéis. É assim que me sinto. Em dois dias já consegui crashar o X uma vez (estava em GNOME) e dois halts que me obrigaram a um reboot.

Não sei porquê, mas se calhar ainda me fico pelo SUSE. Não vou arriscar gastar dinheiro se este tipo de problemas no fedora se estendem ao RedHat.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Se calhar a distro mais parecida com o RedHat ainda é o CentOS.

E tens a certeza que não podes escolher o DE no GDM? Acho isso um pouco estranho.

Já não uso o Fedora desde a versão 4 ou 5. A principal razão pelo qual deixei de o usar, foi a quantidade de lixo que ele instala (problema que também vejo no OpenSuse). Na altura achava o Suse mais fácil de usar (particularmente devido ao YaST), mas preferia a simplicidade do Fedora.

A nível de estabilidade, acho que tive mais problemas no OpenSuse 10.2 do que no Fedora (aliás, foi depois da minha passagem pelo OpenSuse que decidi passar a usar Debian Stable).

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Também já experimentei todas as versões do Fedora desde o 5 ao 9, e todas me surpreenderam pela negativa. Embora sejam relativamente rápidas, vêm mesmo muito mal configuradas. O sistema de pacotes é uma joke, nunca funciona bem, e também tive muitos crashes, como tu Marfig.

A única distribuição que sinto que quem a fez sabe realmente o que está a fazer é o Arch Linux. Já a usei durante alguns anos, e foi sempre a mais estável, o que é de admirar, já que tem sempre os pacotes mais recentes nos repositórios. O package manager também é dos melhores que já usei, muito rápido e eficiente. O único problema é que não tem nenhuma empresa por trás, e dá mais trabalho ao início para configurar. Tem também a vantagem os pacotes estarem compilados com optimizações para i686 (Debian, Ubuntu e Fedora é i386)  e nota-se realmente ser mais rápida.

A outra distro que usei foi Ubuntu. Se não te importares de resolver os problemas ocasionais (bem, isto aplica-se a todas as distros) é uma distribuição razoável.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
Tem também a vantagem os pacotes estarem compilados com optimizações para i686 (Debian, Ubuntu e Fedora é i386)  e nota-se realmente ser mais rápida.

Segundo o que li (em fontes da Gentoo, mas deve ser o mesmo para a tua), quando se compila para i386 não se pode usar a NPTL (Native POSIX Thread Library).

JJ

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Debian li em qualquer lado que não é compilado para 386 mas 486 ou algo do género mas não encontro agora a fonte onde vi isso. Se alguém tiver onde confirmar diga. Marfig tu queres uma distro com KDE certo? A fama é que kubuntu não é grande coisa e que o SUSE é das que tem o KDE melhor integrado.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Segundo o que li (em fontes da Gentoo, mas deve ser o mesmo para a tua), quando se compila para i386 não se pode usar a NPTL (Native POSIX Thread Library).

Existem hacks que envolvem distribuições "sujas" de packages i386, mas não há nenhuma grande vantagem, em fazê-lo na minha opinião, a não ser que a ideia seja eventualmente portar. Julgo mesmo que o fedora core chegou a implementar uma destas packages numa distribuição. Tenho na minha memória ter lido algo assim há algum tempo.

Em todo o caso, o facto de muitas destas distribuições virem em i386 é enganador. Penso que é apenas uma estratégia de distribuição dos DVDs e LiveCDs de forma a cobrir um maior número de utlizadores. Este fedora, por exemplo é distribuido i386, mas assim que fiz o primeiro update avançou logo para a distibuição i686. f9.i686 é tudo o que vejo no yum.

Este é o meu actual suporte:

[marfig@localhost ~]$ getconf GNU_LIBPTHREAD_VERSION
NPTL 2.8
[marfig@localhost ~]$ _

A outra distro que usei foi Ubuntu. Se não te importares de resolver os problemas ocasionais

É, mas aqui prefiro manter-me dentro das distribuições comerciais. Tenho andado muito por fora da dança dos distros. É uma coisa que nunca me apelou muito. Pego num, gosto, e desinteresso-me por tudo o resto. Mas inevitavelmente acompanho as noticias mais ou menos. A questão aqui é que as distros comerciais oferecem uma certa estabilidade... emocional. Tu sabes sempre para onde vão, não se baseiam em fundamentalismos religiosos (como a recente palhaçada do FF no Ubuntu) pelo que o princípio é se é bom e funciona, usa-se. És também sempre muito bem recebido quando apresentas sugestões, potenciais patches ou outro tipo de código. Não tens que ficar à espera meses para te responderem e não passas pela humilhação de seres completamente ignorado como é muitas vezes o que acontece quando procuras colaborar no Debian e outras distribuições mainstream. No fundo... são distribuições vocacionadas para o negócio e como tal muitas mais abertas (e free) do que muitas das distribuições que não te custam um centavo.

