• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

Anonym

Poesia Matemática

5 mensagens neste tópico

Poesia Matemática

Ás folhas tantas

Do livro matemático

Um Quociente apaixonou-se

Um dia

Doidamente

Por uma Incógnita

Olhou-se com um olhar inumerável

E viu, do ápice à base

Uma figura impar

Olhos onbóides, boca trapezóide

Corpo octogonal, seios esferóides

Fez da sua

Uma Vida

Paralela a dela

Até que se encontraram

No infinito

"Quem és tu?", indagou ele

Com ânsia radical

"Sou a soma dos quadrados dos catetos.

Mas pode me chamar de Hipotenusa"

E de falarem descobriram quem eram

_ O que, em aritmética, corresponde

A almas irmãs _

Primos entre si.

E assim se amaram

Ao quadrado da velocidade da luz

Numa seta potenciação

Traçando

Ao sabor do momento

E da paixão

Rectas, curvas, círculos e linhas senoidais.

Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidianas

E os exegetas do Universo Finito.

Romperam as convenção newtonianas e pitagóricas.

E, em fim, resolveram se casar

Constituir um lar.

Mais que um lar.

Uma perpendicular

Convidaram para padrinhos

O Poliedro e a Bissectriz.

E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro

Sonhando com a felicidade

Integral

E diferencial

E se casaram e tiveram uma secante e três cones

Muito engraçadinhos.

E foram felizes

Até aquele dia

Em que tudo, afinal,

Vira monotonia.

Foi então que surgiu

O Máximo Divisor Comum

Frequentador dos círculos concêntricos.

Viciosos.

Ofereceu-lhe, a ela,

Uma grandeza absoluta,

E reduziu-a a um Denominador Comum,

Ele, Quociente, percebeu

Que com ela não formava um todo

Uma Unidade. Era um triângulo

Tanto chamado amorosa

Dessa problema ela era a fracção

Mais ordinária

Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade

E tudo que era espúrio passou a ser

Moralidade

Como, aliás, em qualquer

Sociedade

Milôr Fernandes

encontrei na net, e achei que o ppl ia gostar  :cheesygrin:

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

curti milhoes...loololol heehehhe quando alterar a minha pagina pessoal coloco la...  :cheesygrin:

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Poesia Matemática

Ás folhas tantas

Do livro matemático

Um Quociente apaixonou-se

Um dia

Doidamente

Por uma Incógnita

Olhou-se com um olhar inumerável

E viu, do ápice à base

Uma figura impar

Olhos onbóides, boca trapezóide

Corpo octogonal, seios esferóides

Fez da sua

Uma Vida

Paralela a dela

Até que se encontraram

No infinito

"Quem és tu?", indagou ele

Com ânsia radical

"Sou a soma dos quadrados dos catetos.

Mas pode me chamar de Hipotenusa"

E de falarem descobriram quem eram

_ O que, em aritmética, corresponde

A almas irmãs _

Primos entre si.

E assim se amaram

Ao quadrado da velocidade da luz

Numa seta potenciação

Traçando

Ao sabor do momento

E da paixão

Rectas, curvas, círculos e linhas senoidais.

Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidianas

E os exegetas do Universo Finito.

Romperam as convenção newtonianas e pitagóricas.

(...)

Milôr Fernandes

eheh amanha este poema vai aparecer no bolo.....com 1 pi ao lado...que o perdido e sozinho teve a vondade de tratar a imagem de vermelho para azul...

heheh obrigada perdido e ao pebat que tb se ofereceu  :P

depois mostro!!  :P :cheesygrin:

amanha é benção das pastas ca em cbr.... deve dar a cerimonia as 11h na tvi, costuma dar....  :cheesygrin:

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!


Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.


Entrar Agora