• Revista PROGRAMAR: Já está disponível a edição #53 da revista programar. Faz já o download aqui!

Ridelight

UE: Portugal em 11º na taxa de penetração de banda larga

3 mensagens neste tópico

Portugal continua em 11º lugar entre os 15 países fundadores da União Europeia (UE) em termos da taxa de penetração da banda larga, a mesma posição que tinha há dois anos, com 10,8%, num total de 1.127.455 ligações, indica hoje a Associação dos Operadores de Telecomunicações (APRITEL).

Apesar de ter crescido 6% no último trimestre, a taxa de penetração da banda larga em Portugal continua a aumentar a um ritmo inferior ao dos Quinze (10%) e dos 25 (13%), refere em comunicado a APRITEL, com base num estudo publicado recentemente pela ECTA (European Competitive Telecommunications Association).

A Dinamarca é o estado membro, entre os Quinze, com maior taxa de penetração da banda larga, seguido pela Bélgica e Holanda. Na cauda do «ranking encontra-se a Grécia, antecedida pela Irlanda, Luxemburgo e Itália.

A evolução da taxa de penetração é «insuficiente face aos objectivos traçados pelo programa Ligar Portugal», sublinha a APRITEL.

«Para alcançar e até ultrapassar os nossos parceiros europeus, temos que ser muito mais exigentes com a implementação da banda larga em Portugal», afirmou o presidente da APRITEL, António Coimbra, para quem «as entidades competentes têm que ser muito mais determinadas a criar condições que permitam aos operadores alternativos aceder à infra-estrutura base de telecomunicações em condições não discriminatórias».

Acrescentou que a APRITEL «tem vindo a propor à autoridade reguladora um conjunto de medidas concretas para ultrapassar este défice competitivo», de acordo com o comunicado.

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Se ainda é insuficiente, então temos de continuar a actuar. Tudo isto do plano de Ligar Portugal tem ido avante nos últimos meses, mas prevejo que após terminarmos o objectivo primário não se estabeleçam outroa objectivos mais ambiciosos. O problema de Portugal é não ter ambição suficiente para nos fazer trabalhar. Espero que a minha geração comece a mudar isso, caso contrário julgo que estaremos perdidos...

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites
O reltório da concorrência na banda larga realizado pela Associação Europeia de Telecomunicações (ECTA), relativo ao terceiro trimestre de 2005, mostra que Portugal continua atrasado nesta área, situando-se no 11º lugar entre os 15 Estados da União Europeia. O crescimento conseguido de 6 por cento não é suficiente para acompanhar a média de aumento de ligações de banda larga na Europa, que se situa nos 10 por cento.

Segundo os dados da ECTA, Portugal detinha neste período 1.127.455 ligações e uma taxa de penetração da banda larga de 10,8%, sendo que as taxas de crescimento estão abaixo das expectativas e obrigam à manutenção no mesmo lugar da tabela que tinha há dois anos atrás.

Os dados são consistentes com os números recolhidos pela Anacom, a entidade reguladora do mercado em Portugal, que apurou para o terceiro trimestre a existência de 1.132.008 clientes de banda larga, sendo 640 mil de ADSL e 488 mil de cabo. O número de utilizadores de banda larga em Portugal cresceu mais de 50 por cento no ano em que pela primeira vez o ADSL ultrapassou as ligações por cabo.

Numa análise mais ampla, baseada num relatório da SPC Network, a ECTA diz que a falta de concorrência no mercado europeu de banda larga custa à Europa 20 milhões de linhas, que poderiam servir os cidadãos se os reguladores tivessem uma atitude mais firme. A associação defende mais uma vez que nos mercados onde a concorrência é mais intensa os clientes são beneficiados com soluções inovadoras e preços reduzidos, garantidos pela criação de novas oportunidades de negócio para os operadores.

Apritel quer mais exigência

Comentando o estudo a ECTA, António Coimbra, Presidente da APRITEL (Associação dos Operadores de Telecomunicações), defende que "Para alcançar e até ultrapassar os nossos parceiros europeus, temos que ser muito mais exigentes com a implementação da Banda Larga em Portugal". Em comunicado o responsável da associação portuguesa adianta ainda que "as entidades competentes têm que ser muito mais determinadas a criar condições que permitam aos operadores alternativos aceder à infra-estrutura base de telecomunicações em condições não discriminatórias".

0

Partilhar esta mensagem


Link para a mensagem
Partilhar noutros sites

Crie uma conta ou ligue-se para comentar

Só membros podem comentar

Criar nova conta

Registe para ter uma conta na nossa comunidade. É fácil!


Registar nova conta

Entra

Já tem conta? Inicie sessão aqui.


Entrar Agora