Se calhar a distro mais parecida com o RedHat ainda é o CentOS.

Estive a ler no website deles e realmente acho que vou tentar o CentOS. A ideia deles é mesmo usar o código RH e manter uma distro 100% compatível (por outras palavras, alterar os logos e afins e distribuir), enquanto que o Fedora é mais um projecto upstream; uma plataforma experimental para o RH que depois a RedHat usa para definir o que vai ou não para o RH.

A nível de estabilidade, acho que tive mais problemas no OpenSuse 10.2

O OpenSuse infelizmente não é muito diferente do fedora. Também tenho ouvido muitas queixas e não é só a 10.2. Nunca o usei portanto não posso comentar. Mas o principio do OpenSuse é o mesmo do fedora, apenas parece que é ainda pior implementado.  

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Marfig tu queres uma distro com KDE certo? A fama é que kubuntu não é grande coisa e que o SUSE é das que tem o KDE melhor integrado.

Hehe, a ideai era mudar do SUSE para outra coisa qualquer. São muitos anos e por alguma razão ando com vontade de respirar outros ares. Mas se calahar não vai acontecer. Vamos ver o que o CentOS me diz do RedHat...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

É, mas aqui prefiro manter-me dentro das distribuições comerciais. Tenho andado muito por fora da dança dos distros. É uma coisa que nunca me apelou muito. Pego num, gosto, e desinteresso-me por tudo o resto. Mas inevitavelmente acompanho as noticias mais ou menos. A questão aqui é que as distros comerciais oferecem uma certa estabilidade... emocional. Tu sabes sempre para onde vão, não se baseiam em fundamentalismos religiosos (como a recente palhaçada do FF no Ubuntu) pelo que o princípio é se é bom e funciona, usa-se. És também sempre muito bem recebido quando apresentas sugestões, potenciais patches ou outro tipo de código. Não tens que ficar à espera meses para te responderem e não passas pela humilhação de seres completamente ignorado como é muitas vezes o que acontece quando procuras colaborar no Debian e outras distribuições mainstream. No fundo... são distribuições vocacionadas para o negócio e como tal muitas mais abertas (e free) do que muitas das distribuições que não te custam um centavo.

Em ArchLinux isso não acontece, tu escolhes tudo o que instalas. Give it a try, pode ser um pouco trabalhosa a configuração inicial, mas depois tens um sistema limpo, à tua medida. Dá uma olhadela ao wiki deles: http://wiki.archlinux.org/index.php/Main_Page
0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
KDEmod. Nunca experimentei, mas já ouvi dizer que esses pacotes são muito modulares e podes costumizar muito bem a tua instalação de KDE.
0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Hmm... acho que vocês os dois têm razão... Estive a ler o website do Arch Linux e não consigo encontrar uma única afirmação que não concorde. Desde o modelo de implementação até à política de patches e a sua definição de simplicidade. Será que encontrei o disto perfeito?

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Também gostei bastante da filosofia do Arch Linux (nomeademente no facto de usarem o rc.local).

O maior defeito é a falta de software no repositórios. Fiquei mal habituado com o Debian, e já não tenho paciência para ser eu a gerir tudo à mão :) A instalação nem é a parte pior, as actualizações e remoções ainda são mais chatas de se fazerem à mão.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Hmm... acho que vocês os dois têm razão... Estive a ler o website do Arch Linux e não consigo encontrar uma única afirmação que não concorde. Desde o modelo de implementação até à política de patches e a sua definição de simplicidade. Será que encontrei o disto perfeito?

Não é perfeita, mas é a única distro que consigo usar.

Mas experimenta e depois diz-nos o que achas! :)

O maior defeito é a falta de software no repositórios. Fiquei mal habituado com o Debian, e já não tenho paciência para ser eu a gerir tudo à mão :)

Hmm, por acaso muito raramente precisei de instalar algum pacote que não se encontrasse nos repositórios.

Apenas tens de activar os repositórios de utilizadores (http://aur.archlinux.org/). Recomendo que usem o yaourt.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

O maior defeito é a falta de software no repositórios. Fiquei mal habituado com o Debian, e já não tenho paciência para ser eu a gerir tudo à mão :) A instalação nem é a parte pior, as actualizações e remoções ainda são mais chatas de se fazerem à mão.

Por acaso só tive esse problema com um driver para uma placa wireless... Dos repositórios normais do Arch, só não uso o repositório unstable, e é raro ter que recorrer ao AUR.
0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!


Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.


Entrar Agora